COBERTURA ESPECIAL - Base Industrial Defesa - Defesa

22 de Outubro, 2015 - 13:20 ( Brasília )

ODT - A NOVA MECTRON

A Odebrecht Defesa e Tecnologia (ODT) tornou pública sua intenção de vender parcela acionária da controlada MECTRON, a Missile House Brasileira. DefesaNet detalha as os objetivos e estratégias da chamada “NOVA MECTRON”.


Nelson Düring
Editor-chefe DefesaNet

 
Comentada há bastante tempo no mercado a intenção de a Odebrecht Defesa e Tecnologia (ODT) de alguma forma negociar a participação na empresa controlada MECTRON, a “Missile House” brasileira, com sede em São José dos Campos (SP).

Agora a empresa tornou pública a intenção de vender parcela acionária da MECTRON. DefesaNet detalha as os objetivos e estratégias no que a administração da ODT chama de a “Nova MECTRON”.

Incorporada à Odebrecht Defesa e Tecnologia, em 2010, a MECTRON teve uma infusão de capital para sanear seus passivos e finalizar série de projetos em curso assim como reforçar seu quadro funcional.

Porém, a situação orçamentária dos últimos três anos tem afetado significativamente a empresa. A ODT tem duas vertentes de atuação no mercado de defesa: a participação na Itaguaí Construções Navais (ICN), em associação com a francesa DCNS, onde detém 60% do capital, responsável pela construção dos submarinos no PROSUB.

E a MECTRON, empresa focada originalmente no desenvolvimento de mísseis, para as três forças.

 Como André Amaro, presidente da ODT relatou à DefesaNet – “99 % do desafio está na MECTRON e 99% do resultado está na ICN”.

A declaração é determinante para a estratégia montada para o que ele chama de a “Nova MECTRON”.

A ICN é um empreendimento industrial com um parceiro estratégico e tecnológico definido. Estamos alcançando índices de produtividade e qualidade similares ou superiores em alguns pontos à nossa referência, que á a operação da DCNS, em Cherbourg (França).

“Queremos dar à MECTRON o mesmo perfil. E para isso procuramos um parceiro estratégico e tecnológico para aportar 40% do capital, limite para manter a sua identidade como Empresa Estratégica de Defesa (EED)”, declara André Amaro.

Há duas formas de fortalecer a MECTRON, uma é através de investimentos do governo brasileiro com projetos e investimentos em pesquisas, e a segunda seria uma parceria internacional que conferiria um domínio tecnológico que ela não possui ainda.
 
É um fortalecimento em todos os contrato atuais e futuros. Inclusive os contratos relacionados com o SAAB para o Gripen E/F e os do PROSUB.

Estamos construindo um agenda de contatos com os potenciais parceiros e o que eles agregam à MECTRON.

As oportunidades da MECTRON em torno dos sistemas oferecidos aos Programa de Submarinos podem ser afetada para mais ou menor conforme o parceiro tecnológico a ser definido. Podendo ficar em uma posição melhor ou de menor janela de oportunidade.

Os campos de Atuação da MECTRON

Na atualidade a MECTRON tem quatro grandes campos de atuação. E vários parceiros tecnológicos, praticamente um para cada projeto que a empresa desenvolve. Isto tem gerado um custo maior e uma falta de sinergia mais ampla entre as empresas. Há poucas semanas atrás encerrou as atividades na área espacial devido a desativação do Programa do Lançador VLS.

Os campos de atividades da MECTRON na atualidade, com alguns projetos são:

Missile House– A-Darter, MAA-1 e MAA-1B, Antirradiação (MAR), Antinavio Superfície (MANSUP), Solo-solo  (MSS-1),
Aeroespacial – Radar SCP1 (modernização do A-1)
Comunicação– Link BR2, RDS
Sistemas de Defesa– SISGAAz, atuando como uma Softerhouse, vários projetos para o PROSUB e incluindo o submarino com propulsão nuclear 


Para estes vários projetos há inúmeros parceiros tecnológicos estrangeiros, já ativos ou em prospecção, entre outros: DENEL (África do Sul), Harris (EUA), MBDA (Europa), Rafael (Israel), SELEX (Itália), ATLAS Eletronik (Alemanha), THALES (França), MOTOROLA (EUA) e Rosoboronexport (Rússia).

André Amaro tem falado com os potenciais parceiros, mas primeiro reuniu-se com o governo brasileiro, para saber se havia limites ou impedimentos. Recebeu a aprovação inclusive, para falar com russos e chineses.

Porém, a ODT sabe que a cada parceiro abre-se ou fecham-se oportunidades. É a geopolítica da indústria de defesa. Um parceiro francês teria mais sinergia com a DCNS, no PROSUB, outro poderia restringir algo no Programa do Gripen E/F.

O foco e a sinergia é de continuar o foco na “Missile House”. Mesmo que para isso alguns programas tenham que ser rearranjados e uma outra estrutura empresarial assumida para tocar programas sensíveis ligados ao Gripen E/F e em especial o PROSUB, no caso do  parceiro estratégico gerar alguma restrição.    

O Futuro

A ação deverá permitirá que a MECTRON seja integrada nas quatro vertentes e integrada a uma visão global de mercado com acesso à tecnologia e reduza o custo de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D).

Sobre a recepção dos contatos da ODT, “as grandes empresas de defesa do mundo tem mostrado um respeito pelo mercado de defesa brasileiro e tem uma visão positiva a médio e longo prazo. O Brasil está no radar dos grandes players mundiais”, afirma André Amaro.

“O que propomos é um movimento de médio e longo prazo, uma empresa brasileira, uma EED, com foco no momento que o Brasil retome os seus investimentos em defesa. Quanto à MECTRON recebemos alguns questionamentos quanto à capacidade de execução. A nova MECTRON não pode ter esta fragilidade”, declara o presidente da ODT.

A empresa não quis abrir números somente afirmou que os números até o momento apresentados não são oficiais.

Fica a clara impressão de que a Odebrecht Defesa e Tecnologia está preparando-se para enfrentar o atual difícil momento orçamentário brasileiro, mas o mais importante, é que está e permanecerá no mercado da Defesa. 



Outras coberturas especiais


Vant

Vant

Última atualização 22 SET, 16:00

MAIS LIDAS

Base Industrial Defesa