COBERTURA ESPECIAL - Ecos - Guerras, Conflitos, Ações - Geopolítica

28 de Maio, 2014 - 11:35 ( Brasília )

1987: Alemão ocidental aterrissa na Praça Vermelha

No dia 28 de maio de 1987, o piloto amador alemão Mathias Rust, de 19 anos, driblou os esquemas de segurança dos países da Cortina de Ferro e aterrissou em plena Praça Vermelha, na capital soviética.

Após atravessar a Escócia, as ilhas Shetland, as ilhas Faroe, Reiquiavique (Islândia), Bergen (Noruega), Helsinque (Finlândia) e sobrevoar três vezes a Praça Vermelha, em Moscou, um pequeno avião aterrissou a 30 metros da Muralha do Kremlin. Do seu interior, desceu um rapaz de 1,86m de altura, usando um blusão vermelho e óculos escuros.

O avião era um pequeno Cessna 172 e o piloto chamava-se Mathias Rust, programador de computadores de 19 anos de idade, natural da cidade de Wesel, perto de Hamburgo. A julgar pelos 900 quilômetros percorridos em território soviético, sem ser contido, e descendo a poucos passos do gabinete de Gorbatchov, ninguém teve dúvidas de que a ousada façanha foi muito bem planejada. Detido imediatamente, foi mais tarde julgado e condenado a quatro anos de prisão.

Mais de 300 pessoas estavam na Praça Vermelha quando o avião desceu, às 19h30min (horário local). Ninguém podia acreditar no que estava vendo. Mathias desceu, disse ser alemão, mas que vinha de Helsinque, e começou a assinar autógrafos. Os guardas do Kremlin só intervieram mais tarde.

Os oficiais chegaram em limusines pretas. Vários caminhões cercaram o local, a identificação da aeronave foi apagada com tinta e o piloto, preso. Ao mesmo tempo, a opinião pública mundial se surpreendia com a ousadia do jovem, que em plena Guerra Fria havia desafiado o poderio soviético. Mais ainda, questionava-se por que seu voo não havia sido interceptado.

Graves falhas na segurança

Como motivo, em princípio, Rust alegou querer impressionar uma garota. Mais tarde, ao prestar depoimento, alegou que "veio à União Soviética numa missão de paz, para conversar com Mikhail Gorbatchov".

O presidente soviético aproveitou o pretexto das falhas na segurança e afastou seu ministro da Defesa e alguns generais do alto comando militar. No dia 3 de setembro de 1987, Mathias Rust foi julgado por um tribunal soviético e condenado a quatro anos de trabalhos forçados.

Após grandes esforços diplomáticos, o rapaz acabou sendo libertado 14 meses mais tarde e deportado para a Alemanha. De volta ao seu país, não passaram de ameaças as intenções das autoridades locais de julgá-lo por ter ameaçado o espaço aéreo. A família, por seu lado, enriqueceu com a venda da história a uma revista alemã.

Dois anos mais tarde, Mathias Rust voltou às manchetes. Em novembro de 1989, ele atacou com uma faca uma estudante de enfermagem, porque ela não queria beijá-lo. Durante o julgamento, os psicólogos concluíram que Rust possuía uma personalidade complexa, incapaz de aceitar uma rejeição. Para ele, a aterrissagem em Moscou teria sido o maior êxito de sua vida. Rust acabou condenado a dois anos e meio de prisão.

Libertado em 1994, retornou no ano seguinte a Moscou para visitar um centro de crianças. Depois de trabalhar dois anos na capital russa como vendedor de sapatos, voltou à Alemanha, enfrentando graves problemas financeiros. Em 2001, esteve mais uma vez no banco dos réus. Aos 33 anos de idade, Mathias foi condenado em Hamburgo a pagar multa de 10 mil marcos por ter roubado um blusão de caxemira numa loja de departamentos. Ele recorreu da sentença, e no final teve de pagar 600 marcos de multa.