COBERTURA ESPECIAL - Intel - Inteligência

06 de Janeiro, 2022 - 17:00 ( Brasília )

Guerra Hiibrida - Suécia cria Agência de Defesa Psicológica para combater notícias falsas e interferências estrangeiras

Olhando para a experiência das ações russas na Ucrânia a Suécia cria unidade para tratar de: Guerra Híbrida, Informação e desinformação

Adela Suliman
Washington Post
06 Janeiro 2022

 
A Suécia está lançando uma nova agência para se defender contra uma ameaça crescente: a desinformação – campanhas organizadas para divulgar informações falsas.

O país escandinavo, com cerca de 10 milhões de habitantes, criou a Agência Sueca de Defesa Psicológica (Myndigheten för Psykologiskt Försvar), em 01JAN2022, uma tentativa de salvaguardar sua “sociedade democrática” e “a livre formação de opinião”, disse a agência em seu site. Enquanto o país caminha para as eleições este ano, a agência trabalhará ao lado dos militares e do governo suecos no novo campo de batalha de notícias falsas e desinformação.

“A situação de segurança em nosso ambiente próximo à Europa se deteriorou há algum tempo e, portanto, precisamos reconstruir nossa defesa total”, disse Magnus Hjort, chefe de departamento da agência.

A agência terá como objetivo aumentar a "capacidade do país de identificar e combater a influência de informações malignas estrangeiras, desinformação e outras divulgações de informações enganosas dirigidas à Suécia", disse Hjort.
A agência não lutará contra aqueles que espalham informações falsas dentro da Suécia, em vez disso, terá como objetivo “seu único foco nos agentes de ameaças estrangeiros”, disse Hjort. “A Rússia e a China costumam recorrer a atividades de influência de informações, mas também podemos ver novos atores envolvidos nessas atividades.”

O órgão financiado pelo governo, que começará com 45 funcionários baseados em Karlstad e Solna, se reportará ao departamento de justiça do país.

A ideia da agência foi desenvolvida pela primeira vez em 2018 e está sendo liderada pelo diretor-geral Henrik Landerholm, um ex-oficial do exército e embaixador no Oriente Médio.

A desinformação, especialmente em torno das eleições, tem sido uma grande ameaça em todo o mundo. A Rússia lançou uma campanha de longo alcance para influenciar as eleições presidenciais de 2016 em favor de Donald Trump. No ano passado, funcionários da União Europeia alertaram a Rússia contra a realização de “atividades cibernéticas maliciosas” na véspera das eleições na Alemanha, enquanto a Europa fica cada vez mais desconfiada com os hackers apoiados pelo Kremlin.

O gigante da mídia social Facebook divulgou um relatório no ano passado revelando campanhas de desinformação em mais de 50 países desde 2017, e apontou a Rússia como o maior produtor.

A França anunciou planos de estabelecer uma agência nacional para combater as notícias falsas e evitar a interferência estrangeira em suas eleições. Hjort diz que há “grande interesse de outros países em obter conhecimento com nossas experiências”, prevendo que outros seguirão o exemplo.

Para este ano, a agência se concentrará em trabalhar para “proteger a Suécia contra a influência maligna de informações estrangeiras” antes das eleições de setembro, acrescentou.

A Suécia não é membro da OTAN e mantém um exército em escala reduzida desde o fim da Guerra Fria. A vizinha Rússia tem sido uma ameaça constante, com a anexação da Crimeia em 2014 alarmando os suecos.

Como outros países, a Suécia sofreu desinformação sobre a pandemia do coronavírus e protestos contra as restrições impostas pelo governo. A agência enfatiza que os indivíduos terão um papel a desempenhar no combate às notícias falsas, ao lado de uma mídia nacional robusta e da sociedade civil.

A agência sueca afirma que o combate à desinformação “fortalece a democracia”, mas deverá fazê-lo sem prejudicar a liberdade de expressão e de expressão, protegida pela constituição do país.

“É preciso ter muito cuidado quando se trata de liberdade de expressão. Nunca devemos limitar os direitos democráticos de nossa população ”, disse Hjort.

Karen Douglas, professora de psicologia social da Universidade de Kent, disse ao The Post que a nova agência provavelmente daria à população sueca as habilidades para detectar notícias falsas e receber informações “com um olhar mais crítico”.

Essa abordagem, disse ela, era “provavelmente menos provável de encontrar resistência pública” do que simplesmente bloquear informações nas redes sociais ou sites.

“Bloquear informações e fontes específicas só pode ser eficaz, porque as pessoas e grupos provavelmente encontrarão novas maneiras de compartilhar informações incorretas. O processo de lidar com a desinformação, portanto, torna-se um pouco como um jogo”, acrescentou ela.

A desinformação no Facebook obteve seis vezes mais cliques do que notícias factuais durante a eleição de 2020, diz estudo.

Alguns são mais céticos. “Suspeito que o policiamento da Internet seja de fato uma causa perdida”, disse Martin Bauer, diretor de comunicação social e pública e professor de psicologia social da London School of Economics and Political Science.

Ainda assim, a mudança para estabelecer tal agência, disse Bauer, reflete uma mudança em direção à prevenção da desinformação como uma forma de proteção ao consumidor - com o governo intervindo proativamente para impedir que os cidadãos sejam prejudicados por notícias falsas.


Matéria Relacionada

Gen Micael Bydén - A Suécia aumentou sua preparação militar
O principal chefe militar da Suécia afirma que o país está preparado para desafios.
Dagens Nyheter Estocolmo 24 Dezembro 2021


 


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Pandemic War

Pandemic War

Última atualização 18 JAN, 21:40

MAIS LIDAS

Intel