COBERTURA ESPECIAL - Nuclear - Geopolítica

07 de Janeiro, 2016 - 11:15 ( Brasília )

Coreia do Sul quer presença de armamentos estratégicos dos EUA após teste nuclear do Norte


A Coreia do Sul iniciou conversações com os Estados Unidos para mobilizar armamentos estratégicos norte-americanos até a península coreana, disse um oficial das Forças Armadas sul-coreanas nesta quinta-feira, um dia depois que a Coreia do Norte disse ter realizado com sucesso um teste com uma bomba de hidrogênio.

A Coreia do Sul também disse que vai retomar as transmissões de propaganda por meio de alto-falantes direcionados para a Coreia do Norte a partir de sexta-feita, em resposta ao quarto teste nuclear norte-coreano, o que deve irritar seu isolado rival.

Os EUA e especialistas em armamentos levantaram dúvidas sobre se o artefato testado pela Coreia do Norte na quarta-feira seria mesmo uma bomba de hidrogênio, ainda assim, aumentaram as pressões para que sanções adicionais sejam impostas contra o país asiático devido ao programa nuclear secreto norte-coreano.

A explosão subterrânea irritou a China, que não recebeu notificação prévia sobre o teste, embora seja o principal aliado da Coreia do Norte, destacando tensões nas relações entre os dois países.

O teste também alarmou o Japão. O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, concordou com o presidente dos EUA, Barack Obama, em uma ligação telefônica, que é necessária uma firme resposta global, informou a Casa Branca.

Obama também conversou com a presidente sul-coreana, Park Geun-hye, para discutir opções de resposta. Um oficial sul-coreano disse à Reuters que os dois países discutiram o envio de armamentos estratégicos dos EUA para a península coreana, mas não quis dar mais detalhes.

Após o teste anterior da Coreia do Norte com um artefato nuclear, em 2013, Washington enviou dois bombardeiros B-2 capazes de transportar armas nucleares para realizar sobrevoos na Coreia do Sul, numa demonstração de força. À época, a Coreia do Norte respondeu ameaçando com um ataque nuclear contra os EUA.

A Coreia do Sul, tecnicamente um Estado em guerra contra o Norte, disse que não considera utilizar ameaças nucleares como elemento de dissuasão, apesar de pedidos feitos por líderes do partido no poder. É altamente improvável que os EUA reinstalem os mísseis nucleares táticos que retirou da Coreia do Sul em 1991, disseram especialistas.

O teste foi uma “grave violação” de um acordo firmado em agosto pelas duas Coreias para aliviar as tensões e melhorar os laços, disse Cho Tae-yong, uma autoridade de segurança nacional sul-coreana, em comunicado.

Obama conversa por telefone com líderes de Coreia do Sul e Japão sobre teste nuclear do Norte

A presidente da Coreia do Sul, Park Geun-hye, e o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, conversaram por telefone por 20 minutos nesta quinta-feira, após um teste nuclear realizado pela Coreia do Norte no dia anterior, informou o gabinete da presidente sul-coreana.

O gabinete não elaborou sobre detalhes da conversa entre os líderes.

Obama também conversou por telefone na quarta-feira com o premiê japonês, Shinzo Abe, sobre a resposta internacional ao teste nuclear, de acordo com a Casa Branca.

Ambos líderes "concordaram em trabalhar juntos para montar uma forte resposta unificada e internacional ao comportamento inconsequente mais recente da Coreia do Norte", informou a Casa Branca.