04 de Agosto, 2016 - 09:30 ( Brasília )

Defesa

Presidente Temer cumprimenta oficiais generais no Palácio do Planalto

Presidente em exercício falou a plateia de oficiais das Forças Armadas. Ele também voltou a dizer que "prioridade" é retomar crescimento econômico.

Em solenidade realizada nesta quarta-feira (3), no Palácio do Planalto, 90 novos oficiais-generais das três Forças Armadas receberam os cumprimentos do presidente da República em exercício, Michel Temer. Foram promovidos 22 oficiais-generais da Marinha, 43 do Exército e 25 da Força Aérea.

O evento contou ainda com as presenças do ministro da Defesa, Raul Jugmann, do ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Sérgio Etchegoyen, do ministro da Justiça e Cidadania, Alexandre de Moraes, e dos comandantes das três Forças Armadas, almirante-de-Esquadra Eduardo Bacellar Leal Ferreira (Marinha), general-de-Exército Eduardo Dias da Costa Villas Bôas (Exército) e tenente-brigadeiro-do-Ar Nivaldo Luiz Rossato (Aeronáutica).

O presidente Temer, ao lado do ministro da Defesa e dos comandantes das Forças, cumprimentou cada um dos oficiais-generais promovidos e discursou para os militares. “As promoções dos oficiais generais trazem um peso próprio. A vida nas Forças Armadas é repleta de sacrifícios pessoais, não só para os militares, mas também para seus familiares”, disse o presidente, em homenagem às famílias.

Durante o discurso, Temer citou os muitos traços que distinguem as Forças Armadas brasileiras e que as tornam “justificado motivo de orgulho” para todos. Falou do profissionalismo e da abnegação no cumprimento de múltiplas missões, ressaltando que nunca se deve descuidar da tarefa precípua das Forças Armadas: a defesa da Pátria contra ameaças externas. Definiu o Brasil como “um país de fronteiras nacionais consolidadas, que tem na promoção da paz um princípio constitucional”, porém afirmou que defesa não permite improviso, estando suas diretrizes claramente delineadas com o respaldo do Congresso Nacional.

Projetos Estratégicos

Ainda como parte do discurso, o presidente interino afirmou que o momento do país é de retomada do crescimento e que o ajuste fiscal é para todo o governo, o que significa que os projetos estratégicos das Forças Armadas deverão sofrer adaptações. No entanto, ele garantiu que os projetos não terão descontinuidade. Nesse contexto, Temer acrescentou que existe uma relação dissociável entre defesa e desenvolvimento, sempre em benefício da sociedade. E destacou a contribuição das Forças para a base industrial de defesa, como geradora de empregos e tecnologia.

Olimpíadas

Ao final, Temer reforçou a participação dos militares nos esforços coletivos para o êxito das Olimpíadas no Brasil. Para o presidente, é uma tranquilidade contar com as Forças Armadas para a segurança das atividades nas competições. “Que possamos mais uma vez, por meio do esporte, projetar o Brasil para o mundo”.  E encerrou a solenidade afirmando que o sentido maior das promoções dos oficiais generais é que as Forças Armadas sigam honrando as expectativas que delas esperam o país.

Temer fala em "tranquilidade absoluta" na Olimpíada¹

O presidente da República em exercício, Michel Temer, aproveitou um ato com militares nesta quarta-feira (3) no Palácio do Planalto para dizer que, em sua avaliação, a "tranquilidade será absoluta" no período dos Jogos Olímpicos Rio 2016.

"Tenho tranquilidade absoluta em relação às Olimpíadas. Não é incomum que, naqueles momentos que antecedem grandes encontros internacionais, haja uma ou outra notícia que coloque em dúvida a segurança. E posso dizer, por tudo que tenho participado, que a tranquilidade será absoluta", declarou Temer no evento.

Temer deu a declaração ao discursar na cerimônia na qual foi formalizada a promoção de 90 militares de Exército, Marinha e Aeronáutica. A mulher do presidente em exercício, Marcela, o acompanhou na cerimônia.

Em seu pronunciamento, com cerca de dez minutos, Temer disse que era preciso recordar a participação "extraordinária" das Forças Armadas em operações como as missões de paz da ONU e a Copa do Mundo de 2014.

Aos militares, o peemedebista lembrou que as delegações estrangeiras já estão no Brasil para que os atletas participem da Olimpíada e disse, "sem medo de errar", que o país "conta" com os militares para garantir a segurança.

"Vamos ter Olimpíadas que vão fazer com que nós possamos, mais uma vez, por meio do esporte, projetar o Brasil no mundo e, especialmente por meio do esporte, dar uma visão, digamos assim, de paz", afirmou o presidente em exercício.

Temer acrescentou ainda, ao citar a Copa de 2014, que o Brasil não ganhou o mundial, mas "ganhou o mundo, precisamente em função da organização do mesmo grupo [Forças Armadas] que agora trabalha nessa atividade e já prestou serviços no passado".

¹com G1