COBERTURA ESPECIAL - Panorama Haiti - Terrestre

14 de Outubro, 2013 - 10:00 ( Brasília )

Colete mapeia rendimento dos soldados que vão para o Haiti

Sensores permitem avaliar se militar foi atingido por tiro em treinamento. Ida para a missão de paz acontece na segunda quinzena de novembro.

O Exército Brasileiro está utilizando em  Campinas (SP) um colete de alta tecnologia no treinamento de soldados que serão enviados para a missão de paz no Haiti. O equipamento, que dispõe de sensores, permite mapear o rendimento do militar durante o exercício.

Na prática, uma arma, com um emissor de laser, é utilizada nos treinos. Se apontada para o soldado, o colete é capaz de identificar se o tiro acertou o alvo, a gravidade do ferimento entre outras funções.   O dispositivo tem um sinal sonoro que avisa se o militar em teste foi morto.

Haiti
Ao todo cerca de 1,3 mil militares vão para o Haiti a partir da segunda quinzena de novembro. Até esta data, todos os soldados e oficiais vão ser treinados em Campinas.

Gorro Azul
O comandante David explica que existe, no universo militar, um simbolismo em torno do gorro azul, que representa a associação do soldado a uma causa social internacional. O gorro, simbolizado pelo boné ou pelo capacete azul turquesa com o distintivo da ONU, é padronizado para os militares do mundo inteiro que servem a alguma missão das Nações Unidas.

“Colocar o gorro azul tem um significado especial para o soldado. É um compromisso que ele está criando ali. Ele está levando um pouco de Campinas, um pouco de São Paulo, um pouco do Brasil e apresentando tudo isso para a sociedade internacional. E, claro, dando sua contribuição para a paz mundial”, conta.

Treinamentos
O treinamento final do batalhão que parte em novembro será concentrado em Campinas, na sede do Exército, que receberá os militares de todas as cidades que fornecerão homens para a missão. A preparação intensiva será a partir de outubro e inclui, inclusive, aulas de créole, idioma mais falado no país caribenho.