COBERTURA ESPECIAL - Especial Terror - Inteligência

22 de Março, 2015 - 12:45 ( Brasília )

Projetos antiterror: A Farsa Montada

Para Cunha, lei antiterror poderia ser votada rapidamente

 

Nota DefesaNet

Leia o texto

Órgãos de inteligência detectaram movimentos do Estados Islâmico para cooptar jovens no Brasil link

O Editor

Lu Aiko Otta
Estadão Conteúdo

 

BRASÍLIA - O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), acredita que o Legislativo pode votar rapidamente uma legislação específica de combate ao terrorismo. "Não vejo problema de debater e votar qualquer mudança de legislação com celeridade", disse ele ao Estado, por meio do aplicativo WhatsApp.

A falta de instrumentos legais para reprimir a ação de terroristas no Brasil é apontada pela Polícia Federal e pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin) como um dos obstáculos à contenção da entrada do Estado Islâmico no País.

Como informa com exclusividade o Estado em sua edição de hoje, os órgãos de inteligência detectaram tentativa de cooptação de jovens no Brasil e relatórios reservados sobre o assunto já chegaram ao Palácio do Planalto. Foram identificados pelo menos dez brasileiros convertidos atuando nas redes sociais. As discussões internas estão sendo conduzidas pela Casa Civil, no âmbito dos preparativos dos Jogos Olímpicos de 2016.

A falta de uma lei específica criminalizando o terrorismo impede, por exemplo, que sejam rastreadas conversas entre internautas e o Estado Islâmico nas redes sociais. O Congresso analisa propostas sobre o tema há 22 anos, mas os projetos não ganham prioridade porque há uma noção que o terrorismo é uma ameaça distante ao País.

Segundo Cunha, a iniciativa de propor uma lei específica cabe ao Executivo. "Mas, ao constatar o fato, é possível que o Parlamento tenha propostas para isso."

 
Presidente Dilma Rousseff cumprimenta o líder do MST, Stédile, em evento realizado para mostrar o apoio do Movimento, com o Governo Federal, Eldorado do Sul, 20MAR15. As ações do MST e suas parcerias internacionais atraem a atenção das Agências de Inteligência de vários países. Foto - Correio do Povo 


PPS. O líder do PPS na Câmara, deputado Rubens Bueno (PR), informou há pouco por meio de nota que pedirá informações ao governo sobre a atuação do Estado Islâmico no País. Conforme informa o Estado em sua edição de hoje, os órgãos de inteligência detectaram pelo menos dez brasileiros convertidos, que estariam atuando nas redes sociais. O Planalto já recebeu relatórios sobre o assunto e a Casa Civil está coordenando as discussões internas.
 
"Este é um tema que deve unir Executivo, Legislativo e o Judiciário porque, sem debate e sem estratégia conjunta, não é possível somar forças para enfrentar esta eventual ameaça", comentou o deputado. "O Congresso precisa estar envolvido até para fazer as alterações necessárias no nosso ordenamento jurídico, visando fortalecer as instituições."
 
Ele informou ainda que pedirá esclarecimentos à Autoridade Pública Olímpica (APO) sobre os protocolos de segurança.

Comentário DefesaNet

A grande farsa política conduzida pelo governo é a discussão política de aprovação de uma lei antiterror no Brasil.
 
É impossível a aprovação e condução de uma lei antiterror por parte do Governo Federal e o Parlamento dominados pelo Partido dos Trabalhadores. Organizações que podem ser classificadas como Terroristas são uma das bases de apoio do governo.
 
E nas ações pré e pós ao 15MAR15 foi a ameaça que os gabinetes dos Governos Real e Virtual usaram contra a sociedade: o emprego dos Exércitos do MST, MTST, MAB, MPL, e grupos Black Blocks entre muitos outros.   
 
DefesaNet tem matérias desde 2006 tratando desde assunto:
 
Ação do PCC pede lei antiterror Folha SP 2006 Link
 
Manifestações como atos de terrorismo 2014 Link
 
Busca artigos publicado em DefesaNet por André Luiz Woloszyn Link
 
VIOLÊNCIA E TERRORISMO© DefesaNet Link