30 de Março, 2014 - 23:07 ( Brasília )

Pensamento

Comentário Gelio Fregapani - Nova Guerra Fria, Ministros, Mudanças no Planalto


Assuntos: Nova Guerra Fria, Ministros, Mudanças no Planalto

 
 
O nosso Brasil e a nova Guerra Fria

Nós sabemos, no tempo da União Soviética éramos inimigos, não somente pela oposição entre ela e a nossa civilização ocidental cristã como pela contínua interferência que aquele país e seu comunismo militante fazia no nosso. Ao mesmo tempo os EUA, o nosso líder, até certo ponto era um bom amigo. Precisávamos dele para nos proteger do terrível urso comunista e eles de nós, pelo nosso potencial, que seria utilizado plenamente só em caso de III Guerra.

 Agora a situação evoluiu. A Rússia, mais anticomunista do que o nosso atual governo, apresenta-se agora como defensora dos ainda nossos valores cristãos. Certamente ainda não podemos chamá-la de país amigo ou mesmo de aliado, mas somos parceiros no BRIC,  enquanto isto, os EUA, de amigos na Independência e aliados até o fim da Guerra Fria, perdem a nossa estima na medida em que abandonam seus valores éticos, democráticos e cristãos que nos enchiam de admiração, vão se tornando adversários na medida em que bloqueiam o nosso desenvolvimento, principalmente o nuclear e pior ameaçam sorrateiramente a nossa integridade com suas malditas ONGs.
 Como o mundo muda.
 
Perigo real e imediato. - Conferência Mundial Dos Povos Indígenas
  
A ONU declara estar ansiosa pela chegada da Conferência, na qual a pauta principal será o desfecho fatal contra o nosso Brasil.
  
As ONGs internacionais já providenciaram contratos para tirar proveito dos recursos naturais quando a independência for  proclamada, que poderá ser feita já a partir de agosto de 2014, no caso de o governo NÃO RENUNCIAR AO TRATADO FIRMADO NA ONU, tratado este que se for homologado nos tirará a condição jurídica de reagir.
 
Sem noção

- Marido da ministra Ideli Salvatti, o subtenente músico Jeferson da Silva Figueiredofoi escalado pelo ministro Celso Amorim para avaliar o sistema de defesa antiaérea que o Brasil pretende comprar da Rússia ou seria somente para acompanhar a esposa?

Como diria o 007: Para Rússia, com amor

- Hidrelétricas a fio d'água obrigam ao caro uso das poluentes termelétricas, tudo para evitar a inundação de um tiquinho de florestas. Dá para acreditar que os ecologistas querem proteger o ambiente? Será que são burros mesmo? Provavelmente não. Apenas atendem as ordens das ONGs
 
Ministros inconvenientes
   
Vários saíram para se candidatar, nenhum por corrupção como alguns mereciam.

Saiu a Maria do Rosário, a capeta com nome de santa que quase conduz o nosso Exército a chutar o balde. Quem sabe a nova ministra,  não seja tão ruim. 
   
Quando sairá o Ministro da Defesa, que assinou a Convenção dos Direitos dos Povos Indígenas, que lhes autoriza o separatismo?
  
O que ele iria defender o país ou a sua própria assinatura? Quem sabe !
 
A Petrobrás sob ataque.
   
Claro que a compra de Passadena foi um péssimo negócio e que certamente entraram propinas e corrupção. O episódio está sendo bem aproveitado, lembrando – mantidas as proporções, o Fiat Elba do Collor. O dano eleitoral está feito e foi merecido. Bom que se apure e puna, mas na verdade, os entreguistas visam mesmo é transformá-la na PetrobraX,  para desnacionalizá-la como fizeram com a Vale, com as empresas de telefonia, com o ramo da eletricidade e tantas outras. A Petrobrás tem sido bombardeada por todos os lados. Um deseja quebrá-la para entregar ao estrangeiro. Outro deseja roubar e usá-la para conter a inflação, mesmo que isto a quebre. Vamos saneá-la, punir os corruptos e não votar nos suspeitos, mas mantê-la brasileira.
 
Perspectivas de mudança no Planalto
   
A campanha eleitoral nem começou oficialmente, mas a alta esfera do mercado financeiro já tem seu cenário ideal: na visão de banqueiros internacionais, o melhor dos mundos seria que a presidente Dilma não se eleja para um segundo mandato. O capital financeiro internacional conseguiu 30% do orçamento federal, mas não querem mais a permanência de Dilma na presidência. Ela já cedeu muito na intenção de captá-lo eleitoralmente, mas não adiantará, pois há também a intenção geopolítica de travar os projetos de desenvolvimento.
   
Embora, a propaganda chapa-branca venda o "fato consumado" de que Dilma se reelege no primeiro turno, a conjuntura política e econômica declinante e a relação de força indicam o contrário. Além da Oligarquia Financeira Transnacional já ter decidido que o ciclo de poder presidencial do PT no Brasil precisa ser encerrado em 2014,    Dilma vai ser alvo de ataques diretos ao seu modelo nada eficiente de gestão  e virão a tona a corrupção desenfreada de seus partidários e aliados. Já desertaram das fileiras dela os setores esquerdistas mais radicais que foram para o PSOL e similares. Ela deixou que a ex-ministra dos Direitos Humanos antagonizasse os militares e até a esquerdista CNBB já recomenda a troca de governo.Outro fator que tende a ser decisivo para a derrota do PT ano que vem é a oposição econômica que lhe será promovida pelos bancos internacionaisO bancos nacionais como Itaú e Bradesco também devem apostar na oposição. Postura idêntica a da Rede Globo que já começou a pancadaria. O revés seguinte para a candidatura Dilma será o rompimento do pacto PT/ PMDB.
  
O apoio popular que a Dilma conquistara em seus ensaios de faxina se desfez na medida em que se rendeu aos aliados corruptos em busca de “governabilidade”, certamente a conselho do próprio Lula e quanto aos nacionalistas, para quem ela fora uma esperança, se desencantaram face as últimas atitudes de rendição para acalmar a fome internacional e eles (os nacionalistas) se tornarão inimigos no caso de o governo não denunciar ao tratado firmado na ONU sobre os Direitos dos Povos Indígenas (a independência) até agosto.
   
Dilma está quase só. Mantém consigo os corruptos que se aproveitam da situação, mas esses não são confiáveis. Abandonarão o barco assim que vislumbrarem a vitória do outro lado. Certo, poderá contar com os agradecidos pelas diversas bolsas, mas estes também não são cegos e a corrupção estará a vista de todos.
   
Poderia ela ainda recuperar o antigo prestígio? – É difícil, teria que agir violentamente contra os corruptos, que são grande parte dos que ainda a estão apoiando. Teria que reduzir fortemente as reservas indígenas e acabar com a ditadura dos ecoxiitas do Ministério do Meio Ambiente. Teria que conquistar a lealdade das Forças Armadas, amarguradas pelo revanchismo de seus principais aliados e usá-las para acabar com a corrupção. Teria que baixar violentamente os juros apesar da oposição do setor financeiro e usar esses recursos em obras de infraestrutura. Teria que desvalorizar o Real para proteger a industria da nacional da concorrência estrangeira, mesmo pagando o preço da inflação. Teria que promover a união nacional acabando com as divisões em raças. Teria que incentivar a solidez das famílias e parar com o gayzismo oficial
  
Na verdade a melhor oportunidade já passou. Talvez nem dê mais tempo.  Como já disse Jorge Serrão: The game is over.
 
Preparemo-nos para a mudança, para um governo quem sabe ainda pior e mais entreguista
 
Que Deus nos dê resistência para suportar o que está por vir
 
Gelio Fregapani