28 de Setembro, 2014 - 19:03 ( Brasília )

Geopolítica

Itamaraty - Diplomatas criticam 'anomalia'

Em carta, iniciantes no Ministério das Relações Exteriores reclamam de dificuldades de progressão na carreira Aumento de vagas no governo Lula, aliado a cortes no orçamento da pasta, criou gargalo de vagas na instituição

NATUZA NERY, RODRIGO VIZEU, FLÁVIA MARREIRO
e PATRÍCIA CAMPOS MELLO
de Brasília de São Paulo



Promoções represadas, cortes orçamentários e a pouca dileção da presidente da República pela pauta externa azedaram o clima no Ministério das Relações Exteriores, levando a uma insurgência de diplomatas iniciantes, que reclamam do congelamento de suas carreiras.
 

O mais novo capítulo da relação conturbada do serviço exterior com o governo Dilma Rousseff é uma carta assinada por 342 terceiros-secretários - o estágio inicial da carreira - e entregue no gabinete do chanceler Luiz Alberto Figueiredo em agosto.
 

Os membros do "chão de fábrica" da diplomacia, ingressos na carreira entre 2009 e 2014, calculam que só subirão de nível em até 15 anos. A média histórica de promoção é de menos de sete anos, dizem. A carta critica "distorções" e "significativa anomalia do fluxo da carreira".
 

A razão central do problema é o gargalo criado pela explosão no número de novos diplomatas entre 2006 e 2010, quando o governo Lula aumentou o número de vagas anuais para mais de cem em uma estratégia de ampliação da presença brasileira no exterior --antes disso, eram cerca de 20 por ano, número que voltou a valer atualmente.
 

A avaliação é a de que faltou uma reforma posterior à ampliação do quadro e o Itamaraty não planejou a absorção dos novos concursados, situação piorada pelos cortes orçamentários desde 2011.
 

Os "insurgentes" reivindicam a aplicação de uma lei já aprovada no Congresso que aumenta o número de cargos em níveis superiores. Se a lei não for regulamentada, mais de 300 diplomatas correm o risco de não ter progressão funcional, sacrificando as pretensões profissionais de cerca de um quarto do Itamaraty.
 

"A manutenção das circunstâncias atuais poderá representar prejuízo não apenas para os integrantes da classe terceiro-secretário, mas também ao ministério como instituição, já que seria privado das contribuições de toda uma geração de profissionais que jamais encontrarão possibilidade de assumir posições de responsabilidade e comando", diz a carta.
 

Os novatos têm feito reuniões fora do ministério para decidir como agir. O ato não é trivial. Por ser carreira de Estado, a disciplina sempre foi um traço do diplomata.
 

O alvo do grupo é Dilma Rousseff, tida como responsável pelo "sucateamento" do Itamaraty. Segundo um diplomata, "o governo Dilma desconstruiu tudo o que a gestão Lula [Celso] Amorim [ex-chanceler] fez pelo Itamaraty e pela política externa".
 

Segundo autores da carta, até agora Figueiredo não respondeu oficialmente à reivindicação. De acordo com diplomatas, ele tem dito que problemas fazem parte da carreira e que os servidores devem "lidar com frustrações no plano pessoal".

Uma fonte do Itamaraty afirmou que a "turma dos 400" não tem o "esprit de corps" (lealdade dentro de um grupo) necessário à carreira. "As pessoas precisam vestir a camisa, ser leais, não é como trabalhar em qualquer empresa", disse.