21 de Outubro, 2021 - 10:10 ( Brasília )

Terrestre

Brigada de Infantaria Pára-quedista - Operação SACI 2021

Artilharia de Campanha Paraquedista participa da Operação Saci 2021

A Brigada de Infantaria Pára-quedista (Bda Inf Pqdt), no período de 9 a 15 de outubro, realizou a operação (Op) SACI, exercício de adestramento avançado. O quadro tático foi desenvolvido na Região dos Lagos, nas cidades de Cabo Frio, Armação de Buzios, Arraial do Cabo e São Pedro da Aldeia.

A operação contou com o indispensável apoio da Força Aérea Brasileira e da Marinha do Brasil. Envolveu aproximadamente dois mil militares. Na atividade, foi empregada a mais moderna aeronave de fabricação nacional do país, o KC 390 da EMBRAER, além do C 130 (Hercules), do C 105 (Amazonas) e do C-95 (Bandeirante).

 
 

O aprestamento da tropa teve início com a concentração de meios na Base Aérea do Campo dos Afonsos – RJ, a partir da qual forão lançadas equipes de precursores paraquedistas, infiltradas por meio de salto livre operacional de grande altitude, dentre as principais atividades, destaca-se a realização de pouso de assalto para conquista de aeródromo e o lançamento de uma força tarefa – FT Biguá - em massa d’água na lagoa de Araruama.

Por fim, a Bda Inf Pqdt, realizou a junção com a 1ª Divisão de Exército, que conduziu a substituição em posição.


Artilharia de Campanha Paraquedista participa da Operação Saci 2021

No período de 11 a 15 de outubro, os integrantes da 8º Grupo de Artilharia de Campanha Pára-quedista (8º GAC Pqdt) participaram da Operação Saci, exercício anual que tem por objetivo adestrar o estado-maior e as organizações militares da Brigada de Infantaria Pára-quedista (Bda Inf Pqdt) em operações de defesa externa, tendo como prioridade as operações aeroterrestres.

 
 

O adestramento foi realizado nos municípios de Búzios, São Pedro d'Aldeia, Arraial do Cabo e Cabo Frio, coroando as atividades de adestramento integrado do ano de instrução. O 8º GAC Pqdt prestou apoio pelo fogo à Bda Inf Pqdt para a conquista dos objetivos impostos pela Força-Tarefa Componente, materializados por intermédio das estruturas estratégicas presentes na área de operações distribuída à brigada.

Ao término do exercício, o Grupo Aeroterrestre cumpriu sua tradicional tarefa de apoiar pelo fogo a conquista e a manutenção de uma cabeça de ponte aérea, colaborando com o esforço integrado de todas as organizações militares subordinadas à brigada.

Créditos: Brigada de Infantaria Pára-quedista e Cb Gabriel Costa