COBERTURA ESPECIAL - Embraer - Aviação

15 de Junho, 2015 - 15:50 ( Brasília )

EMBRAER: expansão em Portugal


Fábio Murakawa & Virgínia Silveira

 

A Embraer está expandindo as atividades das suas fábricas instaladas em Évora,Portugal, para atender a produção de peças e componentes para os novos aviões da companhia: o Legacy 450, o Legacy 500, da aviação executiva, os jatos comerciais E2 e o cargueiro militar KC-390. A empresa brasileira investirá 150 milhões de euros com o apoio de recursos de fundos liberados pela Comissão Europeia, como parte de um programa para estimular o investimento no país europeu, segundo Miguel Frasquilho, presidente da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (Aicep). Pelo programa, a companhia poderá recuperar, ao final do processo, 25% do investimento na forma de benefícios fiscais, de acordo com Frasquilho.

A Embraer não confirmou a informação, mas declarou que os investimentos em Portugal fazem parte do alinhamento entre as prioridades deste país e a estratégia industrial da companhia. Frasquilho, porém, afirma que a empresa já se candidatou ao fundos. "A Embraer, que é um investidor de referência em Portugal, vai reforçar sua presença em nosso país com um investimento de 150 milhões de euros e concorre a esses fundos."

Segundo ele, a Comissão Europeia disponibilizou cerca de US$ 10 bilhões para subsidiar investimentos em tecnologia e inovação em Portugal, entre 2014 e 2020. Frasquilho esteve no Brasil no fim em maio para tentar estimular outras empresas brasileiras a se aproveitar dos fundos europeus e investir por lá. O Brasil foi a principal fonte de investimentos diretos em Portugal em 2014, com cerca de US$ 3,5 bilhões. "Nós gostaríamos de reforçar esse montante", disse.

Em 2012, a Embraer a também foi beneficiada com recursos de fundos comunitários de Portugal para realizar o investimento total de 177 milhões de euros, aplicado na construção das fábricas de Évora. Segundo a empresa, a criação dos dois centros de excelência em Évora contribuem para apoiar o governo de Portugal no plano de estabelecer, na sua base industrial, uma oferta competitiva em nível global para o setor aeronáutico. Inauguradas em 2012, as unidades de Évora são responsáveis pelo fornecimento de materiais compósitos e metálicos para os jatos E2 e jatos executivos.

Em Évora, a Embraer também produz as longarinas e os painéis  de revestimento das asas do KC-390, assim como o estabilizador vertical e o estabilizador horizontal da aeronaves. A fábrica da Ogma, em Alverca, uma subsidiária da Embraer em Portugal, também produz partes do KC-390. O fornecimento dos painéis da fuselagem central, carenagens para os trens de pouso, as portas dos trens de pouso principais e os profundores do KC-390 é feito em conjunto com a portuguesa EEA (Empresa de Engenharia Aeronáutica).

A Embraer explicou que a parceria industrial que fechou com Portugal para o programa do KC-390 está focada no trabalho com a EEA. A parceria foi motivada pela assinatura de uma carta de intenção de compra, pelo governo português, para seis aeronaves KC-390.

Segundo a mídia portuguesa, autoridades brasileiras querem levar o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho para o voo inaugural da aeronave, em visita que ele deve fazer a Brasília ainda neste ano.