06 de Novembro, 2020 - 10:25 ( Brasília )

Aviação

Atividade de Campanha e sua importância para a Força Aérea Brasileira

Dentro da formação militar, uma das principais instruções é a Atividade de Campanha. Durante esse tipo de exercício, é executada uma série de treinamentos e simulações

Sargento Júlio Fonseca E Tenente-Coronel Santana

A Força Aérea Brasileira (FAB) capacita constantemente os seus militares para estarem prontos e atualizados para uma possível atuação em combate, situações hostis ou ainda naquelas que exijam dos mesmos capacidade de concentração e resistência durante as ações, sejam no solo ou no ar. E, dentro da formação militar, uma das principais instruções é a Atividade de Campanha, realizada pelos militares das diversas Organizações Militares da Aeronáutica.

Popularmente denominada como “acampamento”, pode conter em sua composição atividades básicas, intermediárias e avançadas, que se diferenciam de acordo com o posto ou a graduação do participante. Durante esse tipo de exercício, são executados treinamentos e simulações para que os militares envolvidos possam experimentar situações semelhantes a um combate, permitindo ao instruendo a possibilidade de vivenciar desgastes físicos e emocionais, dentro de suas valências, conforme idades e grau de atuação em uma situação real.

 Além da evolução intelectual, pedagógica e acadêmica, a vida militar tem como atividade-fim o combate. Os militares devem estar preparados para uma possível atuação e a Atividade de Campanha proporciona ao instruendo um aprendizado constante, pois o grau de dificuldade e exigência aumenta conforme a atuação de cada um em uma condição real, de acordo com o posto ou graduação. “Possui, ainda, como um dos objetivos a descoberta dos limites individuais de cada participante, conforme idade e preparação, por meio de eventos o mais próximo e o mais real possível, quando comparado a uma situação de combate e dificuldades, desde a privação do sono e da alimentação, até o desgaste psicológico e físico”, elencou o Chefe da Seção de Instrução do Corpo de Alunos da Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR), Capitão de Infantaria Felipe Teixeira de Castro, ao término da última atividade de campanha do ano, que contou com a participação dos integrantes do 1° ano do Curso Preparatório de Cadetes do Ar (CPCAR), Esquadrão Anhur.

 “No primeiro ano do CPCAR, os alunos têm contato inicial com atividades de campanha. É uma oportunidade para que adquiram conhecimentos como primeiro socorros, obtenção de água e fogo com elementos da natureza, confecção de armadilhas, dentre outros. Além disso, eles são retirados do conforto e são submetidos a uma rotina pesada, distantes da família, do alojamento e das tecnologias. Com isso, aprendem a valorizar as coisas simples do dia a dia, perdendo em bem-estar, mas ganhando em rusticidade, que é uma característica importante para o combatente. É uma experiência que levarão por toda a vida”, pontuou o Comandante do Esquadrão Anhur, Major Aviador José Adriano Hespanhol.

Na EPCAR, os alunos são submetidos a uma preparação. Todavia, na Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR), na cidade de Guaratinguetá (SP), e na Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga (SP), os alunos e cadetes, respectivamente, já participam de um curso de formação, que lhes possibilita exercerem atividades nas Organizações para as quais forem designados. Nestas duas instituições, cada série realiza uma atividade de campanha por ano. No entanto, alguns participam com maior frequência e de uma forma diferenciada. São os alunos do Serviço de Guarda e Segurança (SGS) e os cadetes do Quadro de Oficiais de Infantaria (QOINF). A estes, são incumbidas mais responsabilidades acerca do conhecimento devido às suas respectivas atuações depois de formados, seja na instrução de novos militares ou no desempenho de suas funções em unidades operacionais

“O militar de infantaria deve ser treinado em exercícios específicos para que esteja preparado para ensinar, pois, mesmo que não seja designado para uma unidade escola após formado, este militar conviverá com a formação de soldados oriundos do alistamento obrigatório e terá que possuir os conhecimentos necessários sobre atividades de campanha, desde o planejamento até a sua execução”, enfatizou o Capitão Castro.

Este momento da formação é tão importante que o Comandante da EPCAR, Brigadeiro do Ar Paulo Ricardo da Silva Mendes, acompanhou  um dia de atividades junto aos alunos do Esquadrão Anhur. O Oficial-General ainda fez questão de retornar no último dia para participar da marcha de retorno ao quartel junto à turma e dirigir-lhes algumas palavras ao término da atividade de campanha. “Vocês acabaram de cumprir uma importante e difícil etapa na formação militar que lhes é reservada. Ao terminarem este exercício, vencendo todas estas dificuldades e sacrifícios, acabam de perceber o que são capazes de realizar e suportar, e não tenho dúvidas de que são capazes de coisas ainda mais desafiadoras”, discorreu o Comandante da Escola.

Escola Preparatória de Cadetes do Ar

A Escola Preparatória de Cadetes do Ar (EPCAR), sediada em Barbacena (MG), é a instituição militar de ensino do Comando da Aeronáutica (COMAER) responsável pela preparação do futuro Cadete da Academia da Força Aérea (AFA).

Fotos: Sargento Valentim, Sargento Domingos e Sargento Leopoldo/EPCAR



ÚLTIMAS

Aviação

MAIS LIDAS