08 de Outubro, 2013 - 10:35 ( Brasília )

Aviação

Airbus diz que deve vender cerca de 1.200 aviões em 2013

Airbus obtém encomenda histórica da Japan Airlines por 31 jatos

A Airbus pode vender cerca de 1.200 aviões em 2013 após ultrapassar sua meta para o ano de pelo menos 1.000 unidades nos primeiros nove meses, disse o vice-presidente de vendas, John Leahy, nesta segunda-feira.

A Japan Airlines anunciou nesta segunda-feira uma encomenda de 31 aviões A350 da Airbus, incluindo 13 unidades do modelo maior, o A350-1000, com 365 assentos, comprando aviões da fabricante europeia pela primeira vez.

Logo após o anúncio, Leahy disse em uma conferência da indústria: "Nós temos uma meta interna de 1.200 (pedidos) mas eu acho que podemos até fazer melhor que isso", embora ele tenha acrescentado que nenhuma nova meta formal foi definida.

A Airbus registrou 1.112 encomendas entre janeiro e setembro. A fabricante europeia e a Boeing estão envolvidas em uma batalha por encomendas no lucrativo segmento de "mini-jumbos", aviões com 300 a 400 assentos.

Japan Airlines (JAL)

A Airbus anunciou sua primeira encomenda de aviões da Japan Airlines (JAL) nesta segunda-feira, entrando no último grande mercado de aviação dominado pela Boeing em um movimento que sugere que a empresa dos Estados Unidos pode pagar pela estreia conturbada do 787 Dreamliner.

O negócio histórico por 31 aviões A350 com um valor combinado de US$ 9,5 bilhões a preços de lista segue uma batalha intensa entre as fabricantes conforme a JAL e a rival doméstica ANA buscam dezenas de novos aviões de longa distância para a próxima década.

O acordo, que também é um golpe potencial para a indústria aeroespacial japonesa que constrói grandes partes de jatos da Boeing, inclui opções para outras 25 unidades do A350s.

Por décadas, a Boeing havia afastado tentativas da fabricante europeia de assegurar uma encomenda da JAL, beneficiando-se de ligações com fornecedores japoneses e alianças políticas profundas entre Tóquio e Washington para manter uma participação de mercado de mais de 80 por cento.

Mas atrasos no 787 Dreamliner e o posterior cancelamento dos voos devido a superaquecimentos na bateria prejudicaram sua imagem e colocaram uma dúvida sobre a habilidade da Boeing de entregar o avião a tempo, disseram especialistas da indústria. Tanto a JAL quanto a ANA são as principais compradoras do Dreamliner.

A Airbus também mostrou a sua disponibilidade para entrar no terreno da Boeing na indústria aeroespacial japonesa, incluindo com cooperação em pesquisa e desenvolvimento.

"Com essa encomenda, ela nos dá mais impulso para buscar potenciais esforços conjuntos de Pesquisa e Desenvolvimento para a futura geração de aeronaves", disse Fabrice Bregier, presidente-executivo da Airbus, subsidiária da EADS, em uma coletiva de imprensa conjunta com o presidente da JAL Yoshiharu Ueki, em Tóquio.

Ueki não disse quanto a JAL irá realmente pagar pelos A350, que disputam com o ainda a ser lançado 777X da Boeing, mas analistas do setor disseram que seria típico garantir descontos generosos em um negócio tão inovador.