21 de Novembro, 2013 - 10:00 ( Brasília )

Pensamento

O BRASIL E A NECESSIDADE DE EXERCER PODER.

Texto do Gen Ex Pinto Silva um dos mais brilhantes pensadores militares do Brasil.


O BRASIL E A NECESSIDADE DE EXERCER PODER.


CARLOS ALBERTO PINTO SILVA
General-de-exército da reserva, ex-comandante de Operações Terrestres (COTer),
do Comando Militar do Sul (CMS) e do Comando Militar do Oeste (CMO),
e Membro da Academia Brasileira de Defesa.


A luta pelo Poder continua real e verdadeira no nosso mundo globalizado.

Poder geopolítico das nações pressupõe potencial econômico, político, e estratégico militar.

Países se movimentam conforme seus interesses e obtém sucesso em função de sua capacidade e vontade de exercer Poder.

O Poder defende o interesse nacional de forma proativa e não reativa. O país que tem Poder exerce, procura aumentá-lo, e influencia os outros países.

No conceito de Poder está subjacente a capacidade de um país de defender seus interesses no campo interno e externo, sendo assim oportuno definir Poder:

- “... capacidade de uma unidade política impor a sua vontade às outras unidades”[1].
- “A capacidade de uma nação para usar os seus recursos, de modo a afetar o comportamento de outras nações”[2].
- Para Max Weber o Poder é a capacidade de obrigar, o que implica a coação. Para Norberto Bobbio o Poder é a capacidade de influenciar, o que implica também meios de persuasão.
- Poder Nacional: “Expressão integrada dos meios de toda a ordem de que dispõe a nação, acionados pela vontade nacional, para alcançar e manter, interna e externamente, os objetivos nacionais”[3].


Nas relações internacionais a função do Poder é fazer prevalecer o interesse nacional de um Estado sobre o dos outros. O que mais importa é a percepção de Poder de uns relativamente a outros. Na coação, limite máximo de utilização de poder, temos o recurso ao uso dos meios militares e, então, para se exercer o Poder é preciso ter Força Militar capacitada, preparada e pronta para o emprego.

O Brasil continua titubeante, parece não saber o que quer, é empurrado por seu potencial, não existe uma vontade continuada de exercer Poder de acordo com sua estatura política, econômica e estratégica.

A América do Sul esta dividida, dificultando a busca de convergências políticas, econômicas e de defesa. O Brasil não deve esperar a conjuntura, deve exercer seu Poder para moldar a conjuntura, principalmente na América do Sul, de modo que ela seja favorável aos seus interesses, isto é, definir seus interesses e não permitir que se configure alguma coisa que os ameace.

Há, também, necessidade de o Brasil não perder oportunidades e expandir seu alcance espacial estratégico para além da América do Sul, antecipando e avaliando acontecimentos, e tentando fugir da rotina antiamericana e terceiro mundista adotada por alguns países da América do Sul, o que leva a perder o senso de julgamento para entender a importância do uso do Poder nas tomadas de decisão visando à conquista de seus interesses vitais.

Ao se falar em oportunidades para o Brasil na atual conjuntura, cresce de importância a capacidade de exercer Poder como ator regional e global, e caso nossas elites políticas não entendam que exercer Poder é essencial no mundo moderno, o país estará perdendo grandes chances no grupo das nações em desenvolvimento.

“Os regimes não se mantém com padre-nossos”[4].

Os Estados não se defendem com exigências de explicações, de pedidos de desculpas, e ou com discursos em organismos internacionais.

“Quando encontrar um



 
[1] Raymond Aron                                     
[2] J. Stoessinger
[3] ESG
[4] Maquiavel