COBERTURA ESPECIAL - US RU OTAN - Inteligência

22 de Fevereiro, 2022 - 19:00 ( Brasília )

IMPORTANTE - Discurso Vladimir Putin 21 Fevereiro 2022

Importante discurso proferido por Vladimir Putin e transmitido em cadeia para a Rússia

Nota DefesaNet

Principais documentos da Federação Russa e Vladimir Putin

 
04 Fev 2022Declaração Conjunta da Federação Russa e o República Popular da China sobre as Relações Internacionais entrarem em uma nova era e do Desenvolvimento Global Sustentável
04 Feb 2022 Joint Statement of the Russian Federation and the People’s Republic of China on the International Relations Entering a New Era and the Global Sustainable Development

21 Fev 2022- IMPORTANTE - Discurso Vladimir Putin proferido por Vladimir Putin e transmitido em cadeia para a Rússia
21 Feb 2022– IMPORTANT – Vladimir Putin Speech
 
24 Fev  2022– IMPORTANTE - Discurso do Presidente da Federação da Rússia Vladimir no início das Operações na Ucrânia
24 Feb 2022– IMPORTANT – Speech President Vladimir Putin on Ukrania Opeations

O Editor



Discurso do Presidente da Federação Russa
Vladimir Putin
21 Fevereiro 2022
Kremlin Rússia
(baseado na versão inglesa do discurso Kremlin.ru)

 

 
Presidente da Rússia Vladimir Putin: Cidadãos da Rússia, amigos,
 
Meu discurso diz respeito aos acontecimentos na Ucrânia e por que isso é tão importante para nós, para a Rússia. Claro que a minha mensagem também se dirige aos nossos compatriotas na Ucrânia.
 
O assunto é muito sério e precisa ser discutido com profundidade.
 
A situação em Donbass atingiu um estágio crítico e agudo. Estou falando diretamente com vocês hoje, não apenas para explicar o que está acontecendo, mas também para informá-los sobre as decisões que estão sendo tomadas, bem como possíveis passos futuros.
 
Gostaria de enfatizar novamente que a Ucrânia não é apenas um país vizinho para nós. É uma parte inalienável de nossa própria história, cultura e espaço espiritual. Estes são nossos camaradas, aqueles que nos são mais queridos – não apenas colegas, amigos e pessoas que serviram juntos, mas também parentes, pessoas ligadas pelo sangue, por laços familiares.
 
Desde tempos imemoriais, as pessoas que vivem no sudoeste do que historicamente tem sido terra russa se autodenominam russos e cristãos ortodoxos. Este foi o caso antes do século 17, quando uma parte desse território voltou ao estado russo, e depois.
 
Parece-nos que, de um modo geral, todos conhecemos estes factos, que isso é do conhecimento comum. Ainda assim, é necessário dizer pelo menos algumas palavras sobre a história dessa questão para entender o que está acontecendo hoje, explicar os motivos por trás das ações da Rússia e o que pretendemos alcançar.
 
Então, começarei com o fato de que a Ucrânia moderna foi inteiramente criada pela Rússia ou, para ser mais preciso, pelos bolcheviques, a Rússia comunista. Esse processo começou praticamente logo após a revolução de 1917, e Lenin e seus associados o fizeram de uma maneira extremamente dura com a Rússia – separando, cortando o que historicamente é terra russa. Ninguém perguntou aos milhões de pessoas que vivem lá o que eles pensavam.
 
Então, tanto antes como depois da Grande Guerra Patriótica, Stalin incorporou na URSS e transferiu para a Ucrânia algumas terras que antes pertenciam à Polônia, Romênia e Hungria. No processo, ele deu à Polônia parte do que era tradicionalmente terra alemã como compensação e, em 1954, Khrushchev tirou a Crimeia da Rússia por algum motivo e também a deu à Ucrânia. Com efeito, foi assim que se formou o território da Ucrânia moderna.
 
Mas agora eu gostaria de focar a atenção no período inicial da formação da URSS. Acredito que isso é extremamente importante para nós. Vou ter que abordá-lo à distância, por assim dizer.
 
Vou lembrá-los que após a Revolução de Outubro de 1917 e a subsequente Guerra Civil, os bolcheviques começaram a criar um novo estado. Eles tinham divergências bastante sérias entre si sobre este ponto. Em 1922, Stalin ocupou os cargos de Secretário Geral do Partido Comunista Russo (bolcheviques) e Comissário do Povo para Assuntos Étnicos. Ele sugeriu construir o país com base nos princípios da autonomização, ou seja, dando às repúblicas – as futuras entidades administrativas e territoriais – amplos poderes ao ingressar em um estado unificado.
 
Lenin criticou esse plano e sugeriu fazer concessões aos nacionalistas, a quem chamou de “independentes” na época. As ideias de Lenin sobre o que equivalia essencialmente a um arranjo de estado confederativo e um slogan sobre o direito das nações à autodeterminação, até a secessão, foram lançadas na base do estado soviético. Inicialmente eles foram confirmados na Declaração sobre a Formação da URSS em 1922, e mais tarde, após a morte de Lenin, foram consagrados na Constituição Soviética de 1924.

Isso imediatamente levanta muitas questões. A primeira é realmente a principal: por que era necessário apaziguar os nacionalistas, satisfazer as ambições nacionalistas incessantemente crescentes nos arredores do antigo império? Qual era o sentido de transferir para as unidades administrativas recém-formadas, muitas vezes de forma arbitrária – as repúblicas sindicais – vastos territórios que nada tinham a ver com eles? Deixe-me repetir que esses territórios foram transferidos junto com a população do que historicamente foi a Rússia.
 
Além disso, essas unidades administrativas receberam de fato o status e a forma de entidades estatais nacionais. Isso levanta outra questão: por que foi necessário fazer doações tão generosas, além dos sonhos mais loucos dos nacionalistas mais zelosos e, ainda por cima, dar às repúblicas o direito de se separar do estado unificado sem quaisquer condições?
 
À primeira vista, isso parece absolutamente incompreensível, até louco. Mas apenas à primeira vista. Há uma explicação. Após a revolução, o principal objetivo dos bolcheviques era permanecer no poder a todo custo, absolutamente a todo custo. Fizeram tudo para esse fim: aceitaram o humilhante Tratado de Brest-Litovsk, embora a situação militar e econômica no Kaiser Alemanha e seus aliados fosse dramática e o resultado da Primeira Guerra Mundial fosse uma conclusão precipitada, e satisfizesse quaisquer demandas e desejos de os nacionalistas dentro do país.
 
Quando se trata do destino histórico da Rússia e de seus povos, os princípios de desenvolvimento do Estado de Lenin não foram apenas um erro; foram piores que um erro, como diz o ditado. Isso ficou patente após a dissolução da União Soviética em 1991.
 
É claro que não podemos mudar os acontecimentos passados, mas devemos pelo menos admiti-los aberta e honestamente, sem reservas ou politicagem. Pessoalmente, posso acrescentar que nenhum fator político, por mais impressionante ou lucrativo que possa parecer em um dado momento, pode ou pode ser usado como princípio fundamental do Estado.
 
Não estou tentando colocar a culpa em ninguém. A situação do país naquela época, tanto antes como depois da Guerra Civil, era extremamente complicada; foi crítico. A única coisa que gostaria de dizer hoje é que foi exatamente assim. É um fato histórico. Na verdade, como já disse, a Ucrânia soviética é o resultado da política dos bolcheviques e pode ser justamente chamada de “Ucrânia de Vladimir Lenin”. Ele foi seu criador e arquiteto. Isso é corroborado de forma completa e abrangente por documentos de arquivo, incluindo as duras instruções de Lenin sobre o Donbass, que na verdade foi empurrado para a Ucrânia. E hoje a “progênie grata” derrubou monumentos a Lenin na Ucrânia. Eles chamam isso de descomunização.
 
Você quer a descomunização? Muito bem, isso nos convém muito bem. Mas por que parar no meio do caminho? Estamos prontos para mostrar o que as verdadeiras descomunizações significariam para a Ucrânia.
 
Voltando à história, gostaria de repetir que a União Soviética foi estabelecida no lugar do antigo Império Russo em 1922. Mas a prática mostrou imediatamente que era impossível preservar ou governar um território tão vasto e complexo com os princípios amorfos que equivaleu a confederação. Eles estavam muito distantes da realidade e da tradição histórica.
 
É lógico que o Terror Vermelho e um rápido deslizamento para a ditadura de Stalin, a dominação da ideologia comunista e o monopólio do Partido Comunista sobre o poder, a nacionalização e a economia planificada – tudo isso transformou os princípios de governo formalmente declarados, mas ineficazes, em uma mera declaração . Na realidade, as repúblicas sindicais não tinham direitos soberanos, nenhum. O resultado prático foi a criação de um estado fortemente centralizado e absolutamente unitário.
 
Na verdade, o que Stalin implementou plenamente não foi o de Lenin, mas seus próprios princípios de governo. Mas ele não fez as emendas relevantes aos documentos fundamentais, à Constituição, e não revisou formalmente os princípios de Lenin subjacentes à União Soviética. Ao que parece, parecia não haver necessidade disso, porque tudo parecia estar funcionando bem nas condições do regime totalitário, e por fora parecia maravilhoso, atraente e até superdemocrático.
 
E, no entanto, é uma grande pena que os fundamentos fundamentais e formalmente legais de nosso Estado não tenham sido prontamente limpos das fantasias odiosas e utópicas inspiradas pela revolução, que são absolutamente destrutivas para qualquer Estado normal. Como muitas vezes aconteceu em nosso país antes, ninguém pensou no futuro.
 
Parece que os líderes do Partido Comunista estavam convencidos de que haviam criado um sólido sistema de governo e que suas políticas resolveram definitivamente a questão étnica. Mas a falsificação, o equívoco e a manipulação da opinião pública têm um alto custo. O vírus das ambições nacionalistas ainda está conosco, e a mina colocada no estágio inicial para destruir a imunidade do Estado à doença do nacionalismo estava correndo. Como já disse, a mina era o direito de secessão da União Soviética.
 
Em meados da década de 1980, os crescentes problemas socioeconômicos e a aparente crise da economia planificada agravaram a questão étnica, que essencialmente não se baseava em quaisquer expectativas ou sonhos não realizados dos povos soviéticos, mas principalmente nos apetites crescentes das elites locais.
 
No entanto, em vez de analisar a situação, tomando as medidas apropriadas, em primeiro lugar na economia, e gradualmente transformando o sistema político e o governo de maneira ponderada e equilibrada, a direção do Partido Comunista apenas se engajou em uma conversa aberta sobre o renascimento do Princípio leninista da autodeterminação nacional.
 
Além disso, no curso da luta pelo poder dentro do próprio Partido Comunista, cada um dos lados opostos, em uma tentativa de expandir sua base de apoio, começou a incitar e incentivar irrefletidamente os sentimentos nacionalistas, manipulando-os e prometendo a seus potenciais apoiadores o que desejassem. Contra o pano de fundo da retórica superficial e populista sobre a democracia e um futuro brilhante baseado no mercado ou na economia planificada, mas em meio a um verdadeiro empobrecimento das pessoas e escassez generalizada, ninguém entre os poderes estava pensando nas inevitáveis ????consequências trágicas para o país.
 
Em seguida, eles embarcaram inteiramente no caminho trilhado no início da URSS e favorecendo as ambições das elites nacionalistas nutridas dentro de suas próprias fileiras partidárias. Mas, ao fazê-lo, esqueceram que o PCUS não tinha mais – graças a Deus – as ferramentas para manter o poder e o próprio país, ferramentas como o terror de Estado e uma ditadura de tipo stalinista, e que o notório papel dirigente do partido estava desaparecendo sem deixar vestígios, como uma névoa matinal, bem diante de seus olhos.
 
E então, a sessão plenária de setembro de 1989 do Comitê Central do PCUS aprovou um documento verdadeiramente fatal, a chamada política étnica do partido em condições modernas, a plataforma do PCUS. Incluía as seguintes disposições, cito: “As repúblicas da URSS devem possuir todos os direitos apropriados ao seu status de estados socialistas soberanos”.
 
O próximo ponto: “Os órgãos representativos supremos do poder das repúblicas da URSS podem contestar e suspender a operação das resoluções e diretrizes do governo da URSS em seu território”.
 
E finalmente: “Cada república da URSS terá cidadania própria, que se aplicará a todos os seus residentes”.
 
Não estava claro a que essas fórmulas e decisões levariam?
 
Agora não é o momento nem o lugar para entrar em questões relativas ao direito estatal ou constitucional, ou definir o conceito de cidadania. Mas pode-se perguntar: por que foi preciso abalar ainda mais o país naquela situação já complicada? Os fatos permanecem.
 
Mesmo dois anos antes do colapso da URSS, seu destino estava realmente predeterminado. É agora que radicais e nacionalistas, incluindo e principalmente os da Ucrânia, estão recebendo o crédito por terem conquistado a independência. Como podemos ver, isso é absolutamente errado. A desintegração de nosso país unido foi provocada pelos erros históricos e estratégicos por parte dos líderes bolcheviques e da direção do PCUS, erros cometidos em diferentes momentos na construção do Estado e nas políticas econômicas e étnicas. O colapso da Rússia histórica conhecida como URSS está em sua consciência.
 
Apesar de todas essas injustiças, mentiras e pilhagem total da Rússia, foi nosso povo que aceitou a nova realidade geopolítica que se formou após a dissolução da URSS e reconheceu os novos estados independentes. A Rússia não apenas reconheceu esses países, mas ajudou seus parceiros da CEI, mesmo enfrentando uma situação muito terrível. Isso incluiu nossos colegas ucranianos, que nos pediram apoio financeiro muitas vezes desde o momento em que declararam a independência. Nosso país prestou essa assistência respeitando a dignidade e a soberania da Ucrânia.
 
De acordo com avaliações de especialistas, confirmadas por um cálculo simples de nossos preços de energia, os empréstimos subsidiados que a Rússia concedeu à Ucrânia, juntamente com preferências econômicas e comerciais, o benefício geral para o orçamento ucraniano no período de 1991 a 2013 foi de US$ 250 bilhões.
 
No entanto, havia mais do que isso. No final de 1991, a URSS devia cerca de US$ 100 bilhões a outros países e fundos internacionais. Inicialmente, havia essa ideia de que todas as ex-repúblicas soviéticas pagariam esses empréstimos juntos, no espírito de solidariedade e proporcionalmente ao seu potencial econômico. No entanto, a Rússia se comprometeu a pagar todas as dívidas soviéticas e cumpriu essa promessa ao concluir esse processo em 2017.
 
Em troca disso, os estados recém-independentes tiveram que entregar à Rússia parte dos ativos estrangeiros soviéticos. Um acordo nesse sentido foi alcançado com a Ucrânia em dezembro de 1994. No entanto, Kiev não ratificou esses acordos e depois simplesmente se recusou a honrá-los, exigindo uma parte do Tesouro de Diamantes, reservas de ouro, bem como propriedades da ex-URSS e outros ativos no exterior.
 
No entanto, apesar de todos esses desafios, a Rússia sempre trabalhou com a Ucrânia de maneira aberta e honesta e, como já disse, respeitando seus interesses. Desenvolvemos nossos laços em vários campos. Assim, em 2011, o comércio bilateral ultrapassou US$ 50 bilhões. Deixe-me observar que em 2019, ou seja, antes da pandemia, o comércio da Ucrânia com todos os países da UE combinados estava abaixo desse indicador.
 
Ao mesmo tempo, foi surpreendente como as autoridades ucranianas sempre preferiram lidar com a Rússia de uma forma que lhes garantisse todos os direitos e privilégios, permanecendo livres de quaisquer obrigações.
 
Os funcionários em Kiev substituíram a parceria por uma atitude parasitária, agindo às vezes de maneira extremamente impetuosa. Basta lembrar a contínua chantagem sobre os trânsitos de energia e o fato de que eles literalmente roubavam gás.
 
Posso acrescentar que Kiev tentou usar o diálogo com a Rússia como moeda de troca em suas relações com o Ocidente, usando a ameaça de laços mais estreitos com a Rússia para chantagear o Ocidente para garantir preferências, alegando que, de outra forma, a Rússia teria uma influência maior na Ucrânia.
 
Ao mesmo tempo, as autoridades ucranianas – eu gostaria de enfatizar isso – começaram construindo seu estado na negação de tudo o que nos unia, tentando distorcer a mentalidade e a memória histórica de milhões de pessoas, de gerações inteiras que vivem na Ucrânia. Não é de surpreender que a sociedade ucraniana tenha enfrentado a ascensão do nacionalismo de extrema-direita, que rapidamente se transformou em russofobia e neonazismo agressivos. Isso resultou na participação de nacionalistas ucranianos e neonazistas nos grupos terroristas no norte do Cáucaso e nas reivindicações territoriais cada vez mais altas à Rússia.
 
Um papel nisso foi desempenhado por forças externas, que usaram uma rede ramificada de ONGs e serviços especiais para nutrir seus clientes na Ucrânia e trazer seus representantes para os cargos de autoridade.
 
Deve-se notar que a Ucrânia, na verdade, nunca teve tradições estáveis ??de estado real. E, portanto, em 1991, optou por emular modelos estrangeiros, que não têm relação com a história ou a realidade ucraniana. As instituições políticas do governo foram reajustadas muitas vezes para os clãs em rápido crescimento e seus interesses egoístas, que nada tinham a ver com os interesses do povo ucraniano.
 
Essencialmente, a chamada escolha civilizacional pró-ocidental feita pelas autoridades oligárquicas ucranianas não foi e não visa criar melhores condições no interesse do bem-estar das pessoas, mas manter os bilhões de dólares que os oligarcas roubaram dos ucranianos e estão mantendo suas contas em bancos ocidentais, enquanto acomodam reverentemente os rivais geopolíticos da Rússia.
 
Alguns grupos industriais e financeiros e os partidos e políticos em sua folha de pagamento confiaram nos nacionalistas e radicais desde o início. Outros afirmaram ser a favor das boas relações com a Rússia e da diversidade cultural e linguística, chegando ao poder com a ajuda de seus cidadãos que apoiaram sinceramente suas aspirações declaradas, incluindo milhões de pessoas nas regiões do sudeste. Mas depois de obter os cargos que cobiçavam, essas pessoas imediatamente traíram seus eleitores, voltando atrás em suas promessas eleitorais e, em vez disso, orientando uma política instigada pelos radicais e às vezes até perseguindo seus ex-aliados – as organizações públicas que apoiavam o bilinguismo e a cooperação com a Rússia. Essas pessoas se aproveitaram do fato de que seus eleitores eram em sua maioria cidadãos cumpridores da lei, com visões moderadas que confiavam nas autoridades e que, ao contrário dos radicais, não agiriam de forma agressiva ou usariam instrumentos ilegais.
 
Enquanto isso, os radicais tornaram-se cada vez mais descarados em suas ações e fizeram mais exigências a cada ano. Eles acharam fácil forçar sua vontade sobre as autoridades fracas, que também estavam infectadas com o vírus do nacionalismo e da corrupção e que habilmente substituíram os reais interesses culturais, econômicos e sociais do povo e a verdadeira soberania da Ucrânia por várias especulações étnicas e formais atributos étnicos.
 
Um estado estável nunca se desenvolveu na Ucrânia; seus procedimentos eleitorais e outros políticos servem apenas como cobertura, uma tela para a redistribuição de poder e propriedade entre vários clãs oligárquicos.
 
A corrupção, que é certamente um desafio e um problema para muitos países, incluindo a Rússia, ultrapassou o âmbito habitual na Ucrânia. Ele literalmente permeou e corroeu o estado ucraniano, todo o sistema e todos os ramos do poder.
 
Nacionalistas radicais aproveitaram o descontentamento público justificado e sobrecarregaram o protesto Maidan, escalando-o para um golpe de estado em 2014. Eles também tiveram assistência direta de estados estrangeiros. Segundo relatos, a Embaixada dos EUA forneceu US $ 1 milhão por dia para apoiar o chamado campo de protesto na Praça da Independência em Kiev. Além disso, grandes quantias foram descaradamente transferidas diretamente para as contas bancárias dos líderes da oposição, dezenas de milhões de dólares. Mas as pessoas que realmente sofreram, as famílias daqueles que morreram nos confrontos provocados nas ruas e praças de Kiev e outras cidades, quanto eles conseguiram no final? Melhor não perguntar.
 
Os nacionalistas que tomaram o poder desencadearam uma perseguição, uma verdadeira campanha de terror contra aqueles que se opuseram às suas ações anticonstitucionais. Políticos, jornalistas e ativistas públicos foram perseguidos e humilhados publicamente. Uma onda de violência varreu as cidades ucranianas, incluindo uma série de assassinatos de alto nível e impunes. Estremece-se com as lembranças da terrível tragédia em Odessa, onde manifestantes pacíficos foram brutalmente assassinados, queimados vivos na Casa dos Sindicatos. Os criminosos que cometeram essa atrocidade nunca foram punidos, e ninguém está procurando por eles. Mas sabemos seus nomes e faremos de tudo para puni-los, encontrá-los e levá-los à justiça.

Maidan não aproximou a Ucrânia da democracia e do progresso. Tendo realizado um golpe de estado, os nacionalistas e as forças políticas que os apoiaram acabaram levando a Ucrânia a um impasse, empurrando o país para o abismo da guerra civil. Oito anos depois, o país está dividido. A Ucrânia está lutando com uma crise socioeconômica aguda.
 
De acordo com organizações internacionais, em 2019, quase 6 milhões de ucranianos – ressalto – cerca de 15 por cento, não da força de trabalho, mas de toda a população daquele país, tiveram que ir ao exterior para encontrar trabalho. A maioria deles faz biscates. O seguinte fato também é revelador: desde 2020, mais de 60.000 médicos e outros profissionais de saúde deixaram o país em meio à pandemia.
 
Desde 2014, as contas de água aumentaram quase um terço e as contas de energia aumentaram várias vezes, enquanto o preço do gás para as residências subiu várias dezenas de vezes. Muitas pessoas simplesmente não têm dinheiro para pagar por serviços públicos. Eles literalmente lutam para sobreviver.
 
O que aconteceu? Por que tudo isso está acontecendo? A resposta é óbvia. Eles gastaram e desviaram o legado herdado não apenas da era soviética, mas também do Império Russo. Eles perderam dezenas, centenas de milhares de empregos que permitiram às pessoas obter uma renda confiável e gerar receita tributária, entre outras coisas, graças à estreita cooperação com a Rússia. Setores como construção de máquinas, engenharia de instrumentos, eletrônica, construção de navios e aeronaves foram prejudicados ou completamente destruídos. Houve um tempo, no entanto, em que não apenas a Ucrânia, mas toda a União Soviética se orgulhava dessas empresas.
 
Em 2021, o estaleiro do Mar Negro em Nikolayev fechou as portas. Suas primeiras docas datam de Catarina, a Grande. Antonov, o famoso fabricante, não fabrica uma única aeronave comercial desde 2016, enquanto a Yuzhmash, uma fábrica especializada em mísseis e equipamentos espaciais, está quase falida. A Siderúrgica Kremenchug está em situação semelhante. Esta lista triste continua e continua.
 
Quanto ao sistema de transporte de gás, foi totalmente construído pela União Soviética, e agora se deteriorou a tal ponto que sua utilização cria grandes riscos e tem um alto custo para o meio ambiente.
 
Esta situação levanta a questão: pobreza, falta de oportunidade e potencial industrial e tecnológico perdido – é esta a escolha civilizacional pró-ocidental que eles vêm usando há muitos anos para enganar milhões de pessoas com promessas de pastagens celestiais?
 
Tudo se resumia a uma economia ucraniana em frangalhos e uma pilhagem total dos cidadãos do país, enquanto a própria Ucrânia foi colocada sob controle externo, dirigido não apenas pelas capitais ocidentais, mas também no terreno, como diz o ditado, através de todo um rede de consultores estrangeiros, ONGs e outras instituições presentes na Ucrânia. Eles têm uma influência direta em todas as principais nomeações e demissões e em todos os ramos do poder em todos os níveis, desde o governo central até os municípios, bem como empresas e corporações estatais, incluindo Naftogaz, Ukrenergo, Caminhos de Ferro Ucranianos, Ukroboronprom , Ukrposhta e a Autoridade dos Portos Marítimos da Ucrânia.
 
Não há judiciário independente na Ucrânia. As autoridades de Kiev, a pedido do Ocidente, delegaram o direito de prioridade de selecionar membros dos órgãos judiciais supremos, o Conselho de Justiça e a Comissão de Altas Qualificações de Juízes, a organizações internacionais.
 
Além disso, os Estados Unidos controlam diretamente a Agência Nacional de Prevenção à Corrupção, o Escritório Nacional Anticorrupção, a Procuradoria Especializada Anticorrupção e o Tribunal Superior Anticorrupção. Tudo isso sob o nobre pretexto de revigorar os esforços contra a corrupção. Tudo bem, mas onde estão os resultados? A corrupção está florescendo como nunca antes.
 
O povo ucraniano está ciente de que é assim que seu país é administrado? Eles percebem que seu país não se transformou nem mesmo em um protetorado político ou econômico, mas foi reduzido a uma colônia com um regime fantoche? O Estado foi privatizado. Como resultado, o governo, que se designa como o “poder dos patriotas” não atua mais em uma capacidade nacional e constantemente pressiona a Ucrânia a perder sua soberania.
 
A política de erradicar a língua e a cultura russas e promover a assimilação continua. A Verkhovna Rada gerou um fluxo constante de projetos discriminatórios, e a lei sobre os chamados indígenas já entrou em vigor. As pessoas que se identificam como russas e querem preservar sua identidade, língua e cultura estão recebendo o sinal de que não são desejadas na Ucrânia.
 
 
Sob as leis sobre educação e a língua ucraniana como língua estatal, a língua russa não tem lugar nas escolas ou espaços públicos, mesmo em lojas comuns. A lei sobre o chamado veto de funcionários e expurgo de suas fileiras criou um caminho para lidar com funcionários públicos indesejados.
 
Há cada vez mais atos que permitem que os militares ucranianos e as agências de aplicação da lei reprimam a liberdade de expressão, a dissidência e a perseguição à oposição. O mundo conhece a prática deplorável de impor sanções ilegítimas unilaterais contra outros países, pessoas físicas e jurídicas estrangeiras. A Ucrânia superou seus mestres ocidentais ao inventar sanções contra seus próprios cidadãos, empresas, canais de televisão, outros meios de comunicação e até membros do parlamento.
 
Kiev continua a preparar a destruição da Igreja Ortodoxa Ucraniana do Patriarcado de Moscou. Este não é um julgamento emocional; a prova disso pode ser encontrada em decisões e documentos concretos. As autoridades ucranianas transformaram cinicamente a tragédia do cisma em um instrumento de política de Estado. As autoridades atuais não reagem aos apelos do povo ucraniano para abolir as leis que infringem os direitos dos crentes. Além disso, novos projetos de lei dirigidos contra o clero e milhões de paroquianos da Igreja Ortodoxa Ucraniana do Patriarcado de Moscou foram registrados na Verkhovna Rada.
 
Algumas palavras sobre a Crimeia. O povo da península escolheu livremente estar com a Rússia. As autoridades de Kiev não podem contestar a escolha claramente declarada do povo, razão pela qual optaram por uma ação agressiva, por ativar células extremistas, incluindo organizações islâmicas radicais, por enviar subversivos para realizar ataques terroristas em instalações de infraestrutura crítica e por sequestrar cidadãos russos . Temos provas factuais de que tais ações agressivas estão sendo tomadas com o apoio dos serviços de segurança ocidentais.
 
Em março de 2021, uma nova Estratégia Militar foi adotada na Ucrânia. Este documento é quase inteiramente dedicado ao confronto com a Rússia e estabelece o objetivo de envolver estados estrangeiros em um conflito com nosso país. A estratégia estipula a organização do que pode ser descrito como um movimento terrorista clandestino na Crimeia da Rússia e no Donbass. Também traça os contornos de uma guerra potencial, que deve terminar, segundo os estrategistas de Kiev, “com a assistência da comunidade internacional em condições favoráveis ??para a Ucrânia”, bem como – ouçam com atenção, por favor – “com apoio militar estrangeiro no confronto geopolítico com a Federação Russa”. Na verdade, isso nada mais é do que uma preparação para as hostilidades contra nosso país, a Rússia.
 
Como sabemos, já foi afirmado hoje que a Ucrânia pretende criar as suas próprias armas nucleares, e isso não é apenas gabar-se. A Ucrânia tem as tecnologias nucleares criadas nos tempos soviéticos e veículos de entrega para tais armas, incluindo aeronaves, bem como os mísseis táticos de precisão Tochka-U projetados pelos soviéticos com um alcance de mais de 100 quilômetros. Mas eles podem fazer mais; É apenas uma questão de tempo. Eles têm a base para isso desde a era soviética.
 
Em outras palavras, a aquisição de armas nucleares táticas será muito mais fácil para a Ucrânia do que para alguns outros estados que não vou mencionar aqui, que estão realizando tais pesquisas, especialmente se Kiev receber apoio tecnológico estrangeiro. Também não podemos descartar isso.
 
Se a Ucrânia adquirir armas de destruição em massa, a situação no mundo e na Europa mudará drasticamente, especialmente para nós, para a Rússia. Não podemos deixar de reagir a esse perigo real, tanto mais que, deixe-me repetir, os patronos ocidentais da Ucrânia podem ajudá-la a adquirir essas armas para criar mais uma ameaça ao nosso país. Estamos vendo com que persistência o regime de Kiev está sendo bombardeado com armas. Desde 2014, só os Estados Unidos gastaram bilhões de dólares para esse fim, incluindo fornecimento de armas e equipamentos e treinamento de especialistas. Nos últimos meses, houve um fluxo constante de armas ocidentais para a Ucrânia, ostensivamente, com o mundo inteiro assistindo. Consultores estrangeiros supervisionam as atividades das forças armadas e serviços especiais da Ucrânia e estamos bem cientes disso.
 
Ao longo dos últimos anos, contingentes militares de países da OTAN têm estado quase constantemente presentes em território ucraniano sob o pretexto de exercícios. O sistema de controle de tropas ucraniano já foi integrado à OTAN. Isso significa que a sede da OTAN pode emitir comandos diretos para as forças armadas ucranianas, mesmo para suas unidades e esquadrões separados.
 
Os Estados Unidos e a OTAN iniciaram um desenvolvimento insolente do território ucraniano como teatro de potenciais operações militares. Seus exercícios conjuntos regulares são obviamente anti-russos. Só no ano passado, mais de 23.000 soldados e mais de mil unidades de hardware estiveram envolvidos.
 
Já foi adotada uma lei que permite que tropas estrangeiras venham à Ucrânia em 2022 para participar de exercícios multinacionais. Compreensivelmente, trata-se principalmente de tropas da OTAN. Este ano, pelo menos dez desses exercícios conjuntos estão planejados.
 
Obviamente, tais empreendimentos são projetados para encobrir um rápido aumento do grupo militar da OTAN em território ucraniano. Tanto mais que a rede de aeródromos atualizados com a ajuda dos EUA em Borispol, Ivano-Frankovsk, Chuguyev e Odessa, para citar alguns, é capaz de transferir unidades do exército em muito pouco tempo. O espaço aéreo da Ucrânia está aberto a voos de aeronaves estratégicas e de reconhecimento dos EUA e drones que realizam vigilância sobre o território russo.
 
Acrescentarei que o Centro de Operações Marítimas construído pelos EUA em Ochakov torna possível apoiar a atividade dos navios de guerra da OTAN, incluindo o uso de armas de precisão, contra a Frota Russa do Mar Negro e nossa infraestrutura em toda a costa do Mar Negro.
 
Ao mesmo tempo, os Estados Unidos pretendiam construir instalações semelhantes na Crimeia também, mas os criminosos e os moradores de Sebastopol destruíram esses planos. Sempre nos lembraremos disso.
 
Gostaria de repetir que hoje tal centro já foi implantado em Ochakov. No século 18, soldados de Alexander Suvorov lutaram por esta cidade. Devido à sua coragem, tornou-se parte da Rússia. Também no século XVIII, as terras do litoral do Mar Negro, incorporadas à Rússia como resultado das guerras com o Império Otomano, receberam o nome de Novorossiya (Nova Rússia). Agora estão sendo feitas tentativas para condenar esses marcos da história ao esquecimento, juntamente com os nomes de figuras estatais e militares do Império Russo, sem cujos esforços a Ucrânia moderna não teria muitas grandes cidades ou mesmo acesso ao Mar Negro.
 
Um monumento a Alexander Suvorov foi recentemente demolido em Poltava. O que há para dizer? Você está renunciando ao seu próprio passado? A chamada herança colonial do Império Russo? Bem, neste caso, seja consistente.
 
Em seguida, notadamente, o artigo 17 da Constituição da Ucrânia estipula que a implantação de bases militares estrangeiras em seu território é ilegal. No entanto, como se vê, esta é apenas uma convencionalidade que pode ser facilmente contornada.
 
A Ucrânia abriga missões de treinamento da OTAN que são, na verdade, bases militares estrangeiras. Eles apenas chamaram uma base de missão e terminaram com isso.
 
Kiev há muito proclamou um curso estratégico sobre a adesão à OTAN. De fato, cada país tem o direito de escolher seu próprio sistema de segurança e entrar em alianças militares. Não haveria problema com isso, se não fosse por um “mas”. Os documentos internacionais estipulam expressamente o princípio da segurança igual e indivisível, que inclui obrigações de não fortalecer a própria segurança em detrimento da segurança de outros Estados. Isso está declarado na Carta da OSCE para a Segurança Europeia de 1999, adotada em Istambul e na Declaração de Astana da OSCE de 2010.
 
Em outras palavras, a escolha de caminhos para garantir a segurança não deve representar uma ameaça para outros Estados, enquanto a adesão da Ucrânia à OTAN é uma ameaça direta à segurança da Rússia.
 
Deixe-me lembrá-lo que na cúpula da OTAN de Bucareste, realizada em abril de 2008, os Estados Unidos aprovaram uma decisão no sentido de que a Ucrânia e, a propósito, a Geórgia se tornariam membros da OTAN. Muitos aliados europeus dos Estados Unidos já estavam cientes dos riscos associados a essa perspectiva, mas foram forçados a tolerar a vontade de seu parceiro sênior. Os americanos simplesmente os usaram para realizar uma política claramente anti-russa.
 
Vários estados membros da OTAN ainda estão muito céticos sobre a adesão da Ucrânia à OTAN. Estamos recebendo sinais de algumas capitais europeias nos dizendo para não nos preocuparmos, pois isso não acontecerá literalmente da noite para o dia. Na verdade, nossos parceiros dos EUA também estão dizendo a mesma coisa. “Tudo bem, então”, respondemos, “se não acontecer amanhã, acontecerá depois de amanhã. O que muda do ponto de vista histórico? Nada mesmo."
 
Além disso, estamos cientes da posição e das palavras da liderança dos EUA de que as hostilidades ativas no leste da Ucrânia não descartam a possibilidade de esse país ingressar na OTAN se atender aos critérios da OTAN e superar a corrupção
 
O tempo todo, eles estão tentando nos convencer repetidamente de que a OTAN é uma aliança puramente defensiva e amante da paz que não representa nenhuma ameaça para a Rússia. Mais uma vez, eles querem que acreditemos na palavra deles. Mas estamos bem cientes do valor real dessas palavras. Em 1990, quando a unificação alemã foi discutida, os Estados Unidos prometeram à liderança soviética que a jurisdição da OTAN ou a presença militar não se expandiria uma polegada para o leste e que a unificação da Alemanha não levaria à expansão da organização militar da OTAN para o leste. Esta é uma citação.
 
Eles emitiram muitas garantias verbais, que acabaram sendo frases vazias. Mais tarde, eles começaram a nos assegurar que a adesão à OTAN por países da Europa Central e Oriental só melhoraria as relações com Moscou, aliviaria esses países dos medos impregnados em seu amargo legado histórico e até criaria um cinturão de países amigos da Rússia .
 
No entanto, aconteceu exatamente o contrário. Os governos de alguns países do Leste Europeu, especulando sobre a russofobia, trouxeram seus complexos e estereótipos sobre a ameaça russa à Aliança e insistiram em construir os potenciais de defesa coletiva e implantá-los principalmente contra a Rússia. Pior ainda, isso aconteceu nos anos 1990 e no início dos anos 2000, quando, graças à nossa abertura e boa vontade, as relações entre a Rússia e o Ocidente atingiram um alto nível.
 
A Rússia cumpriu todas as suas obrigações, incluindo a retirada da Alemanha, da Europa Central e Oriental, dando uma imensa contribuição para superar o legado da Guerra Fria. Propusemos consistentemente várias opções de cooperação, inclusive nos formatos do Conselho OTAN-Rússia e da OSCE.
 
Além disso, direi algo que nunca disse publicamente, direi agora pela primeira vez. Quando o então presidente norte-americano Bill Clinton visitou Moscou em 2000, perguntei a ele como os Estados Unidos se sentiriam ao admitir a Rússia na OTAN.
 
Não vou revelar todos os detalhes dessa conversa, mas a reação à minha pergunta foi, digamos, bastante contida, e a verdadeira atitude dos americanos em relação a essa possibilidade pode ser vista de seus passos posteriores em relação ao nosso país. Refiro-me ao apoio aberto aos terroristas no norte do Cáucaso, ao desrespeito pelas nossas exigências e preocupações de segurança, à expansão contínua da OTAN, à retirada do Tratado ABM e assim por diante. Levanta a questão: por quê? O que é tudo isso, qual é o propósito? Tudo bem, você não quer nos ver como amigos ou aliados, mas por que nos tornar inimigos?
 
Só pode haver uma resposta – não se trata de nosso regime político ou algo assim. Eles simplesmente não precisam de um país grande e independente como a Rússia. Esta é a resposta para todas as perguntas. Esta é a fonte da política tradicional dos Estados Unidos em relação à Rússia. Daí a atitude para com todas as nossas propostas de segurança
 
Hoje, uma olhada no mapa é suficiente para ver até que ponto os países ocidentais cumpriram sua promessa de se abster da expansão da OTAN para o leste. Eles apenas trapacearam. Vimos cinco ondas de expansão da OTAN, uma após a outra – Polônia, República Tcheca e Hungria foram admitidas em 1999; Bulgária, Estônia, Letônia, Lituânia, Romênia, Eslováquia e Eslovênia em 2004; Albânia e Croácia em 2009; Montenegro em 2017; e Macedônia do Norte em 2020.
 
Como resultado, a Aliança, sua infraestrutura militar atingiu as fronteiras da Rússia. Esta é uma das principais causas da crise de segurança europeia; teve o impacto mais negativo em todo o sistema de relações internacionais e levou à perda da confiança mútua.
 
A situação continua a se deteriorar, inclusive na área estratégica. Assim, áreas de posicionamento de mísseis interceptores estão sendo estabelecidas na Romênia e na Polônia como parte do projeto dos EUA para criar um sistema global de defesa antimísseis. É do conhecimento geral que os lançadores implantados lá podem ser usados ??para mísseis de cruzeiro Tomahawk – sistemas de ataque ofensivo.
 
Além disso, os Estados Unidos estão desenvolvendo seu Míssil Padrão 6 para todos os fins, que pode fornecer defesa aérea e de mísseis, bem como atingir alvos terrestres e de superfície. Em outras palavras, o sistema de defesa antimísseis dos EUA supostamente defensivo está desenvolvendo e expandindo suas novas capacidades ofensivas.
 
As informações de que dispomos dão-nos boas razões para acreditar que a adesão da Ucrânia à OTAN e a subsequente implantação das instalações da OTAN já foi decidida e é apenas uma questão de tempo. Entendemos claramente que, dado esse cenário, o nível de ameaças militares à Rússia aumentará drasticamente, várias vezes. E gostaria de enfatizar neste ponto que o risco de uma greve repentina em nosso país se multiplicará.
 
O tempo todo, eles estão tentando, repetidamente, que a OTAN é uma aliança puramente defensiva e amante da paz que não representa nenhuma ameaça para a Rússia. Mais uma vez, eles querem que acreditemos na palavra deles. Mas estamos bem cientes do valor real dessas palavras. Alemanha em 1990, quando a unificação alemã foi liderada pelos Estados Unidos soviética que a liderança da OTAN ou a presença militar não se expande uma polegada para o leste e que promove uma unificação da organização da OTAN para o leste. Esta é uma citação.
 
Eles emitirão muitas garantias verbais, que terminarão sendo frases vazias. Mais tarde, eles criaram a nos assegurar que a adesão à Europa Central e Oriental só melhoraria as relações com os países da Rússia, facilitaria esses países dos medos do medo em seu legado histórico e atéia um cinturão de amigos da Rússia .
 
No entanto, aconteceu exatamente o contrário. Os governos de alguns países do Leste Europeu, especulando sobre a Rússiafobia, trouxeram seus complexos e estereótipos sobre a ameaça russa à Rússia e insistiram em construir os potenciais de defesa coletiva e implantar principalmente contra a Rússia. Pior ainda, isso aconteceu nos anos 1990 e no início dos anos 2000, quando, graças à nossa abertura e boa vontade, as relações entre a Rússia e o Ocidente atingiram um alto nível.
 
A Rússia cumpriu todas as suas obrigações, incluindo a retirada da Alemanha, dando da Europa Central e Oriental, uma enorme contribuição para superar o legado da Guerra Fria. Propusemos consistentemente várias opções de cooperação, inclusive nos formatos do Conselho OTAN-Rússia e da OSCE.
 
Além disso, direi algo que nunca disse publicamente, direi agora pela primeira vez. Quando o presidente norte-americano Bill Clinton visitou Moscou em 2000, sentiu-se desde então como os Estados Unidos ao admitir a Rússia na OTAN.
 
Não vou revelar todos os detalhes da conversa, mas a reação à minha pergunta foi, digamos, bastante contida, e a verdadeira atitude dos americanos em relação a essa possibilidade pode ser vista de etapas posteriores em relação ao nosso país. Refiro-me ao apoio aberto aos terroristas no do Cáucaso norte pelas exigências e preocupações de segurança, à expansão contínua do Tratado ABM e assim por diante. Levanta a questão: por quê? O que é tudo isso, qual é o propósito? Tudo bem, você não quer nos ver como amigos ou aliados, mas por que tornar nos inimigos?
 
Só pode haver uma resposta – não se trata de nosso regime político ou algo assim. Eles simplesmente não precisam de um país grande e independente como a Rússia. Esta é a resposta para todas as perguntas. Esta é a fonte da política tradicional dos Estados Unidos em relação à Rússia. Daí a atitude para com todas as nossas propostas de segurança
 
Hoje, até uma promessa de expansão do mapa é suficiente para cumprir sua promessa de expansão da OTAN. Eles apenas trapacearam. Vimos ondas de expansão da OTAN, uma após a outra – Polônia, República Tcheca e Hungria foram admitidas em 1999; Bulgária, Estônia, Letônia, Lituânia, Romênia, Eslováquia e Eslovênia em 2004; Albania e Croácia em 2009; Montenegro em 2017; e Macedônia do Norte em 2020.
 
Como resultado, a Aliança, sua infraestrutura militar atingiu as fronteiras da Rússia. Esta é uma das principais causas da crise de segurança europeia; teve o impacto mais negativo em todo o sistema de relações internacionais e levou à perda da confiança mútua.
 
A situação continua a se deteriorar, inclusive na área estratégica. Assim, as áreas de proteção dos EUA devem ser interceptadas e estão sendo projetadas na Polônia, como parte de interceptação para criar um sistema de proteção global. É conhecimento geral os lançados lançados lá podem ser usados ??– para sistemas de cruzeiro que o ataque ofensivo.
 
Além disso, os Estados Unidos voarão através de seu Míssil Standard-6, podendo chegar a seus alvos, rm tpda a superfície da terra. Em outras palavras, o sistema de defesa  dos EUA supostamente defensivo está e expandindo suas novas capacidades poderosas.
 
As informações de implantação das instalações da OTAN já foram decididas e a implantação das instalações da OTAN já foi decidida e é apenas uma questão de tempo. Entendemos claramente que, dado esse cenário, o nível de ameaças militares à Rússia aumentará drasticamente, várias vezes. E gostaria de enfatizar neste ponto que o risco de uma greve repentina em nosso país se multiplicará.
Vou explicar que os documentos de planejamento estratégico americanos confirmam a possibilidade de um assim chamado ataque preventivo aos sistemas de mísseis inimigos. Também conhecemos o principal adversário dos Estados Unidos e da OTAN. É a Rússia. Documentos da OTAN declaram oficialmente que nosso país é a principal ameaça à segurança euro-atlântica. A Ucrânia servirá como uma ponte avançada para tal ataque. Se nossos ancestrais ouvissem sobre isso, eles provavelmente simplesmente não acreditariam nisso. Também não queremos acreditar nisso hoje, mas é o que é. Gostaria que as pessoas na Rússia e na Ucrânia entendessem isso.
 
Muitos aeródromos ucranianos estão localizados não muito longe de nossas fronteiras. A aviação tática da OTAN implantada lá, incluindo porta-armas de precisão, será capaz de atacar nosso território até a profundidade da linha Volgograd-Kazan-Samara-Astrakhan. A implantação de radares de reconhecimento em território ucraniano permitirá à OTAN controlar rigidamente o espaço aéreo da Rússia até os Urais.
 
Finalmente, depois que os EUA destruíram o Tratado INF, o Pentágono vem desenvolvendo abertamente muitas armas de ataque terrestres, incluindo mísseis balísticos capazes de atingir alvos a uma distância de até 5.500 km. Se implantados na Ucrânia, esses sistemas poderão atingir alvos em toda a parte europeia da Rússia. O tempo de voo dos mísseis de cruzeiro Tomahawk para Moscou será inferior a 35 minutos; mísseis balísticos de Kharkov levarão de sete a oito minutos; e armas de assalto hipersônicas, de quatro a cinco minutos. É como uma faca na garganta. Não tenho dúvidas de que eles esperam realizar esses planos, como fizeram muitas vezes no passado, expandindo a OTAN para o leste, movendo sua infraestrutura militar para as fronteiras russas e ignorando totalmente nossas preocupações, protestos e advertências. Desculpe-me, mas eles simplesmente não se importavam com essas coisas e faziam o que julgavam necessário.
 
Claro, eles vão se comportar da mesma forma no futuro, seguindo um provérbio bem conhecido: “Os cães ladram, mas a caravana continua”. Deixe-me dizer imediatamente – não aceitamos esse comportamento e nunca o aceitaremos. Dito isto, a Rússia sempre defendeu a resolução dos problemas mais complicados por meios políticos e diplomáticos, na mesa de negociações.
 
Estamos bem cientes de nossa enorme responsabilidade quando se trata de estabilidade regional e global. Em 2008, a Rússia apresentou uma iniciativa para concluir um Tratado de Segurança Europeu sob o qual nenhum estado euro-atlântico ou organização internacional poderia fortalecer sua segurança à custa da segurança de outros. No entanto, nossa proposta foi rejeitada logo de cara com o pretexto de que a Rússia não deveria ter permissão para impor limites às atividades da OTAN.
 
Além disso, ficou explicitamente claro para nós que apenas os membros da OTAN podem ter garantias de segurança juridicamente vinculativas.
 
Em dezembro passado, entregamos aos nossos parceiros ocidentais um projeto de tratado entre a Federação Russa e os Estados Unidos da América sobre garantias de segurança, bem como um projeto de acordo sobre medidas para garantir a segurança da Federação Russa e dos Estados membros da OTAN.
 
Os Estados Unidos e a OTAN responderam com declarações gerais. Também havia neles núcleos de racionalidade, mas diziam respeito a questões de importância secundária e tudo parecia uma tentativa de arrastar a questão e desviar a discussão.
 
Respondemos em conformidade e assinalamos que estávamos prontos para seguir o caminho das negociações, desde que, no entanto, todas as questões sejam consideradas como um pacote que inclua as propostas centrais da Rússia que contêm três pontos-chave. Primeiro, para evitar uma maior expansão da OTAN. Segundo, fazer com que a Aliança se abstenha de implantar sistemas de armas de assalto nas fronteiras russas. E, finalmente, reverter a capacidade militar e a infraestrutura do bloco na Europa para onde estavam em 1997, quando o Ato Fundador OTAN-Rússia foi assinado.
 
Essas nossas propostas de princípios foram ignoradas. Para reiterar, nossos parceiros ocidentais mais uma vez vocalizaram as fórmulas muito familiares de que cada estado tem o direito de escolher livremente maneiras de garantir sua segurança ou ingressar em qualquer união ou aliança militar. Ou seja, nada mudou em sua postura, e continuamos ouvindo as mesmas velhas referências à notória política de “portas abertas” da OTAN. Além disso, eles estão novamente tentando nos chantagear e estão nos ameaçando com sanções, que, aliás, eles vão introduzir não importa o que a Rússia continue fortalecendo sua soberania e suas Forças Armadas. Com certeza, eles nunca pensarão duas vezes antes de inventar ou apenas fabricar um pretexto para mais um ataque de sanção, independentemente dos desenvolvimentos na Ucrânia. Seu único objetivo é impedir o desenvolvimento da Rússia. E continuarão a fazê-lo, tal como faziam antes, mesmo sem qualquer pretexto formal só porque existimos e nunca comprometerão a nossa soberania, interesses ou valores nacionais.
 
Gostaria de ser claro e direto: nas atuais circunstâncias, quando nossas propostas para um diálogo igualitário sobre questões fundamentais ficaram realmente sem resposta dos Estad


VEJA MAIS