COBERTURA ESPECIAL - Rafale - Aviação

12 de Dezembro, 2013 - 09:59 ( Brasília )

Em visita ao Brasil, Hollande tenta relançar venda do Rafale


Leia Também:
Dassault oferece entrega acelerada de Rafales Entrevista com o VP Benoit Dussaugey, VP Executivo da Dassault-Aviation e Presidente do Consórcio Rafale

O presidente francês François Hollande, que chega ao Brasil nesta quinta-feira, aproveitará de sua visita ao Brasil para tentar retomar as negociações da venda do Rafale. O avião da Dassault disputa a licitação para renovar a frota da FAB (Força Aérea Brasileira) ao lado dos caças da Boeing e da Saab.

Segundo a agência francesa AFP, Hollande não pretende pressionar a presidente Dilma Rousseff, que desde o início do seu mandato, em 2010, tem lidado com os sobressaltos da economia brasileira, que depois de anos de euforia, dá sinais de desaceleração. Além é claro, na tensão social existente no país, e das críticas aos gastos do governo para a organização da Copa do Mundo e dos Jogos Olímpicos.

Na licitação, a Dassault e os fabricantes americano e sueco disputam a venda de 36 aviões – um contrato lançado ainda no governo Lula. O presidente da Dassault, Eric Trappier, integra a comitiva do governo francês.Depois de liderar as preferências, o avião francês acabou perdendo terreno para o F-18 Super Hornet, da Boeing, considerado tecnicamente superior.

Denúncias de espionagem da NSA aumentariam as chances do Rafale

Até as denúncias de espionagem da NSA, a agência de segurança americana, virem à tona, resultando no cancelamento da visita oficial de Dilma aos Estados Unidos em outubro. A própria presidente foi alvo do monitoramento da agência.

Esta situação poderia ajudar o governo francês na venda do Rafale. Outra vantagem da oferta dos franceses seria a possibilidade de transferência de tecnologia, um fator considerado fundamental para a conclusão do negócio – e que teria até então emperrado ao contrato com a Boeing, segundo fontes do Ministério da Defesa.

“O contexto político brasileiro mudou e as autoridades brasileiras estão analisando quem são os parceiros estratégicos mais interessantes para trabalhar’’, disse um conselheiro de Hollande.

Até hoje, o Rafale nunca foi exportado, mas desde 2012 a França negocia com a Índia um contrato de venda de 126 aviões que poderá ser concluído em 2014.

A França e o Brasil também possuem um acordo de cooperação na defesa, prevendo a construção de submarinos e helicópteros.

No Brasil, o presidente francês também deverá abordar com Dilma a cooperação científica, e o programa “Ciências Sem Fronteiras”, para favorecer a aprendizagem do francês. A França deverá receber cerca de 10 mil bolsistas até 2015. Depois de passar por Brasília e São Paulo, Hollande visitará a Guaiana e o centro espacial de Kourou.

Nota DefesaNet - Para mais detalhes sobre o caça Rafale e as impressões de voo realizadas por Vianney Jr acesse  a Cobertura Especial Rafale Link



Outras coberturas especiais


Guerra Hibrida Brasil

Guerra Hibrida Brasil

Última atualização 22 OUT, 20:50

MAIS LIDAS

Rafale