COBERTURA ESPECIAL - TOA - Pensamento

20 de Julho, 2020 - 10:00 ( Brasília )

Gen Ex Pinto Silva - Não Foi o Mordomo. Foi o Candidato a Presidente pelo Partido Democrata dos Estados Unidos


 

NÃO FOI O MORDOMO. FOI O CANDIDATO A PRESIDENTE PELO PARTIDO DEMOCRATA DOS ESTADOS UNIDOS.

 

 

Carlos Alberto Pinto Silva[1]

1.  CHEGANDO AO SUSPEITO

“Em entrevista, Joe Biden, vice-presidente no governo Barack Obama e candidato, pelo Partido Democrata, à presidência dos EUA em 2020, alerta Bolsonaro que 'reunirá o mundo' para garantir a proteção da Amazônia”[2]

Não é o primeiro e nem será o último político do Partido Democrata dos Estados Unidos a se referir ao assunto demonstrando desconhecimento em relação ao Brasil e suas autoridades, à Amazônia e à capacidade de reação do povo brasileiro e das suas Forças Armadas.

O assunto não é novo para os “Democratas”[3]. Uma comissão de senadores americanos, entre eles Albert Gore, no final de 1988 esteve em Rondônia e no Acre para manifestar sua revolta no caso do assassinato do líder sindical Chico Mendes; o Secretário de Estado Warren Christopher, do primeiro mandato do Presidente Clinton, foi enfático ao colocar os assuntos do meio ambiente: “Na prioridade da política externa americana. Na sua condução usaremos, naturalmente nossa diplomacia apoiada em fortes forças militares”.  Warren Christopher não foi uma voz isolada, o general Patrick [9], da Inteligência Americana, declarou: “Se os brasileiros devastarem e queimarem a floresta amazônica, afetando os nossos interesses, temos o direito de intervir”.

Mais recentemente o presidente do Comitê de Assuntos Tributários (“Ways and Means), Richard E. Neal, e outros deputados do Partido Democrata desse órgão expressaram em três de junho de 2020 sua “forte oposição” a que os Estados Unidos expandam sua parceria econômica com o Brasil “sob a liderança do presidente Jair Bolsonaro”[4].

2.  AUSÊNCIA DE LEGITIMIDADE

Pode um governo do Partido Democrata dos Estados Unidos querer criminalizar o governo do Brasil em relação ao cuidado com o meio ambiente?

Penso que não.

- O gás extraído do xisto está transformando a produção de energia nos Estados Unidos e poderá tornar o país autossuficiente. A novidade significa uma revolução econômica e política, mas traz consequências perigosas ao meio ambiente e protestos no mundo todo[5].

- “Os três países que mais emitem dióxido de carbono são também os mais populosos do mundo: China, Índia e os Estados Unidos da América (EUA). Historicamente, os EUA lideram a lista dos países que mais poluíram ao longo do tempo, a China assumiu a ponta das emissões anuais totais a partir de 2006 e a Índia passou a ter as maiores taxas de crescimento das emissões na atual década”.[6]

- Donald Trump anuncia que os Estados Unidos abandonarão o Acordo de Paris sobre mudanças climáticas em 1 de junho de 2017.

3. A AMEAÇA DO SMART POWER

É interessante fazer breves comentários sobre a “Doutrina Hillary Clinton”, denominação à práticas e políticas adotadas por Hillary Clinton  durante seu período como Secretária de Estado dos Estados Unidos e expoente do Partido Democrata dos EUA, Smart Power, Poder Inteligente (PI), em relação ao alerta de Joe Biden ao Presidente Bolsonaro, para entender o que pode se passar com o Brasil.

Essa Doutrina permitiu usar, contra o Irã, todos os elementos do Poder Nacional dos EUA em uníssono. Significou escolher a combinação certa de instrumentos diplomáticos, econômicos, militares, políticos, jurídicos e culturais para cada situação. 

Ela foi utilizada para reduzir vendas de petróleo iraniano (Área de energia), instrumentos financeiros e parcerias do setor privado para impor sanções rigorosas e excluir o Irã da economia global e, ainda, usou a mídia social para comunicação diretamente com o povo, e empregou  ferramentas de alta tecnologia para ajudar aos dissidentes a escapar da repressão governamental.

Se eleito, o político do Partido Democrata que não quer o Brasil como "Aliado preferencial extra Otan", e tem a intenção de 'reunir o mundo', contra o Brasil, para garantir a proteção da Amazônia”, torna-se prioritário que o Brasil procure outros parceiros.

Caberá, ao Brasil, por imposição de uma super potência, defender a saúde climática do mundo poupando sua floresta de queimar e emitir CO2? Caso contrário, os donos do mundo podem fazer valer sua “diplomacia apoiada por fortes forças militares”[7]?

4. CONCLUSÃO

A defesa da Amazônia, bem como de todo o território nacional, exige, mais do que capacidade do Poder Militar. O quadro atual das Novas Ameaças Multidimensionais, da existência de uma Superpotência Hegemônica, não pode ser enfrentado e explicado à luz do pensamento político e militar ortodoxo. É um novo campo de batalha, de modo que é preciso afastar o foco do conflito do domínio da arte da guerra convencional, e isso pode ser feito ampliando o espectro do conflito, para incluir vários elementos do Poder Nacional.

 


[1] Carlos Alberto Pinto Silva / General de Exército da reserva / Ex-comandante do Comando Militar do Oeste, do Comando Militar do Sul, do Comando de Operações Terrestres, Ex-comandante do 2º BIS e da 17ª Bda Inf Sl, Chefe do EM do CMA, Membro da Academia de Defesa e do CEBRES.

 


VEJA MAIS