COBERTURA ESPECIAL - Task Force Brazil - Inteligência

15 de Outubro, 2021 - 10:00 ( Brasília )

Carta Enviada ao Presidente Biden contra participação do Brasil na OTAN

Importante ver as entidades que a apoiam além dos congressistas. Também os artigos em que subsidiam as afirmações da carta A carta merece uma leitura cuidadosa.

Nota DefesaNet

Carta enviada ao Presidente Biden por grupo de Senadores e Deputados de esquerda e extrema-esquerda.

Importante ver as entidades que a apoiam além dos congressistas.

Também os artigos em que subsidiam as afirmações da carta.

A carta merece uma leitura cuidadosa.


O Editor




O congressista Hank Johnson  (GA-04) junto com amis de 60 colegas enviou hoje (14OUT2021) carta ao Presidente Biden alertando para a administração par aumentar a sua influência sobre o presidente Jair Bolsonaro nas suas ações que prejudicam os direitos humanos e civis, desmatamento da floresta amazônica, adulteração de eleições e corrupção generalizada.

O congressista Johnson e seus colegas na Câmara pedem que o Brasil não seja designado como um grande aliado não pertencente à OTAN, devido ao retrocesso democrático que ocorreu no Brasil sob a liderança do presidente Bolsonaro, bem como sua pressão contínua pelo aumento do desmatamento e degradação ambiental da Amazônia. O presidente brasileiro foi acusado de crimes contra a humanidade pelo Tribunal Penal Internacional (TPI).

Os membros também enfatizam a importância de nomear um Embaixador dos EUA no Brasil que reflita os valores americanos de respeito à democracia, aos direitos humanos e ao meio ambiente para evitar o retrocesso democrático do Brasil sob Bolsonaro, que ameaça a democratização na América do Sul.



President Joseph R. Biden
The White House
Washington, DC 20500
 
Dear President Biden.

Escrevemos para expressar nossa profunda preocupação com a busca do presidente Jair Bolsonaro por políticas que ameaçam o regime democrático, os direitos humanos, a saúde pública e o meio ambiente no maior país da América do Sul e o sexto país mais populoso do mundo. Acreditamos que é extremamente importante que a cooperação entre os EUA e o Brasil seja baseada em um compromisso compartilhado de respeitar os valores democráticos e os direitos humanos e de tomar medidas para enfrentar a pandemia Covid-19 e a crise climática. Pedimos que você envie uma mensagem clara ao governo Bolsonaro de que, se os ataques do presidente Bolsonaro ao processo eleitoral brasileiro continuarem, as relações Brasil-EUA ficarão seriamente comprometidas.

O mandato de Bolsonaro foi marcado por políticas antidemocráticas desde o início. Ele está entre os principais exemplos da tendência global em direção a políticas autoritárias e iliberais. Sua campanha foi marcada por insultos odiosos contra afro-brasileiros, indígenas, LGBTQIA+, sindicatos e elogios à brutal ditadura militar que governou o Brasil de 1964 a 1985 (i). Uma vez no poder, Bolsonaro passou a promulgar uma ampla gama de políticas que colocaram em perigo grupos minoritários vulneráveis, criaram taxas de desemprego historicamente altas, prejudicaram o meio ambiente, ameaçaram a democracia relativamente jovem do Brasil e levaram à morte desnecessária de centenas de milhares de Covid-19.

Bolsonaro afirmou que não aceitará os resultados das próximas eleições com o atual sistema de votação brasileiro (ii). Consideramos isso particularmente preocupante porque Bolsonaro trouxe mais oficiais militares para sua administração do que qualquer outro presidente desde o restabelecimento da democracia no Brasil em 1988, criando conflitos entre instituições governamentais e as forças armadas. Bolsonaro apoiou as falsas alegações de fraude eleitoral de Trump e foi um dos últimos líderes globais a reconhecer sua vitória eleitoral, fatos que também lançam dúvidas sobre sua disposição de aceitar os resultados das eleições brasileiras de 2022iii. Seu filho - um importante congressista brasileiro - compareceu pessoalmente às atividades do “Stop the Steal”, em 6 de janeiro em Washington, o que levou o senador Bob Menendez a publicar uma carta exigindo que Bolsonaro condenasse os ataques à nossa democraciai”.

Também estamos profundamente preocupados com a abordagem militarizada e linha dura de Bolsonaro à aplicação da lei, que resultou em violações massivas dos direitos humanos, como ilustrado pela operação Jacarezinho em maio passado - a operação policial mais mortal da história do Rio de Janeiro - que resultou na morte de 28 pessoas. De forma alarmante, o número de assassinatos cometidos por policiais no Brasil em 2019 atingiu seu nível mais alto desde 2013, com mais de 6.000 assassinatos de pessoas, em sua maioria pobres e negros. Essas mortes por policiais são em grande parte resultado do uso excessivo da força incentivado pelo Bolsonaro (vi).

Bolsonaro também ameaçou gravemente a biodiversidade da floresta amazônica ao desmantelar agências ambientais e enfraquecer os mecanismos de fiscalização. Essas ações levaram a um aumento nas violações dos direitos dos povos indígenas e possibilitaram a invasão de territórios protegidos constitucionalmente por madeireiros, garimpeiros e fazendeiros ilegais. Bolsonaro militarizou partes da região amazônica, substituindo especialistas ambientais por oficiais militares não treinados que não conseguiram evitar o desmatamento ilegal, mineração e grilagem de terras. Após uma redução de 80 por cento no desmatamento de 2004 a 2012, Bolsonaro supervisionou, assumidamente, taxas de desmatamento recorde desde que assumiu o cargo em 2019 (vii).

Diante desses fatos, o governo dos Estados Unidos deve rejeitar qualquer acordo ambiental com o Bolsonaro que não esteja condicionado a resultados tangíveis, como 15 senadores, celebridades e mais de 200 organizações dos Estados Unidos solicitaram recentemente (viii).

Outra área de preocupação é a recusa de Bolsonaro em implementar políticas críticas recomendadas por especialistas para lidar com a pandemia de Covid-19. Em vez de adotar medidas preventivas recomendadas, o governo brasileiro comprou milhões de doses excedentes de hidroxicloroquina que foram produzidas depois que o ex-presidente Trump divulgou seus benefícios de maneira enganosa e apesar de estudos que confirmam um percentual maior de mortes associadas ao medicamento (ix). Em grande parte como resultado dessas políticas irresponsáveis, mais de 600.000 brasileiros morreram de Covid-19, a segunda maior taxa de mortes por Covid no mundo. As políticas de Bolsonaro ameaçam o mundo ao permitir a disseminação de novas e mais perigosas variantes do vírus, e ele agora está sendo investigado no Congresso Brasileiro por causa dos negócios da vacina Covid-19.

O histórico deplorável de Bolsonaro no cargo exige uma revisão urgente das relações EUA-Brasil com foco na identificação de possíveis ajustes no relacionamento que poderiam fornecer uma alavanca para incentivar um comportamento menos prejudicial. Essa revisão deve incluir a cooperação bilateral no combate às drogas e ao terrorismo e, mais notavelmente, a oferta feita ao Brasil para se tornar um parceiro global da OTAN. Em 2019, o Brasil foi designado Grande Aliado Não-OTAN (MNNA), e Bolsonaro usou essa designação para seu benefício político, citando-a como uma grande conquista e um selo de aprovação do governo dos EUA (x). Oferecer ao governo do Brasil a oportunidade de se tornar um parceiro da OTAN seria um sinal de que os EUA não têm nenhum problema sério com as violações de direitos humanos, democráticas e ambientais que ocorrem no Brasil. Portanto, respeitosamente pedimos que você retorne, no mínimo, as relações EUA-Brasil ao status quo pré-Trump, pelo menos até que um novo líder, mais alinhado com os valores democráticos e de direitos humanos, seja eleito no Brasil. Isso deve incluir o cancelamento da designação do MNNA, a retirada da oferta feita ao Brasil para se tornar um parceiro da OTAN e outras formas de cooperação nociva estabelecidas durante o período Trump-Bolsonaro.

Ações preocupantes da administração anterior dos EUA em relação ao Brasil também devem ser revistas, incluindo a administração de Trump diretamente pressionando o Brasil para rejeitar vacinas desesperadamente necessárias por razões geopolíticas e o papel potencial do Departamento de Justiça dos EUA em assessorar a investigação que levou à desqualificação injusta de O principal oponente eleitoral de Bolsonaro - uma decisão que foi recentemente revogada pela mais alta corte do Brasil por causa de um alegado viés político.

A recente aposentadoria do ex-embaixador no Brasil, Todd Chapman, representa uma importante oportunidade para colocar nosso relacionamento com o Brasil de volta no caminho certo. O embaixador Chapman manteve uma amizade pessoal problemática com Bolsonaro e se recusou a encorajar publicamente Bolsonaro a proteger o meio ambiente, os direitos humanos e a democracia em sua nação (xii). Preencher esta vaga com um embaixador que permanecerá politicamente neutro ao mesmo tempo em que defenderá os valores e interesses fundamentais dos EUA representaria um importante passo à frente.

Apreciamos as ações tomadas pelo governo Obama-Biden em apoio aos direitos humanos no Brasil, incluindo seu apoio pessoal à Comissão da Verdade do país, que demonstrou entregando em mãos documentos confidenciais relacionados à ditadura militar brasileira à então presidente Dilma Rousseff (xiii). É importante destacar que a destituição de Dilma foi marcada por narrativas misóginas em que Jair Bolsonaro, então deputado, homenageou o torturador de Dilma - identificado pela Comissão da Verdade como um dos piores violadores dos direitos humanos durante a ditadura - ao votar em seu impeachment.

Obrigado pela sua atenção a este importante assunto.

Sinceramente,

Henry C. “Hank” Johnson Jr.
MEMBRO do CONGRESSO


MEMBER OF CONGRESS

Current Cosigners (63): Reps. Rashida Tlaib, Karen Bass, Jesús G. "Chuy" García, Eleanor Holmes Norton, David N. Cicilline, Alan Lowenthal, Ilhan Omar, Ayanna Pressley, Mark Pocan, Susan Wild, Jim Costa, Maxine Waters, Adriano Espaillat, Raul M. Grijalva, Jan Schakowsky, Cori Bush, Zoe Lofgren, Sylvia R. Garcia, Juan Vargas, Alexandria Ocasio-Cortez, Donald M. Payne, Jr., Tony Cárdenas, Pramila Jayapal, Mondaire Jones, Brenda L. Lawrence, Jamaal Bowman, Ro Khanna, Veronica Escobar, James P. McGovern, Donald S. Beyer Jr., Steve Cohen, Yvette D. Clarke, Daniel T. Kildee, David Trone, Bill Pascrell, Jr., Joaquin Castro, Anna G. Eshoo, Andy Levin, Nydia M. Velazquez, Rosa L. DeLauro, Katherine M. Clark, Peter Welch, Jimmy Gomez, Linda T. Sánchez, Frank Pallone, Jr., Jerrold Nadler, Danny K. Davis, Jared Huffman, Jamie Raskin, Earl Blumenauer, Grace F. Napolitano, Suzanne Bonamici, Bobby L. Rush, Bonnie Watson Coleman, Lucille Roybal-Allard, Peter A. DeFazio, Dwight Evans, James R. Langevin, Barbara Lee, Nanette Diaz Barragán, Lloyd Doggett, Jerry McNerney, Debbie Dingell.

Endorsing Organizations:

- AFL-CIO,
- Service Employees International Union (SEIU),
- Amazon Watch,
- Washington Office on Latin America (WOLA),
- Greenpeace USA,
- Center for Economic and Policy Research (CEPR),
- Just Foreign Policy (JFP),
- U.S Network for Democracy in Brazil,
- United Food & Commercial Workers International Union (UFCW).

WASHINGTON, D.C. – Congressman Hank Johnson (GA-04), along with more than 60 of his colleagues, sent a letter to President Biden today urging the administration to leverage its influence to address Brazilian President Jair Bolsonaro’s effort to erode his nation’s democratic institutions, human and civil rights, Amazon rainforest deforestation, election tampering and pervasive corruption.  

Specifically, Congressman Johnson and his House colleagues request that Brazil should not be designated as a Non-NATO Major Ally given the democratic backsliding that has occurred in Brazil under President Bolsonaro’s leadership as well as his continued push for increased deforestation and environmental degradation of the Amazon. The Brazilian president has been accused of crimes against humanity by the International Criminal Court (ICC).

The members also stress the importance of appointing a U.S. Ambassador to Brazil that reflects the American values of respect for democracy, human rights, and the environment to prevent Brazil’s democratic backsliding under Bolsonaro that threatens democratization in South America.

The full letter in English below.

President Joseph R. Biden

The White House

Washington, DC 20500

 

Dear President Biden,

We write to express our deep concern over President Jair Bolsonaro’s pursuit of policies in Brazil that threaten democratic rule, human rights, public health, and the environment in the largest country in South America and the sixth-most populous nation in the world. We believe that it is critically important that cooperation between the U.S. and Brazil is based on a shared commitment to respect democratic values and human rights, and to take action to address the Covid-19 pandemic and the climate crisis. We urge you to send a clear message to the Bolsonaro Administration that if President Bolsonaro’s attacks on the Brazilian election process continue, then U.S.-Brazil relations will be severely compromised.

Bolsonaro’s tenure has been marked by anti-democratic policies from the outset. He is among the leading examples of the global trend toward illiberal and authoritarian politics. His campaign was marked by hateful insults hurled against Afro-Brazilians, Indigenous peoples, LGBTQIA+ people, labor unions, and praise for the brutal military dictatorship that ruled in Brazil from 1964 to 1985. Once in power, Bolsonaro proceeded to enact a wide range of policies that have endangered vulnerable minority groups, created historically high unemployment rates, harmed the environment, threatened Brazil’s relatively young democracy, and led to the unnecessary deaths of hundreds of thousands from Covid-19.

Bolsonaro has stated that he will not accept the next election results under the current Brazilian voting system. We find this particularly troubling because Bolsonaro has brought more military officials into his administration than any other president since Brazil’s democracy was reestablished in 1988, creating conflicts between governmental institutions and the armed forces. Bolsonaro backed Trump’s false claims of election fraud and was one of the last global leaders to recognize your electoral victory, facts that also cast doubt on his willingness to accept the results of Brazil’s 2022 election. His son — a prominent Brazilian Congressman — personally attended “Stop the Steal” activities on January 6 in Washington, which prompted Senator Bob Menendez to issue a letter demanding that Bolsonaro condemn the attacks on our democracy.

We are also deeply troubled by Bolsonaro’s hardline, militarized approach to law enforcement, which has resulted in massive human rights violations, as illustrated by the Jacarezinho operation last May — the deadliest police raid in Rio de Janeiro’s history — which resulted in the death of 28 people. Alarmingly, the number of killings by police in Brazil in 2019 reached its highest level since 2013 with more than 6,000 killings of mostly poor and black people. These police killings are largely a result of the excessive use of force encouraged by Bolsonaro. 

Bolsonaro has also gravely endangered the bio-diverse Amazon rainforest by dismantling environmental agencies and weakening enforcement mechanisms. These actions have led to an increase in violations of Indigenous peoples’ rights and enabled the invasion of constitutionally protected territories by illegal loggers, miners and ranchers. Bolsonaro has militarized parts of the Amazon region, substituting environmental specialists with untrained military officials who have failed to prevent illegal deforestation, mining and land grabs. Following an 80 percent decrease in deforestation from 2004-2012, Bolsonaro has unapologetically overseen record-high deforestation rates since taking office in 2019. Given these facts, the U.S. government should reject any environmental deal with Bolsonaro that is not conditioned on tangible results, as 15 U.S. senators, celebrities, and over 200 organizations recently urged.

Another area of concern is Bolsonaro’s refusal to implement critical policies recommended by experts to address the Covid-19 pandemic. Instead of adopting recommended preventive measures, the Brazilian government bought millions of excess doses of hydroxychloroquine that were produced after former President Trump misleadingly touted its benefits and despite studies confirming a higher percentage of deaths associated with the medicine. Largely as a result of these irresponsible policies, more than 600,000 Brazilians have died from Covid-19, the second highest rate of Covid deaths in the world. Bolsonaro’s policies threaten the world by enabling the spread of new and more dangerous variants of the virus, and he is now under investigation in the Brazilian Congress over Covid-19 vaccine deals. 

Bolsonaro's deplorable record in office calls for an urgent review of U.S.-Brazil relations with a focus on identifying potential adjustments to the relationship that could provide leverage to incentivize less harmful behavior. This review should include bilateral cooperation on counter-narcotics and counterterrorism, and most notably, the offer made to Brazil to become a NATO global partner. In 2019, Brazil was designated a Major Non-NATO Ally (MNNA), and Bolsonaro used this designation for his political benefit, citing it as a major accomplishment and a stamp of approval from the U.S. government. Offering the government of Brazil the opportunity to become a NATO partner would signal that the U.S. has no serious issue with the human rights, democratic, and environmental violations taking place in Brazil.

Therefore, we respectfully call on you to at a minimum return U.S.-Brazil relations to the pre-Trump status quo, at least until a new leader, more aligned with democratic and human rights values, is elected in Brazil. This should include cancelling the MNNA designation, withdrawing the offer made to Brazil to become a NATO partner, and other forms of harmful cooperation established during the Trump-Bolsonaro period.

Troubling actions by the previous U.S. administration towards Brazil should also be reviewed, including the Trump Administration directly lobbying Brazil to reject desperately needed vaccines for geopolitical reasons and the potential role of the U.S. Department of Justice in advising the investigation that led to the unjust disqualification of Bolsonaro’s primary electoral opponent — a decision that was recently overturned by Brazil’s highest court because of alleged political bias.

The recent retirement of former ambassador to Brazil, Todd Chapman, represents an important opportunity to put our relationship with Brazil back on the right track. Ambassador Chapman maintained a problematic personal friendship with Bolsonaro and refused to publicly encourage Bolsonaro to protect the environment, human rights, and democracy in his nation. Filling this vacancy with an ambassador that will remain politically neutral while firmly standing up for fundamental U.S. values and interests would represent an important step forward.

We appreciated the actions taken by the Obama-Biden administration in support of human rights in Brazil, including your personal support to the country's Truth Commission that you demonstrated by hand delivering classified documents related to Brazil’s military dictatorship to then President Dilma Rousseff. It is important to note that Rousseff’s removal from office was marked by misogynistic narratives in which Jair Bolsonaro, then a congressman, honored Dilma’s torturer — identified by the Truth Commission as one of the worst human rights abusers during the dictatorship — while voting for her impeachment.

Thank you kindly for your attention to this important matter.

Sincerely,

Henry C. “Hank” Johnson Jr.

 

MEMBER OF CONGRESS

Current Cosigners (63): Reps. Rashida Tlaib, Karen Bass, Jesús G. "Chuy" García, Eleanor Holmes Norton, David N. Cicilline, Alan Lowenthal, Ilhan Omar, Ayanna Pressley, Mark Pocan, Susan Wild, Jim Costa, Maxine Waters, Adriano Espaillat, Raul M. Grijalva, Jan Schakowsky, Cori Bush, Zoe Lofgren, Sylvia R. Garcia, Juan Vargas, Alexandria Ocasio-Cortez, Donald M. Payne, Jr., Tony Cárdenas, Pramila Jayapal, Mondaire Jones, Brenda L. Lawrence, Jamaal Bowman, Ro Khanna, Veronica Escobar, James P. McGovern, Donald S. Beyer Jr., Steve Cohen, Yvette D. Clarke, Daniel T. Kildee, David Trone, Bill Pascrell, Jr., Joaquin Castro, Anna G. Eshoo, Andy Levin, Nydia M. Velazquez, Rosa L. DeLauro, Katherine M. Clark, Peter Welch, Jimmy Gomez, Linda T. Sánchez, Frank Pallone, Jr., Jerrold Nadler, Danny K. Davis, Jared Huffman, Jamie Raskin, Earl Blumenauer, Grace F. Napolitano, Suzanne Bonamici, Bobby L. Rush, Bonnie Watson Coleman, Lucille Roybal-Allard, Peter A. DeFazio, Dwight Evans, James R. Langevin, Barbara Lee, Nanette Diaz Barragán, Lloyd Doggett, Jerry McNerney, Debbie Dingell.

Endorsing Organizations:

- AFL-CIO,
- Service Employees International Union (SEIU),
- Amazon Watch,
- Washington Office on Latin America (WOLA),
- Greenpeace USA,
- Center for Economic and Policy Research (CEPR),
- Just Foreign Policy (JFP),
- U.S Network for Democracy in Brazil,
- United Food & Commercial Workers International Union (UFCW).

 




Clique para acessar a carta em PDF (6 páginas)


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Fronteiras

Fronteiras

Última atualização 26 NOV, 11:11

MAIS LIDAS

Task Force Brazil

2
21 NOV, 22:00

FAB Nota Oficial