19 de Maio, 2014 - 01:30 ( Brasília )

Pensamento

INFORME OTÁLVORA : Castrochavismo resente-se da falta de líder


 

Matéria em espanhol

Informe Otálvora : Castrochavismo se resiente por falta de líder Link
 

 


EDGAR C. OTÁLVORA / ANALISTA
@ Ecotalvora


O Palácio de Nariño (Presidencial da Colômbia) é disputado entre o presidente Juan Manuel Santos e o candidato do ex-presidente Álvaro Uribe , que protagoniza a campanha de seu pupilo Oscar Iván Zuluaga .

Santos formou uma aliança que inclui os expresidentes liberais, partidos de direita , centro e esquerda. Santos é acompanhado, como candidato, a vice-presidente, por Germán Vargas Lleras, neto do ex-presidente Carlos Lleras Restrepo, que tem um duro confronto contra as FARC e  o Chavismo. ,


A esquerda  Castro-Chavista, que apoia as negociações de Santos com as FARC, desativou a  greve agrícola prevista para 05MAIO14, para não afetar a posição de Santos. As FARC , por sua vez , anunciaram um cessar-fogo nas datas das eleições. Enquanto isso, Uribe enfrenta Santos acusando-o de "Castro- chavista " e rejeita as negociações com os guerrilheiros.

A última pesquisa, divulgada pelo Gallup, em 15MAIO14, deu um empate entre Zuluaga e Santos, na primeira rodada de 25MAIO14.

*****
Parlamentares do oficialista PT procuram impedir qualquer audiência que envolva a Venezuela na Câmara dos Deputados do Brasil, na qual os líderes da oposição venezuelana participem.

A Comissão de Relações Exteriores e de Defesa dos Deputados, presidida pela oposição, Eduardo Barros Barbosa (PSDB), convocou uma reunião pública sobre a "crise na Venezuela", em  14MAIO14.

A agenda incluia apresentações dos venezuelanos Maria Corina Machado e Leomagno Flores.

A pedido dos membros do governo (PT) foram convidados os professores brasileiros filochavistas Igor Fuser e Gilberto Maringoni e um jornalista da Globovision, Venezuela. A sessão foi adiada a poucos momentos antes de realizar-se. Oficialmente, a Comissão alegou que os convidados "não conseguiram embarcar para o Brasil."

A fonte consultada, em Brasília, disse que alguns papéis no Congresso Nacional, relativas à emissão de bilhetes, estranhamente sofreram atrasos impedindo a vinda de Machado e Flores.

As dificuldades para realizar a viagem coincidiram com a decisão do Supremo Tribunal de Justiça venezuelano, 12MAIO14, confirmando a perda do mandato de Machado, o que teria forçado o líder a optar por ficar em Caracas. A Comissão  reprogramou a audiência.

*****
Aliança Castro-Chavista latino-americana sofre de imobilidade e falta de liderança. A confissão foi feita pelo presidente do Equador, Rafael Correa, durante uma visita ao Chile, No dia anterior Michelle Bachelet tinha visitado Buenos Aires, para reavivar a sua aliança política com o governo Kirchner, Correa a visitou, na noite de 13MAIO14, no Palácio de La Moneda.

Honras militares, uma reunião privada dos mandatários, a sessão de trabalho de dez ministros equatorianos com os seus homólogos chilenos, fotos para a imprensa e a recepção oficial foi agenda da noite.

"Tem ocorrido fatos, que têm desacelerado a integração, por exemplo, Faleceu nosso primeiro secretário-geral Néstor Kirchner,  morreu Hugo Chávez , não sei de onde ele tirava tempo, para impulsionar a integração", disse Correa. Enquanto isso, Evo Morales, denunciou no final de 2013, que a Colômbia e Peru (junto ao governo anterior do  Chile), membros da Aliança do Pacífico, estavam conspirando  para enfraquecer a UNASUL.

Assim, a  mandatária chilena,ofereceu-se para Correa, em  construir pontes entre o Mercosul e a UNASUL.

*****
Rafael Correa deve ter sentido a falta de apoio real a por parte de seus parceiros do Socialismo do Século XXI .

O governo equatoriano realiza desde 2012 uma intensa campanha internacional contra a empresa petrolífera Chevron, movendo uma ação judicial por danos ambientais na Amazônia, onde está em jogo uma multa  de U$ 19.000 milhões.

Em  28FEV13 foi realizada em Caracas,  o X Conselho Político da ALBA, onde o ministro das Relações Exteriores do Equador, Ricardo Patiño expôs o caso para busca o apoio de seus parceiros.

Nicolas Maduro, que já estava exercendo a presidência da Venezuela, por causa de convalescença de Chávez, ofereceu, diante das câmeras de TV,em convocar um grande evento continental em apoio ao processo contra empresa de petróleo dos EUA . O evento nunca aconteceu e , pelo contrário, os vários governos parceiros políticos de Correa aumentaram seus negócios com a Chevron ,

*******
Em 11JUL13, a presidente da Argentina Cristina Kirchner emitiu o Decreto 929/2013 de abrir a porta para Chevron explorar óleo de xisto e gás, em 12 mil quilômetros quadrados de formação Vaca Muerta. A Venezuela cedeu áreas produtoras de petróleo para a Chevron, no Cinturão de Orinoco e Zulia. Em maio de 2013, a Chevron forneceu US $ 2 Bilhões para a companhia petrolífera venezuelana PDVSA como uma " linha de crédito " .

Mais recentemente, a PDVSA confirmou que Chevron ( e a argentina YPF ), começarão a operar na fronteira com Trinidad & Tobago para produzir gás. Enquanto isso, o governo Correa organiza excursões para a Amazônia para celebridades, como Mia Farrow ou os porto-riquenhos do Calle 13, denunciando a Chevron.

*****
Em 2011, com a disputa simultânea da Colômbia e Venezuela para comandarem a Secretaria-Geral da Unasul, chegaram a um acordo que permitiu que representantes dos dois governos compatilhasem o cargo .

O mandato de dois anos foi dividido ao meio entre a  Colombiana Maria Emma Mejia primeiro, e depois o venezuelano Ali Rodriguez Araque.

Apesar do fim de seu mandato, em maio 2014 Rodriguez continua no cargo. A escolha do substituto está gerando choques internos dentro da UNASUL,  que eram sentidos na reunião presidencial, em agosto de 2013, no Suriname. A questão será retomada na reunião ministerial no final de maio em Galápagos, Equador.

*******
Em 13MAIO14, Rafael Correa, disse em Santiago, que Rodriguez "está gravemente doente", mas , curiosamente , no mesmo dia , a Assembleia Nacional da Venezuela soube-se que Rodriguez iria à Cuba, novamente como Embaixador na ilha. Rodriguez, um membro da esquerda armada, mantém laços com Cuba, desde os anos sessenta.

Ele também serviu como chanceler das posições mais importantes na área econômica, durante o regime de Chávez, tendo sido Ministro das Finanças e Energia e presidente da PDVSA.

******
O Irã fora da América Latina, pelo menos no que diz respeito os seus antigos projetos econômicos. Durante seus oito anos de mandato, Ahmadinejad tornou seu país em um ator político cada vez mais atuante no continente, com base em sua aliança com Hugo Chávez. Desde 2005, Chávez viajou ao Irã nove vezes e ainda promoveu a viagem de Evo Morales a Teerã em 2008. Admadinejad, entretanto, fez seis visitas à Venezuela, além de viagens à Bolívia, Brasil, Cuba e Nicarágua.

*****
Chávez e Ahmadinejad assinaram mais de cem acordos sobre os mais variados projetos. Chávez indicou pessoalmente, concessões de petróleo e gás aos iranianos. A lista de projetos incluia a exploração mineral do território venezuelano, a construção de drones militares, veículos e fábricas de tratores iranianas, transferência de tecnologia iraniana para desenvolver farinha de milho para arepas (prato típico venezuelano !).

Os acordos entre os dois "inimigos do Império" parecia não ter limites na agenda e custos. A construção de uma refinaria de iraniana -venezuelana na Síria, a produção de gás do Irã para exportação para a Argentina e Cuba, a produção de petróleo pelos iranianos no Cinturão de Orinoco e na área do Delta, a construção de uma planta de processamento de gás no Delta Venezuelo, duas plantas de metanol, a construção no Irã de quatro navios para a companhia de petróleo PDVSA para transportes para a Europa e Ásia.

Vários relatórios indicam que nenhum dos acordos de energia foram cumpridos. Dois dos navios contratados por Chávez em 2009 foram produzidos pela Iran Marine Industrial Company (Sadra), mas em 2013 a empresa iraniana denunciou que a PDVSA recusa-se a pagar a conta.

****
Ahmadinejad deixou a presidência do Irã, em agosto de 2013. Sua última visita oficial a Caracas foi durante o funeral de Chávez.

O governo que o sucedeu, liderado por Hassan Rouhani , decidiu preservar os laços políticos e militares na América Latina, mas o cortou a cara e inútil aventura "empresarial".

Roknoddin Javadi, novo chefe da estatal National Iranian Oil Company ordenou o fechamento de todos os escritórios da empresa na América Latina alegando que eles foram abertos apenas por razões políticas. A ordem já foi cumprida na Bolívia, em Abril,  e na Venezuela,  09MAIO14.



ÚLTIMAS

Pensamento

MAIS LIDAS