08 de Setembro, 2016 - 09:50 ( Brasília )

Terrestre

Ingresso das mulheres na Linha do Ensino Militar Bélico


O Exército Brasileiro realizará nos meses de setembro e outubro do corrente ano, de forma inédita, os primeiros concursos com vagas destinadas ao ingresso de mulheres na linha do Ensino Militar Bélico. O pioneirismo dessas jovens traduz-se na inovadora participação das mulheres na atividade fim da Força Terrestre: o combate.

Diferentemente da atuação que já ocorre em outras áreas como saúde, tecnologia, ensino e administração, etc, elas agora poderão desempenhar funções operacionais nas áreas de logística, onde se espera um perfil diferenciado para as novas profissionais combatentes.

As oficiais integrarão o Quadro de Material Bélico ou o Serviço de Intendência, sendo o primeiro ano de formação na Escola Preparatória de Cadetes do Exército – EsPCEx, em Campinas, e os outros quatro anos na Academia Militar das Agulhas Negras - AMAN, em Resende. As sargentos atuarão na área técnico-logística (Intendência, Manutenção de Armamento, Manutenção de Viatura Auto, Mecânico Operador, Manutenção de Comunicações, Aviação Manutenção e Topografia).

O primeiro ano de formação ocorrerá em Organizações Militares de Juiz de Fora (10º Batalhão de Infantaria Leve e 4º Grupo de Artilharia de Campanha Leve) e do Rio de Janeiro (1º Grupo de Artilharia Antiaérea). No segundo ano, as alunas darão continuidade ao curso de formação na Escola de Sargentos de Logística, no Rio de Janeiro, ou no Centro de Instrução de Aviação do Exército, em Taubaté.

A grande procura pelo concurso e concorrência entre as candidatas foi um dos aspectos que surpreendeu muito positivamente. A relação candidata/vaga está superando o esperado nas principais universidades do País. No concurso para oficiais, com 7.706 jovens inscritas, chegou-se a 192 candidatas por vaga.

Já para os cursos de formação de sargentos, a proporção entre as mulheres alcançou 179 candidatas por vaga. Vencida a primeira fase de provas intelectuais, as candidatas aprovadas passarão por inspeções de saúde e exames de aptidão física.

Os Estabelecimentos de Ensino realizaram todas as adequações de infraestrutura como alojamentos, banheiros e vestiários, a fim de acolher apropriadamente as futuras alunas, proporcionando-lhes um ambiente saudável e que atenda à singularidade da inserção da mulher na linha do Ensino Militar Bélico.

Destaca-se que com a inserção do sexo feminino na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN),o Exército Brasileiro terá, em 2021, as primeiras aspirantes a oficial da área bélica, as quais poderão alcançar, no futuro, o generalato.

Durante a formação, as mulheres seguirão as mesmas rotinas dos homens, vivendo o regime de internato e seguindo os mesmos valores e princípios cultuados na caserna, como o patriotismo, civismo, amor à profissão, dedicação integral à pátria, espírito de sacrifício, lealdade, companheirismo, responsabilidade, probidade e camaradagem.

Outras informações poderão ser obtidas pelo endereço eletrônico do Exército Brasileiro: www.eb.mil.br, no “link” Ingresse no Exército.



Artigos relacionados:

Mulheres estão cada vez mais presentes nas Forças Armadas brasileiras [Link]

Mulheres ingressam pela 1ª vez como cadete e podem se tornar general [Link]

História de mulheres nas Forças Armadas [Link]