COBERTURA ESPECIAL - Relatório Otálvora - Geopolítica

15 de Março, 2022 - 22:00 ( Brasília )

Relatório Otálvora: Maduro preocupado com o dinheiro nos bancos russos

EUA implementa "lenta velocidade" na Venezuela.

Edgar Otalvora
Diario las Americas
13 Março 2022
@ecotalvora

 

Uma das questões que acelerou o encontro entre o enviado de Maduro e o ministro das Relações Exteriores, Lavrov, teria sido os termos sob os quais seriam tratados os depósitos bancários mantidos pelo regime Chavista em bancos russos agora sancionados pelos EUA e pela União Europeia.

Em 10MAR22 o presidente colombiano Iván Duque foi finalmente recebido na Casa Branca por Joe Biden que anunciou a designação da Colômbia como um “país aliado estratégico que não é membro da OTAN”. Tal designação, em teoria, facilitaria a aquisição de material de guerra dos EUA.

*****

Iniciando o governo Biden, o colombiano-americano Juan González, "Assistente Especial" presidencial de Joe Biden e Diretor para o Hemisfério Ocidental do Conselho de Segurança Nacional, em entrevista com sua compatriota Patricia Janiot de 13MAR21, afirmou que "a democracia na Venezuela não não virá amanhã, levará tempo e temos que pressionar o regime a sentar-se com a oposição de igual para igual para negociar uma saída. Os venezuelanos são os que têm que falar sobre o futuro do país”.

Para obter Madurose senta para negociar com a oposição, o assessor de Biden indicou que "vamos continuar aumentando a pressão de forma multilateral, que é o que tem efeito a favor de uma solução democrática", para a qual os EUA pretendem "formar um consenso entre a comunidade internacional para garantir que aqueles que estão roubando bilhões de dólares da Venezuela não encontrem refúgio em nenhum lugar do mundo”. González destacou o caminho multilateral que o novo governo buscaria diante da Venezuela: "o governo anterior falava de uma coalizão internacional, mas tudo o que estava fazendo era unilateral" e o "consenso internacional [sobre a Venezuela] estava sendo quebrado por ações políticas unilaterais". do governo Trump.

*****

Em 15FEV2022, a pedido do governo dos EUA, uma reunião de funcionários de nível médio dos ministérios das Relações Exteriores da Austrália, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, EUA, Equador, Panamá, Paraguai, República Dominicana, Uruguai, França , Alemanha, Itália, Japão, Nova Zelândia, Portugal, Espanha, Suécia, Reino Unido e União Europeia. Foi a conclusão dos esforços diplomáticos do governo Biden para definir uma agenda multilateral para a Venezuela. O documento promovido pelos EUA destacou "a importância de retomar urgentemente as negociações inclusivas no México de boa fé, (...) a necessidade de um acordo sobre um órgão eleitoral independente e imparcial, com autoridade máxima sobre o processo eleitoral, e sobre um sistema de justiça independente e imparcial,

Além disso, de acordo com o documento divulgado em 16FEV2022 pelo Departamento de Estado dos EUA, "os participantes reiteraram sua disposição de revisar as políticas de sanções com base em avanços significativos no âmbito dessas negociações lideradas pela Venezuela".
 
Este é, em suma, o quadro em que operam atualmente os governos que promovem a redemocratização da Venezuela e são basicamente os elementos que Juan González expôs há um ano.
 
*****

O secretário de Estado norte-americano, Antony Blinken, habitualmente ocupado com questões extracontinentais, reuniu-se no dia 22/02 em Washington com seus colegas da Costa Rica, República Dominicana e Panamá, Rodolfo Solano, Roberto Álvarez e Erika Mouynes, respectivamente.

Na agenda estavam a questão da migração em nível regional, a cooperação na luta contra a COVID-19, a restauração da democracia na Nicarágua, elogiaram o novo governo de Honduras, discutiram a restauração da democracia no Haiti e, sobre a defesa da democracia e soberania da Ucrânia.

A importante lista de questões revelou que a "questão venezuelana" havia desaparecido das prioridades políticas regionais. A Venezuela, assunto incontornável em qualquer reunião de autoridades diplomáticas do continente, deixou de ser relevante para a diplomacia continental. Os EUA abandonaram o ativismo internacional para uma rápida mudança de regime na Venezuela e optaram por tomar como fato, mais ou menos imutável no curto prazo, que uma ditadura governa a Venezuela.

Manter o esquema de sanções herdado dos governos Obama e Trump, buscar a libertação de prisioneiros-reféns americanos do governo Maduro, manter apoio formal e financeiro ao “governo” de Juan Guaidómas abrir um canal direto com a ditadura de Maduro parece ser o esquema que os "caras" de Biden definiram como seu esquema para a Venezuela .

*****

Roger D. Carstens, um oficial aposentado do Exército dos EUA que desde 01MAR2020 é o Enviado Especial para Assuntos de Reféns do Departamento de Estado, chegou à Venezuela em 07DEZ2021 em uma missão “secreta”. Por quase uma semana, o funcionário do governo dos EUA esteve em Caracas lidando com americanos que permanecem presos na Venezuela por ordem do governo de Maduro. Por meio de governos europeus que ainda têm representantes diplomáticos em Caracas e esforços de parlamentares norte-americanos que mantêm vínculos com a Venezuela, a diplomacia norte-americana estaria criando as condições para a visita de Carstens. O enviado de Washington finalmente conseguiu visitar oito dos americanos presos na Venezuela e coletou provas de vida que foram entregues a seus parentes nos Estados Unidos.

Na noite de sábado, 05MAR2022, ocorreu uma reunião no Palácio Miraflores, em Caracas, entre Nicolás Maduro e uma delegação dos EUA que viajou em segredo. A delegação, cuja composição não foi totalmente divulgada, seria chefiada por Juan González, que estava acompanhado por Carstens e pelo embaixador dos Estados Unidos na Venezuela (operando em Bogotá) James Story. A missão diplomática da Suíça, país que atua como guardião dos interesses norte-americanos em Caracas, teria prestado apoio operacional à missão norte-americana. Sua esposa Cilia Flores e o negociador oficial do regime Jorge Rodríguez teriam participado da reunião de Maduro com os enviados dos EUA.. Naquela mesma noite também houve um encontro entre os enviados dos EUA e o principal negociador da oposição venezuelana, Gerardo Blyde, que foi informado sobre as conclusões do encontro com Maduro.

O que deveria ter sido um encontro secreto com possível desfecho feliz para a libertação de um ou mais prisioneiros norte-americanos, tornou-se um escândalo político quando o portal New York Times e a agência Reuters revelaram a viagem a Caracas na noite de 05MAR2022. As mais diversas hipóteses começaram a circular, entre elas a mídia e analistas em nível global falavam de um pacto para a Venezuela fornecer petróleo aos EUA, uma gestão para Maduro cortar suas relações com o governo russo de Vladimir Putin, a eliminação de as sanções impostas pelos EUA ao regime chavista, o restabelecimento das relações diplomáticas, a ruptura de Washington com Juan Guaidó...

O que poderia ter sido um golpe de propaganda a favor do governo Biden tornou -se um problema de opinião pública , ao mesmo tempo em que ficou claro que o poderoso lobby do petróleo dos EUA mantém forte pressão para que o governo dos EUA autorize o reinício das atividades na Venezuela. A invasão russa da Ucrânia é o argumento mais recente usado pelas empresas de petróleo e engenharia de petróleo dos EUA para retomar os negócios com a petrolífera estatal venezuelana.

O “timing” errado que não levou em conta a hipersensibilidade global devido à invasão da Ucrânia e a decisão de realizar a reunião em Caracas em segredo, buscando um efeito teatral com a libertação dos prisioneiros, arruinou o impacto pretendido com o “ Operação Belieber”.

Em 09MAR2022, o Departamento de Estado emitiu um comunicado informando que eles chegaram aos EUA, acompanhados pelo Enviado Especial Roger Carstens, dois dos americanos que permaneceram presos na Venezuela. A declaração assinada pelo secretário de Estado não menciona a missão que viajou a Caracas. Parecia que, como aconteceu na época de Trump, a Casa Branca de Biden está deixando o Departamento de Estado de fora de sua diplomacia em relação à ditadura chavista.
 
*****
 
Na segunda-feira 07MAR22 durante a coletiva de imprensa diária, o secretário de imprensa da Casa Branca, Jen Psaki, foi questionado sobre a reunião em Caracas. “O objetivo da viagem que as autoridades fizeram foi discutir uma variedade de tópicos, incluindo segurança energética, sem dúvida, mas também discutir a saúde e o bem-estar dos cidadãos americanos detidos”, disse Psaki. A subsecretária de Assuntos Políticos do Departamento de Estado, Victoria Nuland, que havia sido convocada pela Comissão de Relações Exteriores do Senado para uma sessão sobre a Ucrânia em 08MAR2022, foi questionada sobre a viagem a Caracas e em sua resposta ratificou o reconhecimento estadunidense de Juan Guaidó como “líder” da Venezuela, garantiu que não há "nova estratégia" em relação à Venezuela e disse que o objetivo da viagem era vigiar os americanos presos e obrigar Maduro a sentar-se novamente à mesa de negociações com a oposição.

Depois de quase uma semana em que o Departamento de Estado e a Casa Branca não comentaram expressamente a missão que viajou a Caracas, o assistente especial Juan González optou por prestar declarações em uma óbvia operação de controle de danos precisamente na área do país onde a "questão venezuelana" tem o maior impacto eleitoral. González conversou em 11MAR2022 com o jornalista venezuelano de Miami Julio Cesar Camacho, que transmite na estação Actualidad 1040.

González reconheceu ter feito parte da delegação que viajou a Caracas. Ele afirmou que o objetivo da visita foi pressionar pela libertação dos prisioneiros norte-americanos e transmitir diretamente a Maduro a posição do governo norte-americano sobre a transição na Venezuela. Qualquer passo em relação a aliviar a pressão das sanções dependerá dos acordos que Maduro e a oposição alcançarem na mesa de negociações.que deve incluir a liberdade dos presos políticos e a realização de eleições.

“Não foi uma negociação”, “nos encontramos com Maduro assim como nos encontramos com outros ditadores”. "Não pretendemos derrubar Maduro pela força." "A restauração da democracia deve ser no campo eleitoral." "Reconhecemos Juan Guaidó, mas falaremos com todos." Essas foram algumas das expressões do enviado do governo norte-americano em sua conversa com Camacho.

O ministro das Relações Exteriores de Maduro, Felix Plasencia, durante um discurso no "Fórum de Diplomacia de Antalaya" em 12 de março de 22, afirmou que empresas dos EUA e o governo dos EUA demonstraram interesse em reativar o comércio de petróleo com a Venezuela.

*****

O governo de Joe Biden na reunião em Miraflores confirmou que está disposto a aliviar as sanções que os EUA impuseram ao regime chavista em troca de acordos políticos que garantam a redemocratização do país por meio de um processo eleitoral confiável.

É basicamente a mesma linha que o governo Trump já havia exposto em dois documentos, nos quais oferecia a redução de sanções em troca de processos de transição na Venezuela. Em 09JAN2020, o governo Trump publicou um plano para a Venezuela no qual desenhava uma "rápida transição negociada". Em 31MAR20, o secretário de Estado de Trump, Mike Pompeo, apresentou o documento "Quadro de Transição Democrática" que envolvia a retirada simultânea de Maduro e Guaidó de suas respectivas "presidências" e a formação de um governo de transição que organizaria as eleições. Ambas as propostas do governo Trump foram resumidas na proposta de promover negociações entre Maduro e as forças democráticas do país.

*****

A inclusão de Juan González na delegação que viajou a Caracas, como ele mesmo destacou em sua conversa com Camacho, foi a primeira visita de um alto funcionário da Casa Branca ao Palácio de Miraflores, talvez desde a ascensão de Hugo Chávez ao poder em 1999.

O precedente mais próximo em termos de contatos diretos entre emissários da Casa Branca e o regime chavista remonta a 17SET2020, quando Richard Grenell, por instruções diretas de Donald Trump e seu conselheiro de segurança nacional Robert O'Brien, se encontrou em Ciudad de Mexico com Jorge Rodrigues. Essa nomeação teria sido um verdadeiro diálogo de surdos. Grenell pediu em nome de Trump que Maduro abandonasse a presidência em troca de garantias para ele e sua família, enquanto Rodríguez insistia na troca de prisioneiros. A libertação do operador financeiro de Maduro, Alex Saab, então detido em Cabo Verde a pedido dos EUA, foi exigida por Rodríguez, que ofereceu a libertação de seis funcionários norte-americanos da petrolífera CITGO, detida na Venezuela. Erik Prince, fundador da empresa Blackwater e que durante o governo Trump atuou como elo não oficial entre a Casa Branca e o Palácio de Miraflores, teria participado do encontro na Cidade do México. A agência Reuters informou na época que Prince teria se reunido com a vice-presidente de Maduro, Delsy Rodríguez, em Caracas por volta de 20 de novembro de 2020.
 
De acordo com John Bolton, que atuou como Conselheiro de Segurança Nacional por pouco mais de um ano até sua saída explosiva do cargo em 10 de setembro de 19, Trump declarou regularmente seu desejo de realizar uma reunião com Maduro "para resolver todos os nossos problemas". Tais desejos foram expostos por Trump a Iván Duque que visitou a Casa Branca em 13FEV2019. Esses eventos são narrados por Bolton em seu livro "The Room Where It Happened" publicado em 2020.

*****

Enquanto a delegação do governo Biden se preparava para desembarcar na Venezuela, em Caracas o regime celebrava o V Congresso do Partido Socialista Unido da Venezuela PSUV. Em 05MAR2022 se passaram nove anos desde a data oficial da morte de Hugo Chávez e o aparato partidário estava montado. Durante seu discurso aos participantes, Nicolás Maduro foi acompanhado ao presidium pelo boliviano Evo Morales e pelo equatoriano Rafael Correa. O embaixador russo em Caracas, Sergey Mélik-Bagdasárov, também participou das atividades do congresso chavista e foi aplaudido em várias ocasiões.

O regime chavista é um dos atores internacionais que apoia ativamente a invasão russa da Ucrânia. Em 10MAR2022, a Vice-Presidente Executiva do regime chavista, Delsy Rodíguez, reuniu-se com o chanceler russo, Sergey Lavrov, em Antalya, Turquia. Rodríguez foi acompanhado pelo ministro das Relações Exteriores do regime, Félix Plasencia, ao encontro com Levrov em que ratificaram a "associação estratégica" entre os dois governos e a "identidade das posições da Rússia e da Venezuela em relação à maioria dos problemas mundiais".

Como resultado das sanções impostas pelos EUA ao regime chavista, a Rússia vem prestando serviços de triangulação bancária para as operações financeiras do governo Maduro nos últimos anos. Uma das questões que acelerou o encontro do enviado de Maduro com o chanceler Lavrov teria sido os termos sob os quais seriam tratados os depósitos bancários mantidos pelo regime em bancos russos agora sancionados pelos EUA e pela União Europeia. A imposição de restrições bancárias impostas pelo próprio governo russo estaria afetando a mobilidade do dinheiro de Chávez.


VEJA MAIS