07 de Setembro, 2014 - 11:37 ( Brasília )

Pensamento

Comentário Gelio Fregapani - Eleições, Ambientalismo e no mundo


Assuntos:  Eleições, Ambientalismo e no mundo

 
 
Eleições
     
Ainda antes da ascensão da Marina já se suspeitava de provável derrota do PT, sem dúvida merecida. Com seu esquerdismo infantil o PT afastava as elites pensantes e a oligarquia financeira internacional já decidira.Ela é muito forte, e dominando a imprensa, provocou um pessimismo exagerado com o qual nada funciona. A simples suspeita que a Dilma crie coragem e varra a corrupção assustou toda a classe política e que force a baixa dos juros assustou a oligarquia financeira. Ao não denunciar a portaria 169 da OIT afastou o apoio dos nacionalistas. Se não fosse o internacionalismo dos adversários teria merecido mesmo a derrota. Naturalmente, quando o navio vai afundar, os ratos se mandam. Os aliados desaparecem. Romero Jucá, mudou para o Aécio e já balança para a Marina. O Sarney anunciou a retirada da política, é claro que o Titanic está afundando. Ainda tem o que deve sair a respeito da Petrobrás e a justa indignação dos velhos combatentes de 64 precisaria ser engolida para evitar  a irresponsabilidade de uma administração da Marina.
     
Mesmo decepcionados com a Presidente, os nacionalistas desconfiavam do Aécio em função da proximidade com o FHC e das desnacionalizações dele. Se do Aécio apenas desconfiavam , quanto a Marina a convicção, ou melhor a certeza é que ela é muito pior  pois é a legitima representante da oligarquia internacional, que criará obstáculos a produção agrícola,que causará inflação e fome e que provocará uma nova revolução, a qual ninguém sabe como terminará. Talvez se venha a trocar um governo que não corresponde aos nossos desejos por um pior ainda.  Que Deus nos proteja.
    
Marina Silva é um engodo. A Rede sabe disso. Eduardo Campos também sabia. O que ela tem de valioso são os votos de quem, sem entender o que diz, prefere uma frase com pé e sem cabeça, frases sem uma coisa nem outra e fingem não ver que o rei ETA nu. Agora ela finge converter-se no que sempre combateu, certamente por orientação de seus marqueteiros. É falsa! Muito falsa.

     
A eventual consagração de Marina Silva como presidente da República significará o passo final para o caos, pois a possibilidade de governança ou governabilidade tende a desaparecer. Uma única medida anunciada por ela, a de carimbar 10% da verba orçamentária para a saúde, mostra o tamanho do despreparo da candidata. O Estado não tem que gerenciar apenas a saúde, mas também outras funções além da educação: a diplomacia,a defesa,a justiça, etc. Um presidente da República precisa governar para todos os brasileiros e não apenas para sua corriola política. Tem que ter ao menos um verniz de estadista, coisa que ela não tem. Nem sequer a aparência.
 
Sem Noção
     
Não há nome que não se possa honrar. A palavra “brasileiro” começou como uma ofensa, bem como o termo “gaúcho” e o mesmo o de “farropilha”, e devidamente honrados se transformaram em galardões, motivos de orgulho.
    
Chega a ser cômico; um cidadão chamado Aranha se ofender se alguém o chama de macaco. Chamar gordas de antas  e homens altos de girafa são coisas comuns e podem ofender, mas não causam comoção popular. Nem mesmo quando alguém recebe um apelido “hibrido”, como entre meus irmãos de armas um ganhou o apelido de Giracaco (girafa com macaco), outro de Madogue (macaco com bulgoue) outro ainda de Jaburutango (jaburu com orangotango), nenhum deles afro descendente. Aliás, mais estranha a comoção popular se o caso ocorreu num jogo de futebol onde costumam chamar o juiz de veado e já se mandou uma senhora tomar no em certo lugar e a coitada da mãe do juiz..?
    
Francamente, estamos dando muita atenção a essas suscetibilidades, como diria o “analista de Bagé. 
    
Agora um assunto sério: O Supremo Tribunal  Federal, que já perdeu a confiança da população por suas atitudes partidárias, agora pretende aumentar o salário de seus ministros, que já recebem os maiores salários do País, o que, se aprovado provocará um efeito cascata.
 
Uma boa notícia
   
Foguete brasileiro com etanol foi lançado com sucesso em Alcântara. O bom desempenho do motor possibilitará a retomada de lançamento dos
nosso programa espacial
 
O Movimento Ambientalista
    
Ao contrário do que se publica, o surgimento dos movimentos ambientalista e indigenista no cenário mundial não decorreu de um processo espontâneo de conscientização de setores das sociedades do planeta sobre as necessidades de cuidados com o meio ambiente e de atenção com as comunidades indígenas. Ambos foram artificialmente criados por círculos oligárquicos anglo-americanos, desde as décadas de 1950-1960, com o propósito de empregá-los como instrumentos contra o impulso de progresso que se espalhava pelos países em desenvolvimento. O Brasil entrou na alça de mira desse aparato a partir de 1980, tendo como alvos os projetos de desenvolvimento na Amazônia. Uma manobra psicológica foi a conversão do invasor Chico Mendes no campeão internacional da defesa da Floresta Amazônica. Após a morte dele transferiram para Marina o bastão de campeã da defesa da Floresta Amazônica, dos índios e dos peixes. A partir daí, como já havia ocorrido com Mendes, ela foi agraciada com vários prêmios internacionais.
    
Em 2002, com a eleição de  Lula  para a Presidência da República, o ISA(Instituto Socio-Ambiental) articulou uma carta aberta de centenas de ONGs, sugerindo a indicação de Marina Silva para o Ministério do Meio Ambiente.
    
O resto da história é conhecida, mas o ministro Aldo Rebelo não exagerava, quando se referiu às simpatias da aristocracia internacional com Marina.
 
Lembremos:
    
A oligarquia financeira angloamericana,  continua implantando seu objetivo de governo mundial. Essa oligarquia até hoje tem obtido o que quer no nosso País, pressionando o governo,através do controle local da economia privada e financeira, da imprensa comprometida , corrupção  da grossa e se não consegue o que quer dá um jeito de trocar o governo seja por eleições, seja por outros meios como estímulo e apoio a golpes de estado. Na América Central e em outras partes do mundo chegaram a  intervenções militares diretas
    
Afinal, tendo conseguido tudo, o que quer mais?  Quer garantia do abastecimento das matérias primas, quer evitar o nosso desenvolvimento para evitar a concorrência e para isto procura obter a propriedade dos recursos naturais. Quando não quer utilizar imediatamente, mas evitar que outros usem ou simplesmente guardar para o futuro inventam parques nacionais, reservas ambientais, terras indígenas e o que for para mantê-las intocadas, assim como fizeram anteriormente na África. Marina significa apoio  à consolidação das áreas ditas de preservação ambiental e de indígenas, em que os índios, em gigantescas reservas,  controlados pelo CMI, igreja anglicana e centenas de ONGs.
     
Podemos estar certos que, com a eleição de Marina, choverão recursos estrangeiros sob o pretexto de preservar a floresta, mas na verdade implicando no impedir aos nossos patrícios a utilização do próprio território, inclusive com a perspectiva próxima de desmembramento do território nacional, separando essas áreas, as mais ricas em recursos naturais. Marina vai fomentar a injeção de dinheiro gringo numa única área do Brasil: a das ONGs que lutam contra o capital para preservar a Amazônia.
 
Saudemos o Sete de Setembro
     
Mas também façamos uma reflexão – Foi uma reação necessária, mas independentes já éramos desde 1808. Aliás, éramos a capital do Reino Unido do Brasil, Portugal e Algarves. Sim, em 1821 houve um cisma, provocado pela cegueira das Cortes de Lisboa, que sonhática, pensou poder reduzir o gigante Brasil a ser colônia de volta.
    
Hoje todo geopolítico que se preza preocupa-se com a manutenção da unidade nacional e como sempre, o motivo principal das preocupações é a cegueira do governo central. É aterrorizante o projetar o que acontecerá num governo Marina, mandando desfazer as plantações de maçã nas encostas de Santa Catarina e de café nas encostas do Espírito Santo; desmanchando as plantações de soja do Centro-Oeste para recompor a mata nativa, dando ainda mais asas às ONGs estrangeiras –WWF, Greenpeace etc, que sempre mandaram nela e passarão a mandar no Brasil. Isto seria ainda pior do que um governo do PT, coisa que parecia impossível.
      
É claro que haverão revoltas, mas  a maior preocupação ainda não foi devidamente ventilada: É o Exército se dividir. Enquanto o Exército estiver unido, o Brasil também estará, porém a última manifestação do Clube Militar de apoio à Marina acendeu a luz vermelha.

É bom que se saiba que o Clube Militar perdeu a posição de representante do Exército. Não será possível a conciliação.  
 
No Mundo - As dúvidas do Dólar
     
Desde a eclosão da crise da Ucrânia volta-se a falar sobre o fim do dólar. Até 2014 falar de colapso do dólar parecia ser para teóricos da conspiração, mas este ano, Estados-nações de parte do mundo estão fazendo movimentos ostensivos com este objetivo, ou ao menos se preparando para isto. Espalham que a queda do dólar não seria mais uma questão de "se ", mas de "quando" e que esse quando pode não estar longe. A Rússia, juntamente com vários aliados ensaia um movimento fatal com a certeza que muitas nações, prejudicadas pelo atual sistema, a seguiriam alegremente.
    
Pode ser que estejamos à beira de uma mudança de paradigma no sistema monetário mundial, mas e o shale gás? Há tempo não temos notícias fidedignas.
    
Caso o gás do xisto corresponda a propaganda inicial, os EUA se tornarão os maiores produtores do mundo e sua hegemonia ultrapassará o século XXI. Os americanos continuam a imprimir dinheiro e os investidores continuam a investir. Empresários nos EUA estão fazendo planos  para gastar o capital como se estivessem em uma recuperação Entretanto, a ausência de informações nos faz levantar a dúvida se eles têm dificuldade em conceituar a verdade sobre a economia ou porque eles estão atolados em dívidas sem saber como modificar o quadro.
 
Que Deus nos guie, para o bem do nosso País

Gelio Fregapani