COBERTURA ESPECIAL - Crise - Inteligência

23 de Abril, 2017 - 18:00 ( Brasília )

PETROBRAS II - Empresas lutam pela sobrevivência Petrobras e ENGEVIX


Nota DefesaNet

Matéria em duas partes:

1 -  PETROBRAS I - Principais empresas citadas na Lava Jato demitiram quase 600 mil Link

2 - PETROBRAS II - Empresas lutam pela sobrevivência Petrobras e ENGEVIX Link

O editor

 

 

 


 

Petrobras Concentrou cortes em Terceirizados

Enquanto corte de terceirizados foi reduzido a um terço entre funcionários em 20%


Diante de prejuízos recordes e de um forte aumento em seu endividamento, a Petrobrás substituiu, nos últimos anos, sua política expansionista do início desta década por um movimento de fortes cortes de custos. Isso inclui a redução do total de profissionais da companhia, com impacto bem maior no pessoal terceirizado.

Como os profissionais concursados têm direito à estabilidade no emprego, a companhia teve de recorrer a programas de desligamento voluntário para reduzir este contingente. Conseguiu diminuir, em três anos, seu quadro de contratados em 20%.

No fim de 2013, a companhia tinha 86.111 funcionários no Sistema Petrobrás, número que caiu a 68.829 em dezembro do ano passado. Segundo a Petrobrás, o Plano de Negócios e Gestão atual da companhia prevê o corte de gastos operacionais e a readequação de seus investimentos. A empresa também vem fazendo um programa de desinvestimentos. Em 2016, vendeu, por exemplo, seu negócio de gasodutos à canadense Brookfield, por US$ 5,2 bilhões.

A petrolífera se prepara para se desfazer do controle da BR Distribuidora, dona de postos de combustíveis, e de outros ativos. A empresa afirmou que seus programas de desligamento já resultaram na saída de 14.241 empregados, segundo dados atualizados até abril deste ano. “A redução do número de empregados está no contexto de ajustes que estão sendo feitos pela Petrobrás para redução de seu endividamento, o maior entre empresas da indústria de petróleo e gás no mundo”, explicou a companhia. “O contexto econômico mundial e do setor também reflete na estratégia da companhia. É incorreto associar a redução dos empregados direta e unicamente à Operação Lava Jato.”

Proporção. Embora tenha restrições para reduzir seu quadro de funcionários concursados, a empresa tem total liberdade para cortar os terceirizados – contingente que, nos últimos anos, compôs a maior parte de seu quadro de colaboradores. Em dezembro de 2013, segundo dados enviados pela própria companhia, havia quatro terceirizados para cada funcionário próprio, ou um total de 360.180 trabalhadores. A Petrobrás concentrou a maior parte de seus cortes nos funcionários terceirizados. Em dezembro do ano passado, a empresa tinha 117.555 terceirizados, ou 1,7 para cada colaborador próprio.

A companhia informou ao Estado que mudou sua metodologia de contabilização dos funcionários terceirizados, excluindo, a partir de dezembro de 2015, os trabalhadores que atuam fora de suas instalações próprias da conta
 

ENGEVIX conta com Belo Monte e pequenos contratos para se reerguer

Reestruturação do grupo também prevê venda de ativos e entrada de novo sóicio

Com poucas obras em carteira e com a imagem arranhada por causa do envolvimento no escândalo de corrupção, a Engevix conta com o contrato de montagem eletromecânica da Hidrelétrica Belo Monte (que dura até 2020) para garantir as contas em dia, pelo menos, pelos próximos dois anos, afirmam especialistas do setor.

O contrato vai ajudar a manter o nível de receitas entre R$ 300 milhões e R$ 400 milhões na área de construção e R$ 130 milhões da área de engenharia de projetos – até 2013, o faturamento da construtora era de R$ 1,2 bilhão. É com essa estrutura de receita que a empresa espera se reerguer enquanto resolve questões judiciais. Além de estar na mira do Tribunal de Contas da União (TCU) por alguns projetos, ela tem duas ações de improbidade em andamento. Por isso, negocia um acordo leniência com o Ministério Público Federal.

Para sobreviver , ENGEVIX controla até energia
Envolvida na lava-Jato empresa passa por uma rígida reestruturação que visa a sobrevivência

 

Enquanto essas pendências não se resolvem, a empresa tem agregado alguns pequenos serviços na carteira de projetos. Em março, a empresa conquistou um contrato em Pernambuco para elaboração do projeto de recuperação da Barragem Inhumas, em Garanhuns. O valor: R$ 293 mil – bem distantes dos bilionários contratos do passado. Um mês antes foi a única qualificada na tomada de preços para fazer o projeto executivo de reparo da barragem Paranã (GO), de R$ 257 mil.

No mercado externo conseguiu um contrato um pouco maior: de US$ 2 milhões para uma barragem na Bolívia. Embora sejam serviços pequenos, fontes do setor afirmam que neste momento o importante é se manter ativa no mercado até a turbulência passar.

“Nesse processo todo, as empresas vão encolher drasticamente ou desaparecer”, diz um especialista em infraestrutura, que prefere não se identificar. Na Engevix, o risco de “desaparecer” existe se a empresa não conseguir fechar o um acordo de leniência com o Ministério Público. “O mercado financeiro, o mercado de capitais e investidores estrangeiros não querem saber de empresas com problemas. Sem acordo de leniência, fica difícil se recuperar”, disse outra fonte do setor.

A reestruturação da empresa está baseada na reorganização da estrutura atual, renegociação de dívidas, criação de novos mercados e no Comitê de Compliance independente. Também prevê definir o destino de alguns ativos que continuam no portfólio da companhia.

Ativos. A Engevix tem, por exemplo, participação na Via Bahia – grupo que detém a concessão das BRs 116 e 324, no Estado baiano. A expectativa é que a empresa venda sua participação para o grupo canadense PSP Investment, que em 2015 comprou a fatia da Isolux na concessão. O negócio ajudaria a Engevix a reforçar o fluxo de caixa.

Outro projeto que pode ter mudanças é a Hidrelétrica São Roque, de 141 MW, em Santa Catarina. Com 80% das obras concluídas, a empresa busca um sócio para terminar a usina já que não há mais recursos para tocar o empreendimento. Por enquanto, o objetivo é continuar como sócio, mas se as negociações não avançarem pode haver a venda integral do projeto, apurou o Estado. O banco BTG Pactual foi contratado para procurar opções no mercado.

Mais conteúdo sobre:

O ex-sócio do grupo Engevix, Cristiano Kok, costumava usar uma frase para explicar a rápida ascensão da empresa nos últimos anos: “Não somos ambiciosos, somos oportunistas”, disse ele, numa entrevista concedida ao ‘Estado’ em fevereiro de 2012, após vencer o leilão do Aeroporto de Brasília, com ágio de mais de 600%. Esse conceito, no entanto, custou caro ao grupo, que hoje vive a ressaca da Operação Lava Jato, o maior escândalo de corrupção da história do País.

Da época de bonança da empresa, cujo portfólio era recheado de grandes projetos e faturamento acima de R$ 3 bilhões, sobrou pouco. Desde que os sócios do grupo foram presos pela Polícia Federal por envolvimento no escândalo, a empresa encolheu para menos de um terço do que era antes. Vendeu ativos importantes – como os aeroportos (Brasília e São Gonçalo do Amarante/RN) e a subsidiária de energia Desenvix – e pediu recuperação judicial de um dos maiores investimentos da companhia nos últimos anos, o Estaleiro Rio Grande.

“Relançada” recentemente como Nova Engevix, a empresa hoje é comandada por José Antunes Sobrinho, que comprou no ano passado a participação dos sócios Cristiano Kok e Gerson Almada por R$ 2 e absorveu uma dívida que beirava os R$ 2,5 bilhões. Dos três, Almada foi condenado a 19 anos de prisão por corrupção, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Antunes e Kok foram absolvidos pelo juiz Sérgio Moro, mas têm outras pendências na Justiça.

Desde a negociação entre os sócios, um amplo plano de reestruturação vem sendo colocado em prática dentro da companhia, que tem ações de improbidade em andamento. A ideia é se concentrar na área de construção e em projetos de engenharia. Se tudo correr bem e a economia reagir, em dois anos, a empresa acredita que estará numa situação um pouco mais confortável, contam fontes próximas do grupo.

Com a drástica queda no faturamento, a estrutura minguou. Dos 20 mil funcionários, diretos, indiretos e subcontratados, restam menos de 3 mil pessoas na companhia. O salário de quem ficou no grupo hoje está em dia, mas o 13.º salário e os rendimentos de dezembro só foram pagos em janeiro.

Ex-executivos da empresa contam que, além da redução do quadro de empregados, a contenção de despesas tem sido rígida para todo mundo. Sem motoristas particulares, luxo para tempos tão bicudos, até os executivos têm usado Uber para transitar pela cidade. Viagens de avião só se forem marcadas com antecedência para evitar custos elevados.

Hoje até o consumo de energia elétrica passou a ser controlado com austeridade, afirmam trabalhadores que deixaram recentemente a empresa. Durante o dia, o prédio fica na penumbra, pois é proibido acender as luzes. O ar condicionado também é controlado. Se a temperatura ficar abaixo dos 25 graus, o aparelho não pode ser ligado.

Na sede do grupo, localizada no Centro Empresarial Tamboré, em Barueri, o andar térreo está praticamente desocupado. No passado, dezenas de funcionários tinham suas mesas instaladas ao redor de um agradável jardim central com luz natural e uma bela escultura suspensa. Hoje todas as mesas estão vazias. Fontes afirmam que várias salas do prédio também estão vagas – cenário bem diferente daquele que perdurou até 2013.

Jackson. Embora tenha sido criada em meados da década de 60, a empresa mudou de mãos em 1997. Naquele ano de grandes transformações, com o maior processo de privatização em curso no País, Kok, Antunes e Almada deram um grande passo. Juntos, eles propuseram ao patrão, o empresário João Rossi, a compra da empresa por algo em torno de US$ 30 milhões.

O chefe, que andava desanimado com o negócio, não pensou duas vezes. Vendeu a empresa e ainda aceitou dividir o pagamento em 100 parcelas mensais. Assim, nasceu a Jackson, a holding batizada com partes dos nomes dos sócios e que reunia os negócios da Engevix.

Nos quatro anos que antecederam a Lava Jato, o faturamento da empresa teve um salto de 141%, de R$ 1,3 bilhão para R$ 3,3 bilhões. Negócios de peso entraram no portfólio da companhia, como as concessões dos aeroportos, a construção do Estaleiro Rio Grande e a Hidrelétrica de Belo Monte.

Hoje os planos da Nova Engevix, que não quis se pronunciar, são bem menos ambiciosos. A palavra de ordem é sobreviver. Para isso, porém, a empresa precisa concluir as negociações de um acordo de leniência com o Ministério Público Federal.

Empresa tem duas ações de improbidade em andamento

O grupo Engevix tem duas ações de improbidade na Justiça: uma do Ministério Público no Paraná e outra da Advocacia Geral da União (AGU) por causa de suposto esquema de cartel, superfaturamento e corrupção na Petrobrás. Além disso, a empresa tem sido questionada pelo Tribunal de Contas da União (TCU), junto com outras construtoras, em projeto tocado no Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj).

Sob acusação de superfaturamento no projeto, o tribunal bloqueou bens do grupo de empreiteiras no total de R$ 544 milhões para cobrir supostos prejuízos. Desse valor, coube à Engevix uma parcela de cerca de R$ 80 milhões. O bloqueio foi decretado por um ano para assegurar o ressarcimento das perdas. A empresa foi procurada pela reportagem, mas não quis comentar o assunto


VEJA MAIS