30 de Julho, 2014 - 22:53 ( Brasília )

Pensamento

Comentário Gelio Fregapani - sabotagem, indianismo, meio ambiente, revanchismo etc


Assuntos 

       No Pais: sabotagem, indianismo, meio ambiente, revanchismo etc.
      No Mundo: quem mente, arrogância e perigo muçulmano
 
Sabotagem na Economia - Grandes empresas estão deixando o país. Lojas, montadoras e multinacionais já fecharam as portas no Brasil. Investidores americanos já retiraram bilhões de dólares do Brasil e outros da Europa tambem fazem o mesmo.Um dos piores cenários está se concretizando: O “Estabelecimento” ou seja a oligarquia financeira internacional desencadeia as medidas eficazes para quebrar a economia do nosso País. As multis aceleram envio de dólares para matrizes. Nos últimos oito anos chegou a US$ 171,3 bilhões, expressivo peso nas contas externas do país que, ao elevar o déficit da balança de transações correntes, faz aumentar a dependência do país de capitais estrangeiros, produtivos ou especulativos, necessários para fechar as contas externas.

As remessas de lucros e dividendos chegaram a responder por 95% do déficit e permanecem em níveis consideráveis, mas agora somam-se a um novo fator:.Estrangeiros e brasileiros ricos tiram seus capitais do País.A fuga de capitais pode ser explicada em parte pela falta de segurança jurídica proporcionada pelo avanço do socialismo, mas parece ser também orquestrada intencionalmente pelo “Estabelecimento” financeiro. Bancos orientam clientes a não reeleger Dilma para não perderem dinheiro. O Santander enviou neste mês  (julho)  aos seus clientes de alta renda um texto afirmando que o eventual sucesso eleitoral da Dilma irá piorar a economia do Brasil, o que deve ser verdade em função das sabotagens à economia que procurarão fazer. Sob este aspecto um governo da atual oposição será vantajoso se não desnacionalizar a economia no modelo FHC.

O Santander é o maior banco estrangeiro em atuação no Brasil. Nominalmente espanhol, é majoritariamente britânico. Em 2000, comprou o Banespa, o antigo banco estatal que pertenceu ao governo paulista, pelo que foi publicado, por um dólar apenas.
 
Indianismo, o perigo maior - O inimigo divide para vencer. Por obra das ONGs e sua aliada Funai não somos mais a decantada fusão das raças branca, negra e indígena. Hoje temos toda uma quinta-coluna promovendo nossa divisão em grupos: índios e quilombolas com direito a extensos territórios próprios, à custa da expulsão dos proprietários legais e produtivos.Pior, juridicamente já pode haver a secessão de territórios indígenas, pois passou o prazo.

A Convenção 169 da OIT, o primeiro passo para a independência das “nações” indígenas, em seus termos, poderia ser denunciada até 24 de julho de 2014, ou somente depois de mais dez anos. Dilma não ousou enfrentar a pressão das ONGs e deixou passar o prazo. Agora, se quisermos recuperar (juridicamente) a nossa unidade territorial teremos que quebrar o nosso compromisso. Isso exigiria mais coragem do que pode existir nos candidatos. Dilma, que não teve coragem nem quando era fácil, perdeu com isto o único apoio leal que ainda tinha – o dos nacionalistas. Agora só lhe resta o dos aproveitadores e dos corruptos que temem a mudança e a punição. Não pensem, por isto, que os demais sejam obrigatoriamente melhores.
 
Petróleo e Meio Ambiente - Com o pré-sal, o Brasil, que hoje produz 2 milhões de barris diários, deverá duplicar sua produção até 2020 mas, o Greenpeace sugere que o Brasil deixe de lado essa riqueza e passe a explorar apenas vento e sol. Isto só vale para o nosso País. Na Holanda, fazem-se aterros a todo momento, há inúmeras refinarias e o porto de Rotterdam acaba de realizar uma enorme expansão, com claro impacto no ambiente.

O IBAMA quer suspender até as pesquisas do Pré-sal, sob a alegação de que um eventual acidente poderia causar graves impactos nas praias (a centenas de Km) o que  ainda não foi devidamente estudado.
 
Portos e Meio Ambiente – O IBAMA / MMA bloqueou a construção de um superporto no sul do Espírito Santo, pela ameaça dos danos que isto poderia causar a fauna marinha. Claro, ameaças ao desenvolvimento não conta para esses traidores.
 
 Revanchismo- Há no PT quem queira mudar o nome da ESPECEX (escola de cadetes) para o nome de alguém que teria morrido lá. É não ter noção. Não basta a placa na AMAN? Um dia a arrancaremos  de lá.

O “ex-delegado” Claudio Guerra, que está nos holofotes como testemunha chave da Comissão Nacional da Verdade, foi demitido da Polícia Civil do Espírito Santo por chefiar um grupo de matadores profissionais ligados ao crime organizado.  Inventa ter ocultado cadáveres para o SNI, mas nunca trabalhou lá   Atualmente cumpre pena de 45 anos de prisão por assassinato da sogra e da ex mulher".

 Apenas um indivíduo assim tem perfil para colaborar com a Comissão Nacional da Verdade! 
 
Estamos mal - O STF está comprometido com um partido. O Congresso além de inútil é o grande sorvedor de recursos e nada de bom podemos mais esperar , nem do atual nem do futuro governo. Uma coisa é certa, há mais de uma conspiração por trás dos bastidores da política O Brasil está numa rota sangrenta e ruma para um grande confronto civil. De um lado a esquerda golpista e suas organizações criminosas, PT, PMDB, PSDB, PSB, PCdoB, PPS, PSOL, PSTU, PDT, PP, PR e etc. do outro a oligarquia financeira mundial  que decidiu quebrar o Brasil caso não consigam derrubar a Dilma e tudo fazem para aliciar os militares para que impeçam a posse dela de ser reeleita.
 
No Mundo,

Quem mente? ­- Os EUA acusam frontalmente a Rússia de participar no abate ao avião civil , cedendo seus mísseis aos separatistas pró Rússia e esta insinua que foram os ucranianos os culpados, talvez tendo confundido com uma aeronave que podia estar o próprio Putin. Qual a verdade? Não sabemos.
Apesar da falta de informações não supomos que a Rússia seja um modelo de lisura, mas os EUA são mentirosos contumazes; mentiram quanto a explosão do Maine para declarar guerra à Espanha, distorceram os fatos sobre Pearl Harbor, mentiram sobre o avião que disseram ter batido no Pentágono, na existência de armas atômicas no Iraque e no ataque químico que atribuíram ao governo sírio. Lembram a estória do menino que por brincadeira gritou muitas vezes por socorro,pois tanto mentiu que quando precisou mesmo ninguém acreditou.
 
A Arrogância - Consideramos uma hipocrisia condenar Israel na atual disputa, afinal todas as nações conquistaram seu território ou independência com lutas e esbulhos. Poderíamos perguntar: No mundo inteiro, condenar só a Israel? Entretanto, numa disputa é natural a simpatia pelo lado mais fraco, ainda que fosse melhor que não nos metessemos, como nação, em casos de simpatias ou antipatias pessoais. Ao tomarmos partido num problema que não é nosso nos arriscamos que se reflita nas relações entre brasileiros, prejudicando a coesão nacional, já sob ameaça nestas eleições.

Bem, nos metemos onde não devíamos, mas pedimos apenas moderação na justa reação e em lugar de uma resposta diplomática recebemos uma ofensa:”País anão diplomaticamente, irrelevante.”
    
Com essa arrogância Israel perde a parte da simpatia que tinha, quer pela bravura de seu povo quer pela contribuição científica para a humanidade. Agora pisou nos nossos calos e merece um troco. Que trate de se desculpar o quanto antes ou que agüente as consequencias. Ninguém menosprezará impunemente o nosso País.
 
Perigo muçulmano -   Nós cristãos teríamos mais razões para nos indignarmos com a verdadeira atrocidade no Iraque onde muçulmanos cruxificam a  população cristã,  com  a perseguição em massa e com o genocídio desta em países islâmicos da África. Esses dados talvez não justifiquem a intromissão naqueles países, mas justifica a não aceitação dos muçulmanos ganeses, que permaneceram aqui após a copa. Mais cedo o mais tarde tentarão impor a sua lei, a “sharia”.
 
Que Deus nos ajude a manter o nosso Brasil inteiro
 
Gelio Fregapani