COBERTURA ESPECIAL - Brasil - Rússia - Defesa

18 de Setembro, 2015 - 11:30 ( Brasília )

Brasil oficializa escolha do PANTSIR S1

Em discussão há vários anos a quisição do Sistema de Defesa Aérea PANTSI S1 é oficializado pelo Brasil.



English version

Pedro Paulo Rezende
Especial para o DefesaNet

 

Agora é oficial: o PANTSIR S1 será o míssil de média altitude das Forças Armadas Brasileiras. A decisão foi comunicada pelo vice-presidente Michel Temer ao primeiro-ministro da Rússia, Dimitri Medvedev durante a VII Reunião da Comissão Russo-Brasileira de Alto Nível de Cooperação, realizada em Moscou nesta quarta-feira (16SET15). A compra, no entanto, depende da existência de recursos e só deve ser realizada em 2016 ou 2017. (Ver Comunicado Conjunto VII CAN BR-RU)
 

A questão foi decidida em julho, pouco depois da participação da presidente Dilma Rousseff na Cúpula do BRICS, em Ufa. Na última semana daquele mês, o Capitão-de-Mar-e-Guerra Alvaristo Nagem Dair Junior, adido de Defesa na capital russa, entregou o Pedido de Proposta (Requirement for Proposal — RFP) oficial na sede da Rosoboronexport, estatal responsável pela exportação de material militar.

O documento, com 200 páginas, preparado pela Comissão Permanente de Avaliação do Avião de Combate (COPAC), solicita preços, condições de financiamento, offsets e transferência diretas de tecnologia para o fornecimento de três baterias formadas por quatro veículos lançadores, oito remuniciadores, três unidades de controle e três radares de aquisição, além de um total superior a 240 mísseis 57E6-E.

As negociações, por enquanto, incluem total transferência de tecnologia, permitindo a fabricação de sistemas 100% nacionais em um prazo de até seis anos depois da assinatura do contrato. Espera-se um custo de US$ 1 bilhão por todo o pacote. Se for do interesse brasileiro, a Federação Russa pode oferecer pacotes mais econômicos, com menor transferência de tecnologia, mas mais adequados à crise financeira vivida pelo Brasil.

O pagamento das baterias será por meio de compensações comerciais. Desta forma, a fabricante do PANTSIR S1, a empresa Tula, receberia em rublos. Por sua vez, o Brasil pagaria em reais aos exportadores interessados em fazer negócio com a Rússia. O Brasil tem um grande superávit com o parceiro, que se ampliou em 2014,  quando a União Europeia e os Estados Unidos impuseram sanções financeiras contra Moscou, em represália à ocupação da Crimeia, território ucraniano, pela Federação Russa.

A resposta do presidente Vladimir Putin foi impor embargo às importações de produtos agrícolas e industriais da União Europeia, o que criou uma crise no setor rural do Velho Continente e abriu uma janela de oportunidade para colocar produtos brasileiros no mercado russo.



Arte mostrando o Sistema PANTSIR S1 nas cores do Exército Brasileiro


O Sistema PANTSIR S1

O PANTSIR S1, não tem equivalente no mercado ocidental. Ele pode ser disparado em movimento enquanto protege colunas em deslocamento. Neste modo, as viaturas empregam seus radares de gestão de tiro, com alcance superior a 30 km, para detectar possíveis ameaças. Em posição defensiva, a bateria pode ser instalada em terreno em menos de dez minutos.

Os lançadores são controlados remotamente por uma unidade de tiro alimentada por dois radares de aquisição com alcance superior a 80 km. O sistema é capaz de acompanhar 40 alvos e cada lançador pode adquirir e acoplar quatro alvos por vez. A guiagem é feita por feixe laser emitido pelo lançador. O míssil recebe os dados por um sensor colocado na cauda, o que o torna imune a contramedidas eletrônicas ou infravermelho.

Cada lançador dispõe de 12 mísseis com 12 recargas, suplementados por dois canhões de 30 mm, com capacidade para engajar aviões, mísseis de cruzeiro, munições guiadas e VANTs . O baixo custo e a simplicidade do míssil é uma das vantagens do sistema, permitindo seu armazenamento por longos períodos sem cuidados especiais. Todos os sistemas ocidentais empregam mísseis concebidos para combate aéreo ou para uso naval, caros e com grandes exigências de armazenamento.

A escolha do PANTSIR S1 abre caminho para uma maior cooperação entre Brasil e Rússia para o desenvolvimento de novos produtos adequados à América Latina e países do Terceiro Mundo em geral. Já existem conversas entre a MECTRON, empresa da Odebrecht Defesa e Tecnologia (ODT), que deve coordenar a implantação do sistema no Brasil, e a ROSTEC neste sentido.

Outras empresas nacionais, inclusive a AVIBRAS, devem se beneficiar desta parceria, que pode resultar na criação de um substituto para o míssil S-125 NEVA-M (SA-3 GOA).

Matérias Relacionadas

Pantsir S1 - Sucesso ou fracasso? Os testes para o Brasil Link

Defesa Antiaérea - Uma decisão realista Link

LAAD Bastidores 3 - - Projeto Estratégico Defesa Antiaérea DefesaNet 25 Abril 2013 Link

Brasil pode comprar da Rússia o complexo Pantsir Voz da Rússia 05 Fevereiro 2013 Link

Alexandr Fomin fala à DefesaNet LAAD 2014 Link


LAAD Bastidores 1 - Sistema de Defesa Aérea PARANA Link


Meios de defesa antiaérea russos ficam no centro de atenção Link


Brasil - Rússia - Defesa recebe sinal verde para a compra de sistemas antiaéreos Link


Brasil e Rússia estudam parceria em sistemas antiaéreos Link

Brasil - Rússia - Colaboração em Defesa Antiaérea Link


BR - RU - Faltou combinar com os Brasileiros Link

BR-RU - Comunicado Conjunto 17 Dezembro 2012 Link


Outras coberturas especiais


Crise

Última atualização 18 JAN, 10:20

MAIS LIDAS

Brasil - Rússia