19 de Outubro, 2013 - 23:00 ( Brasília )

Aviação

Boeing não desiste da Coréia


Nota DefesaNet

Recomendamos a leitura o artigo: Caças: O “X” da Quest..., digo, da Geração Link

Neste artigo o autor Vianney Jr analisa a competição na Coreia do Sul.

O Editor

Por Randall Palmer


A Boeing Co  ainda está  envolvida com a Coreia do Sul sobre a possível venda de caças F-15 Silent Eagle , apesar de o movimento de Seul, no mês passado, para reabrir um processo de licitação de bilhões de dólares, afirmou Denis Mullenburg, CEO da Boeing Defense à Agência Reuters .

O caça Boeing F-15 Silent Eagle era olhado como o vencedor da competição sul-coreana, mas Seul  puxou o plugue após um grupo de ex-comandantes militares e legisladores do partido governante criticarem o plano por falta de capacidades furtivas da aeronave .

"O que eles decidiram fazer foi atrasar e ter um outro olhar, por isso ainda estamos muito empenhados lá com o F-15 . Essa competição foi adiada e reestruturada , mas ainda não acabou ", disse Muilenburg .

No entanto , ocaça da Lockheed Martin  F- 35A , antes considerado muito caro, agora é visto na Coréia do Sul como um provável candidato após o Ministério da Defesa ter destacado que um caça de quinta geração, como a opção preferida.

O Canadá também está tentando decidir se quer ir para o Lockheed F-35 ou um dos quatro competidores , incluindo o Boeing F-18 Super Hornet.

Em contraste com a Coreia do Sul, o Canadá havia no início manifestado a sua preferência pelo caça da Lockheed Martin por causa de suas capacidades avançadas .

Mas depois de uma discussão sobre seu custo oCanadá estendeu a mão para a Boeing e outras fabricantes de aeronaves estrangeiras.

Em um discurso para uma conferência aeroespacial e de defesa, em Ottawa, Muilenburg teve problema com caracterizar o F-35 como um avião de última geração , dizendo que a Boeing está constantemente adicionando novas tecnologias", e não apenas a cada geração. "

Ele também disse que os governos devem exigir a certeza de custo e programação, observando que 600 F-18s foram entregues em todo o mundo, cada um no custo e no tempo ou antes do previsto. Ele disse que um Super Hornet custaria a metade por hora de vôo de um F-35 .

Funcionários da Lockheed Martin não estavam imediatamente disponível para comentar.

Decisão da Coréia do Sul de reabrir licitação para o contrato F-XK sinaliza um problema maior para a Boeing - que tem as receitas com o caça F-15, a sua  aeronave militar mais rentável, mas com  o envelhecimento, está terminando seu ciclo de vida.

Mas Muilenburg disse à Reuters que o caça F-15 Eagle permanece muito forte e competitivo.

"Nós temos 84 novas encomendas, que estamos produzindo para a Arábia Saudita , e a linha de  montagem está cheia até os anos de 2018 - 2019. Temos usuários do  F- 15  em todo o mundo . Nós estamos continuamente atualizando e modificando os caças para a USAF.

Temos um longo caminho ainda para a frente.