12 de Dezembro, 2013 - 09:44 ( Brasília )

Terrestre

MAN ultrapassa a marca de mil caminhões para o Exército em 2013


Diário do Vale

A MAN Latin America acaba de conquistar duas novas licitações de veículos para o Exército. São 220 unidades no total, sendo 120 caminhões Worker 26.260 tanque, usados em operações como as de combate à seca no Nordeste, e 100 caminhões Worker 15.210 4x4 basculante para atividades de rotina das tropas. A empresa, que já havia anunciado negociação de 860 unidades para o Exército em agosto, atinge a marca de 1.080 caminhões em licitações para as Forças Armadas somente em 2013.

Com o novo lote, a frota Volkswagen no Exército Brasileiro irá ultrapassar cinco mil unidades. A MAN é hoje a segunda maior fornecedora de veículos à instituição.

- As licitações vencidas a cada ano mostram a qualidade e robustez de nossos produtos. Pensar em soluções sob medida está no nosso DNA. Nosso objetivo é mantermos esse ritmo de negociações para, em breve, conquistarmos o primeiro lugar também entre os veículos do Exército - diz Roberto Cortes, presidente e CEO da companhia que, em 2007, quebrou hegemonia de mais de 50 anos de seu principal concorrente às Forças Armadas.

Os veículos da MAN Latin America atuam nas mais diversas operações do Exército brasileiro. Além do transporte de tropas em ações especiais, a montadora já forneceu caminhões em configurações especiais para o combate à seca no Nordeste. E há ainda caminhões da marca utilizados em missões de paz da Organização das Nações Unidas (ONU), em países como o Haiti.

Testes em situações extremas

O segmento de veículos para uso militar requer a oferta de produtos robustos e confiáveis para atender às exigentes demandas do setor. Nesse sentido, os caminhões Volkswagen e MAN passam por situações extremas durante diversos testes de rodagem realizados pelas Engenharias da fábrica da MAN, em Resende, e em Munique, na Alemanha, além dos rigorosos processos de homologação realizados pelas Forças Armadas do Brasil.

A homologação incluiu rodagens por terrenos arenosos, alagados e com lama, além de manobras de embarque aéreo e marítimo, transporte de pontes, uso de biodiesel em mistura B2 (2% de mistura ao diesel convencional) e até testes de balística, conferindo a resistência da cabine a estilhaçamentos.