13 de Março, 2014 - 11:45 ( Brasília )

Inteligência

Obama promete liberar relatório sobre interrogatórios da CIA


O presidente americano, Barack Obama, comprometeu-se nesta quarta-feira a "desclassificar" um relatório sobre as técnicas de interrogatório usadas pela Agência Central de Inteligência (CIA, na sigla em inglês).

A agência foi acusada de revistar os computadores utilizados pelos investigadores do Congresso que trabalhavam no tema.

"Me comprometo plenamente a 'desclassificar'* o relatório quando estiver concluído", disse Obama aos jornalistas. "De fato, estimulo (os investigadores) a avançar e a terminar o relatório e enviá-lo para nós".

"Desclassificaremos esses fatos para que os americanos possam entender o que aconteceu no passado e nos ajude a continuar avançando", acrescentou.

Na terça, a CIA voltou a ser centro de um escândalo político nos Estados Unidos. A agência foi acusada de violar a Constituição por ter revistado os computadores de vários senadores que investigavam o programa secreto de interrogatórios usado durante o governo de George W. Bush.

As acusações deflagraram um confronto público incomum entre a agência e o Congresso. O diretor da CIA, John Brennan, negou ter tentado obstaculizar a investigação da Comissão de Inteligência do Senado.

Nesta quarta, Obama disse que Brennan, um de seus ex-assessores de confiança na Casa Branca, levou o assunto às "autoridades competentes". "Não cabe a mim, nem à Casa Branca intervir nessa etapa", declarou.

* Nota Defesanet -
Do inglês: Classified = Confidencial, secreto.
Texto original: ..."we will declassify those findings so that the American people can understand what happened in the past"... - declassify foi traduzido literalmente pela agência AFP como: "desclassificar". Para uma tradução mais próxima do termo ficaria: "Me comprometo plenamente a desconfidencializar" - Desconfidencialização (por vezes também traduzido do inglês como “desclassificação”) é o procedimento de disponibilização ao público de documentos que anteriormente eram confidenciais sob o princípio da liberdade de informação.