Relatório Otálvora: Venezuela, uma das ameaças aos EUA, segundo o Trumpismo

Foto O então presidente doe Irã, Ebrahim Raisi, recibido no Palácio de Miraflore, em 12JUN2023. 

China, Irã, Venezuela, Rússia e Coreia do Norte compõem a lista de países que representam “ameaças existenciais à segurança do povo americano”

EDGAR C. OTÁLVORA
Diario las Americas
6 julho 2024

@ecotalvora

“Num mundo em chamas”, a Venezuela surge como um dos cinco países aos quais um novo governo de Donald Trump deve prestar especial atenção, segundo o “Projeto 2025” elaborado pela Heritage Foundation associada ao Partido Republicano.

China, Irã, Venezuela, Rússia e Coreia do Norte compõem a lista de países que representam “ameaças existenciais à segurança do povo americano”, “ameaçam prejudicar a economia dos EUA” ou são “curingas, cuja extensão total da ameaça é desconhecido”, mas é perturbador.

Embora Donald Trump tenha se distanciado publicamente do conteúdo do documento em 05JUL2024, republicanos do entorno do candidato participaram de sua elaboração. Não é um documento oficial da campanha ou do partido, mas foi elaborado por um grupo que aspira ter grande influência num eventual novo governo Trump.

**************

Anteriormente, o comando da campanha de Trump tinha solicitado ao próprio comité de plataforma oficial do Partido Republicano, conforme noticiou o The New York Times em 29JUN2024, que a plataforma eleitoral do partido fosse um documento curto e simplificado “alinhado com a visão popular e com os princípios do Presidente Trump”. para o futuro dos Estados Unidos.” Trump não quer documentos programáticos que limitem o seu discurso, mas o chamado “Projeto 2025” cujos autores asseguram que procura “institucionalizar o Trumpismo” começa a ser visto como uma medida única plano de governo adequado para todos as facções que acompanham Trump.

*****

O “Projeto 2025” chama o regime chavista de “governo comunista” que desde 1999 “reprimiu violentamente cidadãos e organizações pró-democracia, destruiu a sua economia outrora rica em petróleo, fortaleceu cartéis criminosos nacionais e ajudou a alimentar uma crise hemisférica de refugiados. Além disso, o “governo comunista” da Venezuela tornou-se mais próximo dos inimigos dos EUA, como a China e o Irã.

De acordo com o documento pró-Trump, “a América Central e do Sul estão a mover-se rapidamente para a esfera de atores estatais externos e antiamericanos, incluindo a China, o Irã e a Rússia. Países específicos como a Venezuela, a Colômbia, a Guiana e o Equador são cada vez mais ameaças à segurança regional por direito próprio ou porque são vulneráveis ​​a potências extracontinentais hostis.”

*****

Sem missões de observação técnica eleitoral, será realizada a votação convocada pelo chavismo para 28JUL2024 na Venezuela.

Após a revogação do convite à União Europeia, o regime venezuelano permitirá a presença de uma missão do Centro Carter e de uma delegação do Secretário-Geral da ONU, ambas com sérias limitações no seu desempenho e capacidade de expressar observações no terreno. A “missão” do Carter Center, conforme acordado com o órgão eleitoral, “não realizará uma avaliação abrangente dos processos de votação, contagem e apuramento”, e os seus enviados limitar-se-ão a “avaliações no quadro jurídico nacional, bem como como nas obrigações e padrões regionais e internacionais de direitos humanos para eleições democráticas.” O Painel de Peritos da ONU, composto por apenas quatro funcionários, não emitirá qualquer avaliação do processo eleitoral e só apresentará relatórios privados após o facto ao Secretário da ONU.

Como de costume, um chamado “Conselho de Peritos Eleitorais da América Latina” estará presente na Venezuela, liderado pelo equatoriano Nicanor Moscoso, habitual propagandista dos benefícios do sistema de votação eletrônica instalado pelo chavismo.

*****

Provavelmente a descrição e narração mais completa das negociações entre o governo Biden e a ditadura chavista foram fornecidas pelo jornalista Adán Ciralsky em uma longa reportagem publicada em 29MAIO2024 na Vanity Fair. Roger Cartens, o funcionário nomeado por Donald Trump e ratificado por Joe Biden para atuar como enviado presidencial para assuntos de reféns, abriu as portas para Ciralsky “observar as negociações em primeira mão”, especialmente com o regime chavista, a partir de meados de 2022. , um quarto dos reféns americanos no estrangeiro, cuja libertação Cartens procurava, permaneceram em prisões venezuelanas.

As operações de troca de prisioneiros americanos em troca de prisioneiros solicitadas por Nicolás Maduro (dois sobrinhos de Cilia Flores processados nos EUA por tráfico de drogas em 2022 e Alex Saab, operador financeiro de Maduro libertado da prisão em 2023) foram supervisionadas pessoalmente pelo secretário de Estado Antony Blinken e o Conselheiro de Segurança Nacional Jake Sullivan, enquanto eram executados no terreno por Cartens. Blinken e Cartens “tiveram que persuadir” o Presidente Biden a “acalmar as preocupações” que a libertação dos “sobrinhos narcotraficantes” causou no Departamento de Justiça.

Nas operações de troca de prisioneiros, os EUA mobilizaram um avião com uma unidade aérea de cuidados intensivos, na expectativa de que “as coisas pudessem correr mal”. Várias reuniões entre negociadores norte-americanos e representantes de Maduro, bem como operações de câmbio, ocorreram na ilha de Canouan, “a verde terra de onde “os bilionários vão para escapar dos milionários” e onde altos funcionários venezuelanos podem visitar sem medo de serem presos.” Canouan faz parte de São Vicente e Granadinas, o país governado pelo “camarada” Ralph Gonsalves, aliado de Maduro e operador pró-cubano nas Caraíbas. O importante líder e negociador chavista Jorge Rodríguez participou pessoalmente nas trocas de prisioneiros.

Ciralsky narra detalhes de um encontro entre Cartens e Rodríguez, em meados de 2022, em Canouan, onde “após pousarmos em uma pista isolada, fomos recebidos por uma equipe de segurança venezuelana e levados em uma van branca para uma grande vila com vistas incríveis do azul coral do Caribe.” A reunião foi organizada através de um “empresário” cuja identidade Ciralsky não revela e o descreve como um “empresário elegante com laços comerciais em Caracas e nos EUA” em quem “a oposição venezuelana, o regime, os EUA e os catarianos confiam”. Esse “empresário” esteve presente em reuniões de negociação, em operações de troca de prisioneiros. Na reunião em , Canouan Rodríguez propôs a libertação de todos os restantes americanos presos na Venezuela em troca de Alex Saab. Cartens ofereceu-se para permitir uma visita a Saab que já se encontrava numa prisão de Miami e Rodríguez ofereceu-se para organizar um encontro entre Cartens e Maduro em Caracas.

Segundo o jornalista Ciralsky, Jorge Rodríguez negociava paralelamente com Cartens a libertação de prisioneiros enquanto se reunia secretamente no Catar com Juan González, que na época atuava como conselheiro presidencial e responsável pelo Hemisfério Ocidental no Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca. González, sob a direção do seu chefe Jake Sullivan e Jon Finer, “tentava reorientar a política dos EUA em relação à Venezuela, afastando-a da campanha de “pressão máxima” de Trump”. González garantiu que as suas conversas diretas com o regime de Maduro tiveram “a bênção do principal negociador da oposição, Gerardo Blyde”. Em meados de 2023, González foi designado “como o único ponto de contacto do regime de Maduro”, depois de Maduro ter suspendido uma reunião com Cartens que tinha viajado para Caracas. Durante o verão e o outono de 2023, González reuniu-se com Jorge Rodríguez “em lugares inesperados, alternando entre Doha e Milão”.

Sobre o chamado “Acordo de Barbados”, Ciralsky comenta que em “18OUT2023 Blinken anunciou a chegada do acordo que estabeleceu um roteiro para a Venezuela realizar eleições credíveis e competitivas em 2024. Embora o acordo tenha sido assinado pelo governo Maduro e pela oposição , os EUA agiram como parteira, proporcionando alívio das sanções.” Ciralsky comenta que os negociadores dos EUA alegaram que, ao aliviar as sanções petrolíferas ao regime chavista, “esperava-se que os americanos pudessem beneficiar de melhores preços na bomba”.

*****

Adán Ciralsky narra uma conversa com Juan González, particularmente explícita sobre a avaliação precária e ingénua do seu homólogo na qual se baseou o negociador americano. Segundo González, “as primeiras sessões [com Jorge Rodríguez] foram repletas do ritual de “expor queixas”. Apesar de sua formação como psiquiatra, Rodríguez evidentemente não iria conter seu desprezo pelos Estados Unidos”. Segundo González, o interessante de Jorge é que o seu pai foi torturado e assassinado por um governo anterior (…) “então, na minha opinião, ele tem um ódio profundamente enraizado pelos EUA como um governo afiliado ao imperialismo”. Segundo o antigo negociador dos EUA antes da ditadura chavista, “estes rapazes [Jorge Rodríguez] sentem que estão nesta missão de trazer uma Venezuela melhor” e “que somos nós que impedimos a sua capacidade de criar estea utopia socialista comunista”.

No dia 15MAR2024 Juan González  encerrou suas funções na Casa Branca, sendo substituído por Daniel Erikson que acabara de trabalhar no Departamento de Defesa. Desde então, Erikson está encarregado das negociações com o regime chavista, incluindo a recente reunião telefônica de 03JUL2024.

*****

  • Um prazer conhecê-lo pessoalmente
  • Da mesma forma, igualmente…
  • Como é ser reeleito? (risada)
  • (risos) É necessário, é necessário
  • Obviamente. Quando se empreendem reformas…
  • …não há tempo suficiente. Reformas profundas requerem tempo para serem iniciadas, quando os frutos começam a ser vistos o mandato termina, então…
  • Exatamente…
  • Você precisa de mais tempo para administrar as frutas…

A conversa entre Javier Milei e Nayib Bukele em 01JUN24, quando o presidente argentino visitou El Salvador para a posse do presidente salvadorenho reeleito inconstitucionalmente.

Compartilhar:

Leia também

Inscreva-se na nossa newsletter