COBERTURA ESPECIAL - KC-390 - Aviação

27 de Julho, 2017 - 10:40 ( Brasília )

OGMA envia peças para montar segunda aeronave militar KC-390 no Brasil

Empresa de Alverca é responsável pelo fabrico da fuselagem central das aeronaves que já estão a ser produzidas em série.

Manuel Carlos Freire
DIÁRIO DE NOTÍCIAS (PORTUGAL)


A OGMA iniciou o envio para o Brasil dos componentes destinados ao segundo KC-390 a ser montado de série e um dos 28 destinados à Força Aérea Brasileira, informou a empresa esta quarta-feira. Estas aeronaves de transporte militar, em cuja conceção Portugal participa desde o início e como principal parceiro do fabricante brasileiro Embraer, são apontadas como as grandes sucessoras dos lendários Hércules C-130 a nível mundial.

Portugal é precisamente um dos países que vai adquirir aqueles aparelhos, inicialmente cinco e com opção de compra de mais um, para substituir a sua frota de C-130 e respetivas missões, com destaque para as do transporte e lançamento de tropas e carga, busca e salvamento ou evacuações aeromédicas - a que se juntam as do combate a incêndios e reabastecimento em voo.

Na OGMA são produzidos os 10 painéis que compõem a fuselagem central do KC-390, bem como os lemes de profundidade, as carenagens do trem de aterragem e os painéis que formam o seu revestimento, precisou a OGMA, lembrando que os componentes destinados ao primeiro dos aparelhos produzidos em série foram enviados há pouco mais de meio ano para a fábrica da Embraer em Gavião Peixoto.

"A entrega do segundo kit de componentes para a produção em série do KC-390 espelha a competência técnica e humana da OGMA no domínio das aeroestruturas e sublinha o papel que vem desempenhando desde o arranque do projeto para que o KC-390 seja um marco incontornável no panorama aeronáutico internacional", afirmou Ana Isabel Fernandes, chefe da área de operações da empresa de Alverca.

O protótipo do KC-390, em cujo consórcio participam também a Argentina e a República Checa, foi apresentado em 2014 e o seu primeiro voo ocorreu em fevereiro de 2015. O programa foi afetado por restrições financeiras decorrentes da crise no Brasil, provocando atrasos de vários meses na sua produção, mas manteve-se e Portugal foi o primeiro país fora do Brasil a receber a aeronave (junho de 2016).

Note-se que a OGMA é uma empresa em que o Estado detém 35% do capital e a Embraer 65%, desde a sua privatização - decidida pelo então ministro da Defesa Paulo Portas - em 2005. Atualmente com mais de 1700 trabalhadores, a OGMA registou um volume de negócios de 195,4 milhões de euros no ano passado, segundo dados da empresa.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Guerra Hibrida Brasil

Guerra Hibrida Brasil

Última atualização 20 SET, 11:20

MAIS LIDAS

KC-390