COBERTURA ESPECIAL - Gripen NG Brazil - Aviação

19 de Fevereiro, 2014 - 09:10 ( Brasília )

Os caças suecos e as oportunidades escandinavas


Em julho de 2000, o governo brasileiro aprovou o programa de reaparelhamento e modernização da Força Aérea Brasileira, com investimentos totais de US$ 3,4 bilhões, consistindo na construção e aquisição de aeronaves de combate, de transporte e de helicópteros pesados. Dentro deste planejamento, destacava-se o Projeto FX, para a compra de 12 a 24 caças para substituir os antigos Mirage. Com a mudança de governo em 2003, o projeto foi protelado e, em 2006, foi remodelado.

O novo projeto era muito mais caro — passou a ser considerada como a “compra da década” no setor —,mas exigia transferência completa de tecnologia e o direito de produção sob licença da aeronave no Brasil e de exportação para o mercado sul-americano.

A decisão final do processo, em dezembro do ano passado, deu vitória ao caça Gripen da Saab em um pacote de 36 aviões, inicialmente por US$6,0 bilhões. A empresa sueca venceu a disputa contra o francês Rafale, da Dassault, e o americano F-18, da Boeing.

A entrada da Saab poderá ser uma oportunidade para impulsionar uma nova fase da relação Brasil e Suécia, com aumento dos investimentos, das trocas comerciais e, principalmente, do intercâmbio tecnológico. Por conta de suas características especificas—país fortemente industrializado, com tecnologia de ponta em diversos setores e mercado interno limitado—a Suécia vê o Brasil, ao lado de outros emergentes, como China e Índia, como um parceiro estratégico, graças à dimensão do mercado consumidor brasileiro e as inúmeras oportunidades de negócios.

Grande número de empresas suecas mantêm filiais no país e São Paulo é considerado o maior centro da indústria sueca juntamente com Gotemburgo. Os demais paises que, junto à Suécia, compõem a região da Escandinávia— Noruega,Finlândia e Dinamarca— são muito ligados entre si e também enxergam o Brasil como um mercado estratégico. Os noruegueses estão de olho na exploração do pré-sal, os finlandeses nas áreas de TI e papel e celulose e, os dinamarqueses, nos setores farmacêutico e eólico.

Apesar do comércio bilateral com os escandinavos ser pouco significativo para o Brasil—situando-se historicamente entre 1,5% e 2% da nossa corrente de comércio total - os investimentos de empresas escandinavas são relevantes. O país é um dos alvos principais das transnacionais da região, cujas filiais são muitas vezes, maiores em solo brasileiro que no seu país de origem.

Para o Brasil, as oportunidades são interessantes. Como os mercados internos desses países são pequenos, há mais facilidade em negociar parcerias estratégicas e usar a escala do nosso mercado como barganha, com facilidades para induzir a transferência de tecnologias, atrair as empresas para formar plataformas de exportação e pólos de pesquisa e desenvolvimento em solo brasileiro. Para se ter uma ideia, apenas a chamada “nova classe média” brasileira é um mercado que consome mais que toda a população escandinava.

Esperemos que a diplomacia brasileira aproveite a oportunidade do acordo militar para estreitar os laços com esses países, diminuindo sua fixação em temas como a “diplomacia sul-sul”, a campanha por um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU ou em sua “opção preferencial” pelo eternamente moribundo Mercosul.



Outras coberturas especiais


Doutrina Militar

Doutrina Militar

Última atualização 21 NOV, 16:30

MAIS LIDAS

Gripen NG Brazil