COBERTURA ESPECIAL - Relatório Otálvora - Inteligência

21 de Novembro, 2021 - 21:00 ( Brasília )

Relatório Otálvora: Rússia patrocina regimes Castro-Chavistas

Kremlin inicia movimento de forte presença na Améica Latina com apoio aos regimes Castro-Chavistas

 

EDGAR C. OTÁLVORA
Diario Las Américas
20 Novembro 2021
@ecotalvora


 
Cuba, o regime chavista (Venezuela), o governo da família Ortega-Murillo (Nicarágua) e o governo da Bolívia chefiado por Luis Arce e Evo Morales têm um padrinho comum, que decidiu desafiar os EUA não apenas na Ucrânia, Polônia ou Pólo Norte, mas também em terras latino-americanas: a Rússia.
 
A OEA realizou sua 51ª Assembleia Geral em uma mistura de reuniões presenciais e on-line. O que prometia ser o cenário para um confronto de forças políticas continentais acabou sendo uma reunião anual de clube usual e suportável. Argentina e México, durante meses, tentaram formar a maioria com dois objetivos definidos: um, anular a representação da Venezuela exercida pelo Embaixador Gustavo Tarre Briceño, enviado de Juan Guaidó, e dois, avançar para uma eventual abertura de um processo para a destituição do Secretário-Geral Luis Almagro .
 

*****

As chancelarias do México e da Argentina, com o apoio tácito dos regimes de Cuba e da Venezuela, trabalharam no sentido de ambos os propósitos, tentando ressuscitar a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos CELAC, organismo continental que exclui os Estados Unidos e o Canadá e que aceita a ditadura cubana e o governo de fato de Nicolás Maduro. Após vários anos de paralisia, o governo mexicano de Andrés Manuel López Obrador foi anfitrião na Cidade do México, no dia 18SET2021, de presidentes e chanceleres dos países membros da CELAC. Entre os que chegaram ao México estavam Miguel Díaz-Canel, Nicolás Maduro e o boliviano Luis Arce. O próprio AMLO fez saber, em 24JUL2021, que o propósito de seu governo, em conjunto com a Argentina, é fechar a OEA e criar uma organização "que não é lacaio de ninguém". Por certo, o ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, em seus discursos sobre a América Latina, frequentemente menciona o apoio de seu governo à CELAC.

O desejo de López Obrador parecia tomar forma quando conseguiu reunir a CELAC no Palácio Nacional do México, em 18SET021. Aliás, e para surpresa de muitos, em seu discurso AMLO, além de pedir aos Estados Unidos que desenhassem uma nova “Aliança para o Progresso” para a América Latina, propôs que “junto com os Estados Unidos e Canadá construamos um acordo e assinemos um tratado para fortalecer o mercado interno em nosso continente ”proposta que lembrava o projeto da ALCA promovido em 1994 pelo governo de Bill Clinton e que o Castro-Chavismo ainda celebra seu“ sepultamento ”, ocorrido em 2005. A reunião da CELAC no México não prestou muita atenção aos “planos” da AMLO em matéria econômica, nem em seu desejo de chegar a um pacto para liquidar a OEA.

 


 

 

*****


Um dos primeiros passos formais na instalação das Assembleias Gerais de organismos internacionais, da ONU ou da OEA, por exemplo, é o processo de aprovação das delegações presentes no que costuma ser chamado de “relatório de credencial”. Em 21NOV2021, na primeira sessão plenária da 51ª Assembleia Geral da OEA, foi apresentado o tema da representação venezuelana. A AMLO e o argentino Alberto Fernández fracassaram em suas buscas de votos para expulsar o representante de Juan Guaidó da OEA, pelo que se abstiveram de apresentar um projeto de resolução a respeito. Apenas oito governos se manifestaram, nas intervenções verbais de seus representantes, contra a presença do venezuelano: Antígua e Barbuda, Argentina, Belize, Bolívia, Dominica, México, Nicarágua e Trinidad e Tobago. O representante mexicano exigiu que todos os documentos aprovados na Assembleia Geral contenham uma nota de rodapé de oito parágrafos em que o governo AMLO qualifica a presença de um representante da Venezuela na OEA como um “ato que viola o direito internacional”, pois, alega o México, Nicolás Maduro aposentou-se da OEA, em abril de 2017.
 
Exceto pelos ataques verbais contra Luis Almagro, a quem a aliança Castro-Chavista acusa de ser o responsável pela saída de Evo Morales da presidência em 2019, a demissão do Secretário-Geral nem sequer foi levantada pelos interessados. A destituição do Secretário-Geral da OEA requer dois terços dos votos dos membros, montante que Castro-Chavismo não controla.
 

*****


Provavelmente, a única declaração política de peso da Assembleia Geral da OEA de 2021 foi a aprovação de uma Resolução promovida por Antígua e Barbuda, Chile, Costa Rica, Equador, Estados Unidos, República Dominicana, Venezuela e Uruguai em relação à Nicarágua. A violação sistemática dos direitos humanos, a prisão de opositores, incluindo mais de uma dezena de dirigentes políticos, incluindo candidatos presidenciais, foram o prólogo da "votação" do 07NOV2021, em que Daniel Ortega foi proclamado vencedor. A Assembleia Geral da OEA aprovou em novembro de 1921 “declarar que, nas circunstâncias óbvias, as eleições de 07NOV2021, na Nicarágua não foram livres, justas ou transparentes e não têm legitimidade democrática

 

*****

 
A resolução sobre a Nicarágua foi votada favoravelmente por El Salvador, Estados Unidos, Granada, Guatemala, Guiana, Haiti, Jamaica, Panamá, Paraguai, surpreendentemente pelo Peru, República Dominicana, Suriname, Trinidad e Tobago, Uruguai, Venezuela, Antígua e Barbuda, Bahamas, Barbados, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Equador e Dominica. Os governos da aliança Castro-Chavista Argentina, Bolívia, México e São Vicente e Granadinas concordaram anteriormente em fazer o voto de “abstenção”, ao qual aderiram Honduras, Santa Lúcia e Belize. O representante da Nicarágua votou contra. O governo de São Cristóvão e Nevis optou por desligar a ligação à Internet para não aparecer como assistente. A resolução foi aprovada com 25 votos de um total de 34 sócios do clube. O voto hondurenho a favor da ditadura de Ortega,

 

*****

 
O número de votos a favor da resolução sobre a Nicarágua excedeu dois terços dos votos necessários para uma possível votação futura que proceda à suspensão da Nicarágua do “exercício de seu direito de participação”, conforme determina a Carta Democrática Interamericana.
 
Mas nos meios diplomáticos do Continente havia a certeza de que um voto de suspensão contra o regime de Ortega não poderia reunir os votos necessários, razão pela qual o assunto não foi submetido à consideração da Assembleia Geral.
 
Parece que na OEA ninguém tem voto para destituir Luis Almagro e tampouco para suspender Daniel Ortega. Portanto, a resolução aprovada se limitou a “instruir o Conselho Permanente a realizar uma avaliação coletiva imediata da situação, em conformidade com a Carta da Organização dos Estados Americanos e a Carta Democrática Interamericana, a ser concluída no máximo 30 Novembro e tome as medidas cabíveis. " Já em 09JUN21, o Secretário-Geral Luis Almagro sugeriu a convocação de uma sessão especial do Conselho Permanente para antecipar a suspensão da Nicarágua da OEA em face de “um ataque sem precedentes contra líderes da oposição, candidatos a cargos públicos eleitos, líderes sociais e empresariais. “Tal como já tinha acontecido com o regime chavista,
 
No início de novembro de 1921, a representação da Nicarágua na OEA entregou ao Gabinete do Secretário-Geral uma carta assinada pelo chanceler sandinista, Denis Moncada. Em sua comunicação lida na TV de Manágua, Moncada anunciou a Almagro a decisão do regime de Ortega de retirar a Nicarágua da OEA para "pôr fim a uma relação hostil, ofensiva e ultrajante para a Nicarágua". De acordo com as disposições da Carta da OEA, a retirada definitiva da Nicarágua aconteceria em novembro de 1923.


 

 

*****

 
A rejeição da "votação" de 07NOV21 na Nicarágua, como aconteceu com as de 20MAY18 na Venezuela, não ocorreu por causa de uma simples fraude eleitoral no dia da votação, mas pelo fato de que essas eleições foram a conclusão de inconstitucionais e claras processos não democráticos . No estilo chavista, Ortega não permitiu a presença de observadores eleitorais internacionais, convidando duzentos militantes de partidos de esquerda afins, além de enviados da Rússia e de dois países inexistentes: Abkházia e Ossétia do Sul.
 

*****

 

Na noite de domingo 07NOV21, logo após o regime de Ortega anunciar o encerramento da votação, o governo costarriquenho emitiu um comunicado declarando que não reconhece essas eleições "na ausência das condições e garantias exigidas pela democracia". Poucos minutos depois, a Casa Branca emitiu uma declaração de Joel Biden que descreveu a votação na Nicarágua como uma "pantomima" e apontou que "a família Ortega e Murillo agora governam a Nicarágua como autocratas, não diferente da família Somoza".

Na manhã europeia, de 08NOV2021, o governo espanhol se manifestou "rejeitando" os resultados das "eleições" na Nicarágua. “O governo [da Espanha] se recusa a dar credibilidade e legitimidade aos resultados”. Até mesmo o governo de esquerda do Peru emitiu um comunicado em 08NOV2021 afirmando, que o que aconteceu na Nicarágua "merece a rejeição da comunidade internacional".

Os Estados Unidos, Canadá e Reino Unido concordaram em agir juntos para impor novas sanções a altos funcionários nicaraguenses. Em 15 de novembro, o Reino Unido ampliou a lista de nicaraguenses sujeitos a sanções, desta vez incluindo Rosário Murillo. Naquela data, o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos acrescentou à lista de sancionados o "Ministério Público" da Nicarágua e nove altos funcionários "que estão reprimindo os nicaragüenses por exercerem seus direitos humanos e liberdades fundamentais". Por sua vez, a Chanceler canadense também anunciou em 15NOV21 a inclusão de onze funcionários nicaraguenses na lista dos punidos "em resposta às contínuas violações dos direitos humanos na Nicarágua".
 
Em 16NOV2021, Joe Biden assinou e notificou ao Congresso a prorrogação por mais um ano da Ordem Executiva de Emergência Nacional 13851, de NOV 2718, que serve de base para as sanções impostas aos líderes sandinistas. Nesse mesmo dia, Biden emitiu uma ordem proibindo a entrada nos Estados Unidos de Daniel Ortega, Rosario Murillo e funcionários do governo que “formulem, implementem ou se beneficiem de políticas ou ações que prejudiquem ou prejudiquem as instituições democráticas ou impeçam o retorno à democracia. Na Nicarágua ".
 

Além da ditadura cubana, existem atualmente dois governos no continente cuja legitimidade é questionada por grande parte dos países da região e também pela União Européia. Mas Cuba, o regime chavista, o governo da família Ortega-Murillo e o governo de duas cabeças da Bolívia chefiado por Luis Arce e Evo Morales têm um padrinho comum que decidiu desafiar os Estados Unidos não apenas na Ucrânia, na Polônia ou no Pólo Norte mas também em terras latino-americanas: a Rússia.


*****


Em 19 de julho de 21, o ministro das Relações Exteriores da Nicarágua, Denis Moncada, foi recebido no Ministério das Relações Exteriores em Moscou, por seu homólogo russo Sergey Lavrov para discutir o apoio de Vladimir Putin a Daniel Ortega em face de sanções externas. Em 22OUT2021, o chanceler boliviano, Rogelio Mayta, visitou Lavrov em Moscou e o russo afirmou que "nossos laços se fortaleceram notavelmente nos últimos meses". Em 22JUN2021, o agora ex-chanceler de Maduro, Jorge Arreaza, foi recebido por Lavrov e, em 08NOV2021, o novo chanceler do regime chavista, Félix Plasencia, cumpriu o ritual de visita ao Ministéro de Relações Exteriores. “Um bom amigo de nosso país”, Lavrov descreveu Plasencia que, segundo o russo, “o informou sobre a situação política interna” na Venezuela. A Rússia declarou protetora internacional do regime chavista, Ele é o patrocinador de um grupo denominado "Grupo de Amigos em Defesa da Carta da ONU" voltado para atacar as sanções, que os EUA e outros países têm aplicado justamente à Rússia e ao regime chavista. O governo russo é um ator direto nas negociações, que Maduro abriu com a oposição e que tiveram como base o México. Depois de seu encontro com Lavrov, o enviado de Maduro relatou em Moscou, 08NOV2021, que seu chefe havia mudado de ideia e que ele retomaria as negociações no México que tinha suspendido, em 16OUT2021.
 
Durante a apresentação perante a imprensa com Plasencia, em 08NOV2021, Lavrov assegurou que as "eleições" do dia anterior na Nicarágua "foram realizadas de forma organizada, de acordo com a legislação nicaraguense". O russo se referiu aos protestos populares que começaram em 18ABR2018, na Nicarágua e os descreveu como "tentativas de derrubar o governo" causadas por "interferência externa aberta". Na mesma linha, a porta-voz do Ministério Relações Exteriores, María Vladímirovna Zajárova, emitiu um comunicado, em 15NOV2021, sobre o que descreveu como "tentativas do exterior para desestabilizar a situação política interna em Cuba". Zajárova se referia aos protestos convocados para aquele dia na ilha caribenha e que foram bloqueados pelo aparato repressivo da ditadura cubana com o apoio aberto de aliados internacionais.


VEJA MAIS