27 de Setembro, 2015 - 11:00 ( Brasília )

Terrestre

GenEx Villas Boas - Não há hipótese de os militares voltarem ao Poder

Estamos correndo o risco de retroceder 30, 40 anos, quando uma indústria de defesa era a oitava do mundo e tinha conquistado mercados externos, mas se perdeu praticamente toda

 

 Ana Dubeux, Carlos Alexandre,
Leonardo Cavalcanti e Nívea Ribeiro
Correio Braziliense 27 Setembro 2015



O gaúcho Eduardo Dias da Costa Villas Bôas, 63 anos, é o chefe de 217 mil militares. Comandante do Exército desde o último mês de fevereiro, ele enfrenta duas das missões mais difíceis de uma carreira iniciada em 1967: o corte orçamentário que atinge os projetos definidos como estratégicos pela Força e a ausência de reajustes da categoria. “Corremos o risco de retroceder 30, 40 anos na indústria de defesa”, disse Villas Bôas. Durante entrevista exclusiva na manhã da última sexta-feira, o general também lamentou a defasagem dos rendimentos da tropa, principalmente se comparados aos de outras carreiras.
 
Villas Bôas teme que todos os projetos estratégicos — que incluem defesa antiaérea e cibernética, proteção das fronteiras, renovação da frota de veículos — se percam por falta de dinheiro. Ao longo de 90 minutos, no gabinete principal do Quartel-General do Exército, Villas Bôas falou pela primeira vez com um veículo de imprensa. Ele disse não haver chance de os militares retomarem o poder no Brasil, elogiou o ministro da Defesa, Jaques Wagner, e disse que o país precisa de uma liderança efetiva no futuro. “Alguém com um discurso que não tenha um caráter messiânico — e é até um perigo nessas circunstâncias. Alguém que as pessoas identifiquem como uma referência. ”
 
Programas das Forças Armadas, mais especificamente do Exército, sofrerão cortes drásticos. Como o senhor avalia essa dificuldade?
 
Com preocupação. A situação financeira que a gente tem ouvido é que o ano que vem será tão ruim quanto este. E 2017 também será um ano muito, muito ruim, seguido de um período razoável de crescimento muito baixo. Isso indica que não vão haver mudanças significativas no orçamento. Estamos correndo o risco de retroceder 30, 40 anos quando uma indústria de defesa era a oitava do mundo, tinha conquistado mercados externos, mas se perdeu praticamente toda. A gente corre o risco de isso vir a acontecer novamente, porque nesses anos os projetos ficaram no mínimo para não serem descontinuados. Mas, se isso prosseguir, acredito que as empresas não terão condições de manter projetos. E a perda é muito grande.
 
Qual é o risco imediato?
 
O Guarani é um programa de longo prazo, de um custo total de R$ 20 bilhões. Íamos comprar 1.200 carros, mas, neste ritmo dos cortes orçamentários, de adquirir 60 carros por ano, vamos levar 20 anos. O ciclo de implantação não será concluído e já estará obsoleto. Atravessamos um período de 30 anos de penúria orçamentária. Com isso, o Exército foi se esgarçando, porque não é da nossa natureza dizer não.
 
Se se estabelece que é necessário o cumprimento de alguma tarefa, vamos cumprir. Nós nos acostumamos a matar um leão por dia, mas perdemos a capacidade de pensar a longo prazo, estrategicamente. Até que veio o governo do presidente Lula e essa série orçamentária que era declinante se reverteu e começou a melhorar.
 
Com o ministro Nelson Jobim?
 
O marco foi quando o presidente Lula chamou o ministro (Nelson) Jobim para o Ministério da Defesa e disse: “Sua missão é colocar a defesa na pauta de discussão nacional”. E, aí, o ministro Jobim, com o ministro Mangabeira Unger, elaborou uma Estratégia Nacional de Defesa, um marco na história da defesa. Pela primeira vez, o poder político disse aos militares qual era a concepção de Forças Armadas, o que entendiam como necessário para o Brasil. Por exemplo, a estratégia nacional de Defesa determina que o Exército deve cumprir a estratégia da presença, principalmente na Amazônia. Sempre estabelecemos que a nossa estratégia da Amazônia era a presença.
 
Por uma coisa autoimposta. Porque a gente entendia que era a maneira adequada de tratar o tema. Mas, com a estratégia, isso teve um efeito especial, porque há uma contrapartida. Tive condições de apresentar a nota para o governo. Outra mudança importante foi em relação aos projetos estratégicos. É importante que os recursos das Forças Armadas tenham previsibilidade e regularidade, porque não adianta ter um volume grande de recursos num ano e, no outro, não ter. Com a estratégia nacional de Defesa a gente pôde fazer uma reestruturação interna do Exército.
 
Os manifestantes pedem “intervenção militar constitucional” (risos). Eu queria entender como se faz isso
Como assim?
 
Em 2010, houve o terremoto no Haiti, em 12 de janeiro. Já estávamos no Haiti. Imediatamente a ONU pediu que o Brasil dobrasse o efetivo. Eram mil e poucos homens e pediram que a gente dobrasse o efetivo. Isso custou três semanas para reunir um batalhão para levar para o Haiti.
 
Veja que um Exército de 200 mil integrantes levar três semanas para organizar um batalhão para ir para o Haiti — isso porque a gente já estava lá — não podia ser assim. Aquilo foi uma gota d’água. Um Exército como o nosso, de um país como o nosso, tem que estalar os dedos e deslocar um batalhão nas áreas de interesse estratégico, em 24 horas, 48 horas.
 
 Então isso foi um alerta que ligou e começamos um processo de transformação. A Marinha e a Aeronáutica saíram na frente, porque eles estavam acostumados a grandes projetos, como no caso dos projetos dos aviões. A Marinha já vinha tratando do projeto do submarino. E a gente se estruturou para gerenciar esses sete grandes projetos que agora é que estão amadurecendo. Ainda estamos na fase de operação, e vamos ter essa interrupção.
 
É uma frustração?
 
É uma reversão de uma expectativa extremamente positiva.
 
O Brasil defende uma presença no Conselho de Segurança e, no entanto, as Forças Armadas sofrem restrições. Não há incoerência?
 
Um país como o Brasil, que hoje é a oitava economia do mundo, naturalmente tem assumindo uma liderança regional, na América Latina, expandindo a sua área de interesse, pleiteando assento no Conselho de Segurança da ONU. Um país que pretende atingir esse patamar tem de ter capacidade de fazer o que se chama de projeção de poder. Precisa ter presença diplomática, econômica. Preciso ter presença política, capacidade de influência, e tudo respaldado por uma capacidade de presença militar. E isso pressupõe projeções de força.
 
O país projeta poder e essa projeção de força cabe às Forças Armadas. Estamos caminhando nessa direção, de adquirir essa capacidade de realizar a projeção de força. E agora se vê interrompido. Pelas projeções que se fazem hoje, antes de 2035, tudo que foi concebido agora estará obsoleto. Isso que está acontecendo não afeta apenas o Exército.
 
 Afeta um projeto de um país. O Brasil tem uma conjuntura estratégica peculiar. São poucos países que vivem essa preocupação, como a China, a Índia, a Rússia. Vivemos em pleno século 21 com metade do nosso território não ocupado, não integrado, não articulado, com a população não dispondo de infraestrutura social e econômica para atender às necessidades. E a única capacidade de atendimento das necessidades básicas da população está nas Forças Armadas. Isso exige de nós estar espalhados, com capilaridade no território.
 
Com isso, temos dificuldades para trocar quantidade por qualidade. Temos que adquirir qualidade, mas, ao mesmo tempo, manter a quantidade, essa presença que temos em muitos lugares. Por exemplo, na Amazônia, a nossa presença física, um pelotão especial de fronteira, está delimitando o espaço da soberania brasileira. Até coisas básicas ela cumpre hoje. Por exemplo, as comunidades indígenas, numa grande área, dependem do atendimento médico do Exército.
 
O senhor atribui essa dificuldade no corte do orçamento a uma ingerência política?
 
Não. Atribuo à crise econômica que o país está vivendo. A partir do momento em que o Brasil apresentou esse orçamento pressupondo um déficit... A gente tem a consciência da realidade do país. Essa é uma característica nossa. O Exército tem uma interface com a sociedade. Passamos tempo na favela da Maré, a gente conhece a realidade das pessoas. E o Brasil é um país com muitos problemas de desigualdade social, de falta de infraestrutura. Eu não queria estar no lugar do governo, na área econômica, porque eu vejo a dificuldade que eles têm. O Ministério da Saúde, com todos os problemas, sofreu um corte de R$ 12 bilhões. Eu não vejo intenção política de prejudicar as Forças Armadas.
 
 
A oposição atribui ao fato de o ministro Jaques Wagner estar voltado para negociações políticas a falta de atenção com a Defesa.
 
Devo confessar que o Ministério da Defesa fez um bom trabalho na negociação do orçamento. Apesar dos problemas econômicos, eles conseguiram preservar programas. Poderia ter sido pior. Preciso admitir que foi um trabalho intenso e consistente. E foi uma das melhores negociações de orçamento que a gente já viu.
 
O Exército cada vez mais assume funções sociais, como saúde, segurança. Quando o poder público civil falha, chama-se o Exército. O senhor considera essa função atípica?
 
Essa questão está sempre presente nos nossos fóruns. São dois polos. Um polo é aquele que o Exército e as Forças Armadas se destinam apenas à defesa da Pátria, ou seja, o Exército ficaria só para fazer guerra. O outro polo é de gente que acredita que o Exército virou uma empresa de prestação de serviços. Mas, na verdade, o que se vê na tendência mundial é que as Forças Armadas têm de estar em condições de atender às demandas da população.
 
Então estamos no caminho certo?
 
Sim, estamos no caminho certo. O nosso projeto do SISFRON (Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras) não é um sistema para capacitar o Exército a realizar aquelas tarefas de combater o crime organizado, o narcotráfico, de armas ou contrabando. Não. É uma estrutura para que o Exército proporcione às instituições responsáveis por aquelas tarefas condições de realizá-las.
 
Nesse momento crítico, a questão dos salários é uma coisa forte...
 
É um problema grave. Se colocarmos ou fizermos um ranking dos salários das polícias militares, o Exército estará no meio.
 
E deveria estar aonde?
 
Deveria estar no topo. É um parâmetro. O que o governo tem despendido para o pagamento de pessoal das Forças Armadas vem decrescendo em relação a outros setores. Já estávamos achatados, e agora a tendência é mais ainda, o que só se agrava, porque o aumento viria até janeiro do ano que vem escalonado. E já foi adiado por sete meses. É um esforço que está sendo realizado por todo o país, só que surpreende quando a gente vê categorias ganhando aumento substancial num momento como esse. Isso, claro, aumenta a frustração interna.
 
O senhor fica sem discurso.
 
Claro.
 
E também perde gente capacitada.
 
A procura pelas Forças Armadas oscila pouco, mas é sempre alta. E nós temos dificuldade de conhecimento, a evasão aumenta nos setores de mercado, por exemplo em áreas técnicas, de engenharia, saúde. Isso é mais um dos efeitos negativos da frustração que os cortes dos projetos causam. Um engenheiro se envolve num projeto como se esse aquilo fosse a vida dele, com paixão. (Com os cortes), ele fica mais suscetível a esse tipo de atrativo externo do mercado.
 
Qual é o ponto de vista do Exército em relação à descriminalização das drogas?
 
O combate às drogas nas cidades não é atribuição nossa. Mas tomo como referência a posição de duas instituições importantes. Em primeiro lugar, as polícias, que fazem a linha de frente e sofrem com isso. Elas entendem que vai haver uma piora. Até porque já há a descriminalização. Vai se criar uma elasticidade maior, o que será mais difícil ainda de coibir. E o outro é a área médica.
 
Conversei com o presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria. Ele está muito preocupado em relação à descriminalização. Diz que, muito provavelmente, vai aumentar o índice de suicídios. O Exército não se pronunciou institucionalmente. Pessoalmente, me balizo e me manifesto por essas orientações. Mas confesso que, como está, não está bom.
 
O que o senhor quer dizer?
 
Se me perguntarem qual é a maior ameaça à segurança do país, digo que é o tráfico de drogas. Porque temos uma fronteira de quase 17 mil quilômetros. Estados Unidos e México têm 3 mil quilômetros de fronteira, e o governo americano, com todo aquele aparato policial e tecnológico, não consegue vedar. Imagine o que é para nós. Temos um país vizinho que é produtor de cocaína e maconha. Somos o segundo maior consumidor do mundo e somos corredor de passagem.
 
Nós, do Exército, estamos muito preocupados pela iminência de que haja plantio de coca dentro de nosso território, porque foi desenvolvida uma variedade adaptada ao clima quente e úmido da Amazônia baixa. Então, junto à fronteira brasileira, está repleto de plantio de coca. Para isso passar para nosso território, é um pulo. Então há essa preocupação muito grande para que não nos tornemos também produtores de coca, porque isso altera nossa posição, juridicamente, no ambiente internacional.
 
O tráfico na Amazônia ainda é pouco organizado, mas está caminhando para se organizar. As grandes organizações criminosas de Rio e São Paulo estão chegando lá. Em Manaus, surgiu uma grande organização, chamada Família do Norte, que faz a interface das produções dos países vizinhos com o comando de São Paulo. Na fronteira com os países vizinhos já se detectou a presença de cartéis internacionais, com modus operandi muito violento e capacidade de contaminação de instituições muito grande.
 
Há também o problema das armas.
 
De onde vem a droga, vai a arma. Paga-se um pelo outro. É um problema muito sério, que está se agravando. Os indicadores das polícias apontam a présença de armas cada vez mais sofisticadas e potentes nas mãos do crime organizado.
 
Qual é o atraso hoje no SISFRON?
 
Este ano era para termos concluído a implantação do projeto piloto no Mato Grosso do Sul e em Rondônia. Isso só vai acontecer, provavelmente, em 2016. Talvez até se estenda mais um ano. No projeto como um todo, a previsão para concluirmos a implantação era 2022. Agora, a se manter o atual ritmo, deve-se concluir em 2035, apenas, ou depois até. E nesse projeto SISFRON, que usa tecnologias críticas, mais avançadas, a obsolescência é mais rápida. Então não teremos cumprido a implementação e já estaremos às voltas com mais necessidades.
 
É uma crise claramente econômica. Mas há uma crise política. Há risco de instabilidade? Há preocupação do Exército nesse sentido?
 
Há uma atenção do Exército. Eu me pergunto: o que o Exército vai fazer? O Exército vai cumprir o que a Constituição estabelece. Não cabe a nós sermos protagonistas neste processo. Hoje o Brasil tem instituições muito bem estruturadas, sólidas, funcionando perfeitamente, cumprindo suas tarefas, que dispensam a sociedade de ser tutelada. Não cabem atalhos no caminho.
 
O que acha dos manifestantes que defendem intervenção militar?
 
É curioso ver essas manifestações. Em São Paulo, em frente ao Quartel-General, tem um pessoal acampado permanentemente. Eles pedem “intervenção militar constitucional” (risos). Queria entender como se faz. Interpreto da seguinte forma: pela natureza da instituição, da profissão, pela perseguição de valores, tradições etc. A gente encarna uma referência de valores da qual a sociedade está carente. Não tenho dúvida. A sociedade esgarçou seus valores, essa coisa se perdeu.

Essa é a principal motivação de quererem a volta dos militares. Mas nós estamos preocupados em definirmos para nós a manutenção da estabilidade, mantendo equidistância de todos os atores. Somos uma instituição de Estado. Não podemos nos permitir um descuido e provocar alguma instabilidade. A segunda questão é a legalidade. Uma instituição de Estado tem de atuar absolutamente respaldada pelas normas em todos os níveis. Até para não termos problemas com meu pessoal subordinado.

Vai cumprir uma tarefa na rua, tem um enfrentamento, fere, mata alguém, enfim... não está respaldado. E aí, daqui a pouco, tem alguém meu submetido na Justiça a júri popular. Terceiro fator: legitimidade. Não podemos perder legitimidade. O Exército tem legitimidade por quê? Porque contribui para a estabilidade, porque só atua na legalidade. Pelos índices de confiabilidade que a sociedade nos atribui, as pesquisas mostram repetidamente, colocam as Forças Armadas em primeiro lugar. E, por fim, essa legitimidade vem também da coesão do Exército. Um bloco monolítico, sem risco de sofrer qualquer fratura vertical. Por isso as questões de disciplina, de hierarquia, de controle são tão importantes para nós. O Exército está disciplinado, está coeso, está cumprindo bem o seu papel.
 
O Exército está atento. Está preocupado?
 
Claro, porque a situação tem reflexos. Vejam o problema que nós temos no Orçamento.
 
Mas o eco das ruas se espelha em algum momento dentro da tropa?
 
Sim. No Exército Brasileiro, só tem brasileiros. Estamos vendo a sociedade. Isso nos aflige, afeta, angustia, provoca ansiedade, frustrações da mesma forma.
 
Existe alguma possibilidade de os militares voltarem ao poder em determinado momento?
 
Não, não, não. Nenhuma.
 
Por quê?
 
Porque o que nos baliza é o que está na Constituição. Não há a menor hipótese de os militares virem a tomar o poder novamente.
 
O senhor não vê ameaça e ruptura institucional?
 
Hoje, não há. Podemos criar um cenário. Por exemplo, se a crise econômica se agravar. O problema seriíssimo do desemprego, que pode gerar alguma convulsão. O que acontece? Constituição. Nós tivemos problemas em 2013, na época da Copa das Confederações. Era uma situação extremamente crítica. O Exército estava pronto para atuar e ser empregado. Como seria? Com base na Constituição. Não foi necessário.
 
O Brasil ainda está vulnerável a ataques cibernéticos?
 
Não há dúvida. Até porque a defesa cibernética não depende de um projeto. É um processo que tem de estar em permanente evolução. Aqui se aplica muito aquela relação do canhão e da couraça. Você desenvolve um canhão, logo vai surgir uma couraça capaz de se proteger dele. Mas, em seguida, vai surgir outro tipo de canhão que vai furar essa couraça. Aqui temos um exemplo típico, só que acontece diariamente.
 
Com um problema: o Brasil não constrói o canhão nem a couraça.
 
É verdade. Defesa cibernética é uma área extremamente preocupante. Conseguimos proteger a Copa do Mundo, com a infraestrutura que vínhamos desenvolvendo. Foram mais de 700 ataques diretos ao evento. Agora, para as Olimpíadas, estamos esperando um volume muito maior.
 
Em 2008, chegamos a um marco. Por que isso não seguiu?
 
A crise econômica. O que começou em 2008 vinha seguindo. Talvez não na potencialidade como a gente desejava, mas vinha seguindo. Quando a crise econômica aconteceu neste ano, com os cortes que sofremos, inicialmente a gente até pensou: bom, isso vai ser um soluço. No ano que vem, a gente retoma. Mas, não: agora se configurou que a coisa vai muito mais longe.
 
Como sobreviver em uma economia de guerra como essa? Que caminhos o país deve seguir?
 
Não vou entrar nessa. Não me bota essa armadilha (risos). Deixe falar alguma coisa. Da década de 1930 até a década de 1980, o Brasil foi o país do mundo que mais cresceu. Tínhamos uma ideologia de desenvolvimento e, mais importante, tínhamos um sentido de projeto. Nas décadas de 1970 e 1980, cometemos o erro de permitir que a linha de fratura da Guerra Fria passasse dentro da nossa sociedade. E, com isso, nos desestruturamos. Perdemos a coesão nacional. Perdemos o sentido de projeto, e o Brasil anda meio à deriva. Não sabe exatamente o que ser.
 
Ou, mais interessante, não sabe ainda o que ele pode ser. A gente só tem essa dimensão quando sai do país, interage fora. A visão que as pessoas têm do Brasil é muito superior à que temos. O pano de fundo de tudo isso é recuperar o sentido de projeto nacional e definir o caminho. É lógico que isso não é uma coisa autoritária, tem de ser construída pela sociedade e seus múltiplos atores. Mas é preciso definir uma vocação para o país. Outro dia li o artigo de um escritor argentino que dizia o seguinte: “Se a gente espera que o Brasil vá assumir a liderança da América do Sul, esqueçam.
 
Não é da natureza do Brasil”. Vejam que esse é um papel que o Brasil não pode se furtar. Os países sul-americanos nos enxergam como a possibilidade de eles fazerem parte de um grande processo de desenvolvimento. O Brasil tem de ter essa consciência, temos de assumir essa responsabilidade. Para assumir a liderança, primeiro precisa demonstrar capacidade. E segundo, demonstrar vontade. Ou não vão reconhecer em você essa liderança.
 
Isso preocupa?
 
Outro aspecto é que corre-se o risco de que haja uma outra Guerra Fria, de que novamente a gente venha a permitir que a nossa sociedade seja dividida. Não em uma confrontação ideológica, nos moldes antigos. Mas numa confrontação de caráter econômico. A presença da China, por exemplo. O objetivo da China é ter acesso a recursos naturais. Em consequência, vai estabelecer novamente uma competição.
 
Aí se começam a usar ferramentas para instrumentalizar essa competição. Uma ferramenta que já é utilizada é a questão ambiental. Quando dizia que o Brasil era capaz de grandes realizações, hoje nos deixamos tomar por um pensamento politicamente correto que tem impedido que aflorem soluções concretas para nossos problemas. Alguém dizia esses dias e achei muito interessante: hoje não seria permitido construir o Cristo Redentor.
 
E Brasília?
 
A própria Brasília, talvez. E não que não seja a favor da preservação do meio ambiente. Tenho um compromisso com a Amazônia muito grande. Servi lá oito anos e sei bem a importância da preservação. Mas temos de ter um mínimo de pragmatismo para voltar a construir um país. Então, além de não termos um sentido de projeto, nos deixamos dominar por esse pensamento politicamente correto que nos dificulta.
 
Esse pensamento está dificultando, por exemplo, tremendamente combater essa criminalidade terrível que vivemos no país. Morrem assassinadas no Brasil 55 mil pessoas por ano. Cem mulheres são estupradas por dia.
 
É um cenário de guerra.
 
Desaparecem 20 mil pessoas por ano no Brasil. Nenhuma guerra no mundo cobra um preço tão alto. Isso é muito mais grave do que esse fluxo de imigrantes que estamos vendo na Europa. Olhem o significado daquele menino sírio que morreu na praia. Outro dia morreu um menino nosso no Rio de Janeiro, de bala perdida. Quantos meninos morrem por dia?
Qual é o erro do politicamente correto?
 
Vejo dois fatores importantes. Há uma presunção difusa, mas presente no Brasil, de que o criminoso é sempre uma vítima, de alguma forma ele é vítima da sociedade. E nossa legislação penal é extremamente generosa. Outro ponto é que perdemos muita disciplina social. Vão dizer: ah, vem um militar autoritário.
 
Absolutamente. No Brasil se perdeu o conceito da autoridade presumida.
 
 É a autoridade que tem um professor quando entra em sala de aula. A presença do professor deveria estabelecer, automaticamente, regras de comportamento para que o funcionamento da sala de aula se viabilizasse. E o que vemos diariamente?
 
Quando se fala isso, parece discurso conservador, autoritário...
 
Parece discurso conservador. Mas perdemos essa referência. É o mínimo necessário para uma sociedade, ou qualquer coletividade, funcionar, trabalhar adequadamente.
 
É por isso que as pessoas pedem a volta do Exército? As pessoas veem no Exército essa hieraquia?
 
Exatamente.
 
Isso não é um pouco do ranço que se deixou da ditadura militar?
 
Sim. No bojo da reação aos governos militares, tudo que tinha uma conotação de autoridade e de disciplina ficou estigmatizado.
 
O senhor fala da ausência de um projeto para o país. Quem deveria tomar a frente? Os políticos, ou a sociedade de uma forma geral?
Como começar a fazer isso?
 
Precisamos de alguma coisa que galvanize. Precisamos de uma liderança. Alguém com um discurso que não tenha um caráter messiânico — e é até um perigo nessas circunstâncias. Já tivemos isso há um tempo e sabemos bem o que é isso. Mas é essencial. Alguém que as pessoas identifiquem como uma referência capaz de apontar. Falta-nos liderança, e nos falta algum projeto. Para exercer uma liderança, em nível político, tem de ter uma política. Em nível estratégico, tem de ter uma estratégia. O que se está trabalhando hoje é para superar a crise imediata. Tudo que se debate, que se diz, não tem o alcance de apontar caminhos mais a longo prazo.
 
Qual é o propósito de o Exército ficar mais presente nas redes sociais?
 
Tem muito a ver com isso, até lhe diria que o objetivo último, lá no fim disso, é a gente melhorar o nosso orçamento (risos). Mas a interação com a sociedade tem vários efeitos, inclusive aumentar o nível de procura das pessoas para ingressar no Exército.
 
O senhor, no fim de semana, consegue aproveitar a cidade?
 
Olha, confesso que pouco. Como moro aqui em uma casa, um lugar bom, a gente desfruta ali do ar livre, do espaço amplo, para caminhar, fazer um exercício. No dia a dia o meu lazer é muito em função de música e de livro. Não sou muito de sair, não. Isso estabelece algum conflito dentro de casa (risos). As coisas de que gosto, faço muito menos do que gostaria: ler, ouvir música, pescar...
 
Mas do chimarrão o senhor não abre mão.
 
Não, do chimarrão não.
 
E filhos?
 
Tenho três filhos. O menino mora comigo e deixei duas filhas casadas em Manaus, uma delas tem três filhos. Devia ser terminantemente proibido, pelos direitos humanos e tribunais penais internacionais... Netos longe do avô.
 
Crime de lesa-humanidade.
 
Sim, um crime de lesa-humanidade.
 
Que conselho dá a um jovem que pensa em entrar nas Forças Armadas?
 
Há uma sabedoria importante para quem entra nas Forças Armadas, em especial no Exército. A felicidade está nas pequenas coisas do dia a dia. A felicidade está no caminho, não está no destino. Numa vida em que se muda sempre, tem que levar a felicidade dentro de você senão se frustra.
 
Brasília é meu lugar
 
Nasci em Cruz Alta (RS), mas o meu pai era paulista, e o meu avô, sergipano. Sou de um ramo Villas Bôas de Sergipe. O meu pai resolveu entrar na escola militar e, quando se formou, terminou a academia, foi servir no Sul e lá se casou com minha mãe. A minha mulher é gaúcha também. Sou de Infantaria. Servi na Amazônia, no Rio, e em Salvador, João Pessoa e Natal porque também sou filho de Deus, né? Mas a minha carreira se divide em duas partes.
 
A primeira foi muito em função da Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN). Servi por muito tempo lá, em vários postos. Depois, aí já como oficial superior, Coronel, passei um bom tempo na Amazônia. Adoro Brasília. Adoro o clima da cidade. Esse clima seco, de que muita gente não gosta, eu adoro, e gosto muito de calor. Gosto do ambiente da cidade, dos amigos, do estilo de vida. Elegi Brasília como o lugar onde vou ficar.

Nota DefesaNet

A longa e detalhada entrevista do Comandante do Exército, General-de-Exército Eduardo Villas Bôas ao Correio Braziliense, segue a linha de sua apresentação no dia anterior à Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional do Senado (24SET15). 

Ver matéria: Brasil corre risco de regredir 40 anos na Defesa, alerta comandante do Exército Link