COBERTURA ESPECIAL - Notas Estratégicas BR - Defesa

03 de Abril, 2022 - 23:00 ( Brasília )

BIDS - Roteiro para destruir uma Base Industrial de Defesa e Segurança


Nota DefesaNet

Esta matéria é resposta ao artigo do Estadão:

BIDS - Ministério da Economia quer fechar porta de estatais, mas Defesa resiste

O Editor


 

Nelson Düring
Editor-Chefe DefesaNet

Notícia plantada pela equipe do Ministro Guedes em sua sana de destruição da Base Industrial Estratégica Nacional de Defesa e Segurança no Estadão (Ministério da Economia quer fechar porta de estatais, mas Defesa resiste), publicado no portal Estadão,  dia 30 Março. Na pauta a crítica ao ministério da defesa por tentar manter duas empresas: Nuclebrás Equipamentos Pesados (NUCLEP) e a Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias (ABGF).

O objetivo real é uma ação preventiva contra o movimento do Sindicato dos Metalúrgicos de São José do Campos, que esta semana (04-08 ABR), estará na  Capital Federal  para pleitear alguma ajuda para a cambaleante AVIBRAS,  de Jacaraeí/SP. Na pauta também uma inatingível “estatização“  da empresa.

A Tecnocracia Oficial  vinculada aos mais “liberais” setores do sistema financeiro nacional em associação com a estrutura burocrática-financeira internacional trabalha ativamente contra toda a Base Industrial de Defesa e Segurança (BIDS), sem falar nos seus componentes estratégicos.

Ao presidente Jair Bolsonaro cabe fazer papel de estar refém a um insano “programa econômico liberal” contra programas desenvolvimentistas, ao longo destes 3 anos e meio, de tomar qualquer decisão efetiva em prol da base estratégica de defesa.

A Marinha luta com todas as forças para levar avante, tanto o "Programa de Desenvolvimento de Submarinos" (PROSUB) e mais ainda o Programa do “Submarino Convencional com Propulsão Nuclear”.

Para isto deslocou um dos seus melhores técnicos, o almirante Celso Mizutani Koga, para convencer a tecnocracia financeira, travestida de verde-amarelo, do Minisitério da Economia da importância estratégica da NUCLEP.

A empresa é fundametal, não somente para os programas da Marinha do Brasil, mas para TODO o Programa Nuclear Brasileiro.

Quanto à segunda empresa o ataque é mais sutil, mas não menos danoso. Juntam-se os tecnocratas do ministério da economia com a verdeira máfia gerida pelo BNDES e os bancos Estatais Caixa Federal e Banco do Brasil.

O BNDES tem trabalhado ativamente contra os interesses estratégicos industriais de defesa brasileiros. A única empresa pela qual os “limpinhos” do banco estatal envidam esforços é a EMBRAER. Inclusive bloqueando o desenvolvimento de empresas nascentes no setor aeronáutico brasileiro, como a DESAER, em benefício da própria EMBRAER.

Para o chamado “BNDES Ficha Limpa” reccomendamos a matéria e também o vídeo abaixo onde o próprio representante Sérgio Leite Schmitt Filho explicita a posição do banco estatal em Audiência Pública Conjunta com o foco: “Fortalecimento da Indústria Nacional de Defesa”, foi realizada, no dia 12 Junho 2019, na Câmara Federal.




 
O BNDES limpinho na palavra do seu representante.

A Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias (ABGF) é de extrema importância para as empresas que compoeem a  Base Industrial de Defesa e Segurança (BIDS). As entidades do setor tanto a Associação Brasileira de Indústrias de Defesa e Segurança (ABIMDE) assim como Sindicado das Indústrias de Defesa (SIMDE) lutam incessantemente pelo aumento e viabilização das Garantias dde Exportação.

Uma das características do setor de defesa e segurança é de que as exportações precisam de uma carta de garantia do exportador, no valor do contrato ou parte dele, não somente pela efetiva concretização da exportação, mas de que os equipamentos e serviços adquiridos atendam a performance contratada junto ao vendedor.

Assim um jogo burocrático imposto ao Governo Federal obrigado a admitir o “Teto de Gastos” uma espada de Dâmocles sobre a gestão nacional.  

“No Ministério da Economia, por outro lado, técnicos afirmam que a solução para o mercado não passa pela manutenção da ABGF, mas pela reestruturação do modelo de concessão de garantias. O grande entrave atual é que o FGE é um fundo contábil, sob o guarda-chuva do orçamento federal. Ou seja, sua atuação está limitada ao teto de gastos, situação que fragilizou o FGE ao longo dos anos em função das restrições fiscais. Por isso, há o entendimento de que a criação de um fundo financeiro, com autonomia orçamentária, é inevitável.” Conforme matéria do portal Estadão.


A tudo isso temos uma dos maiores dramas nacionais na administração pública que é a maanipulação e verdadeiro constrangimento (diríamos chantagem?), aos gestores públicos. São três letras que tornaram-se o terror de qualquer ordenador de despesas, em especial na área de Defesa: o CPF.

As açõem empreendidas pelo Tribunal de Contas da União e o Ministério Público Federal agindo como verdadeiros Comissários Políticos, em especial, contra os militares.

Todas as ações visam amarrar o Desenvolvimento Técnológico Indústrial Estratégico Brasileiro.

Com base nisso podemos entender esta nota plantada pelos “Guede´s Boys” onde o presidente do BNDES  Montezano é um dos maiores expoentes.

Ao alinhamento do Presidente à “Política Econômica Liberal” temos o comando do então Ministério da Defesa na gestão do Gen Walter de Souza Braga Netto, reconhecendo o brete imposto pela área econômica, propunha o discurso para que as empresas deviam ter uma linha de produção dual: militar e civil. Ou seja a área de Defesa reconhece as limitações e regras do jogo imposto.

A mudança do comando da área de Defesa e a instabilidade com a incerteza da manutenção dos comandantes das forças, só criará mais dificuldades para a cambaleante Base Industrial de Defesa Brasileira.

Matérias Relacionadas


Taurus fatura R$ 1 Bi e torna-se a maior produtora de armas curtas do mundo

Com Ebitda de R$ 1 bi em 2021, Taurus se torna a maior vendedora de armas curtas do mundo e propõe pagamento de R$ 194,3 mi em dividendos
16 Março 2022 DefesaNet


DEGENAR - Opinião - Calcanhar de Aquiles

Artigo de Cosme Degenar de 2015 que já relatava problemas na área DefesaNet


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


US RU OTAN

US RU OTAN

Última atualização 06 JUL, 11:50

MAIS LIDAS

Notas Estratégicas BR