COBERTURA ESPECIAL - Guerra Informação e Híbrida - Defesa

17 de Julho, 2020 - 01:30 ( Brasília )

Ministério da Defesa vê risco de crises e tensões no 'entorno estratégico' do Brasil

Desde a criação da pasta em 1999, esta é a primeira vez que Política Nacional de Defesa aponta possibilidade de conflitos. Texto será encaminhado ao Congresso na próxima quarta

Nota DefesaNet

Jornal  O Estado de São Paulo publica chamada de capa descontextualizada do texto da matéria com clara intenção de atacar e constranger o governo brasileiro. É uma peça de desinformação.
https://www.defesanet.com.br/ghbr/noticia/37492/Coup-d%C2%B4Presse----Governo-aponta-risco-de-conflito-na-America-do-Sul/

O portal G1 publicou informações complementares corrigindo o OESP.

https://www.defesanet.com.br/gi/noticia/37493/Ministerio-da-Defesa-ve-risco-de-crises-e-tensoes-no--entorno-estrategico--do-Brasil/

O Editor

 



Por Gustavo Garcia, G1 — Brasília
16/07/2020 21h10 Atualizado há 4 horas

 
O Ministério da Defesa elaborou um documento no qual aponta a possibilidade de crises e tensões no chamado "entorno estratégico" do Brasil, que abrange América do Sul, Antártica e Oceano Atlântico até a costa ocidental da África.

Esta é a terceira atualização de um conjunto de documentos, composto por "Política Nacional de Defesa", "Estratégia Nacional de Defesa" e o intitulado "Livro Branco da Defesa Nacional".

A nova edição da documentação deverá ser entregue ao Congresso Nacional na próxima quarta-feira (22).

De acordo com o ministério, esta é a primeira vez, desde a criação do Ministério da Defesa em 1999, que a Política Nacional de Defesa não fala em ausência de risco de conflitos, o que estava explicitado nas edições anteriores, de 2012 e 2016.

“A gente não chega a falar de conflito, mas já fala de possibilidade de tensões e crises”, explicou o vice-almirante Carlos Chagas, porta-voz do Ministério da Defesa.

Como exemplo de tensões, Chagas cita a crise humanitária dos imigrantes venezuelanos na fronteira do Brasil com aquele país.
O recente derramamento de óleo na costa brasileira; a pirataria no golfo da Guiné, na África; a pesca predatória praticada por pessoas de outros países em águas sob a jurisdição brasileira; e a questão permanente do narcotráfico são outros exemplos de tensões que motivaram o apontamento para possíveis crises.

Isso não significa, contudo, que o país esteja próximo de um conflito armado com outros países.

A atualização na documentação está prevista em lei e, segundo o vice-almirante Carlos Chagas, o conteúdo não tem relação com o atual governo porque trata-se, afirmou, de assunto de Estado.

Os documentos

Os três documentos que serão atualizados fazem parte da chamada base legal da Defesa.

A "Política Nacional de Defesa" estabelece o que se quer fazer na área, quais são os objetivos nacionais.

A "Estratégia Nacional de Defesa" define quais são as diretrizes e a forma de atuação para o atingimento das metas.

O "Livro Branco da Defesa Nacional" tem o objetivo de conferir transparência e confiança mútua entre Estados, e informa, por exemplo, quantos batalhões de Exército, navios da Marinha e aviões da Aeronáutica o Brasil tem.

“O Livro Branco diz o que a gente é em termos de Defesa”, resume o porta-voz do ministério.

Entre os objetivos da Defesa, está a busca por 2% do Produto Interno Bruto (PIB) em investimento no setor militar, além de regularidade orçamentária.

Atualmente, o investimento está na casa de 1,4% do PIB. As Forças Armadas pleiteiam o aumento e a regularidade para que possam dar continuidade a programas, inclusive tecnológicos, que desenvolvem.

Sobre a Base de Alcântara, Carlos Chagas informou que a utilização da área no Maranhão está em fase de negociações para se verificar potenciais usuários com interesse na utilização.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Modernização FAB

Modernização FAB

Última atualização 19 SET, 13:00

MAIS LIDAS

Guerra Informação e Híbrida