COBERTURA ESPECIAL - Ecos - Guerras, Conflitos, Ações - Defesa

15 de Fevereiro, 2020 - 13:00 ( Brasília )

IISS - Gasto militar global tem o maior aumento da década em 2019

Estudo mostra como EUA e China puxam despesas de defesa; Brasil se mantém estável no ranking

Igor Gielow
São Paulo


O mundo teve o maior salto no seu gasto militar em uma década em 2019, devido ao aumento da despesa com defesa dos Estados Unidos de Donald Trump e da China de Xi Jinping.

O dado foi aferido pelo IISS (Instituto Internacional de Estudos Estratégicos, na sigla em inglês), baseado em Londres e referência no assunto no mundo, em sua publicação anual “Balanço Militar”.

No ano passado, o crescimento real de gastos com defesa subiu 4% em relação a 2018, em comparação ajustada ao dólar constante de 2015. É o dobro do salto registrado de 2017 para 2018, de 1,8%.

Ao todo, o mundo gastou US$ 1,73 trilhão com o setor militar em 2019. Os EUA são a potência incontestável, com US$ 684,6 bilhões aplicados em defesa, ou 39% do valor global.
 
É uma tendência vista desde que Trump assumiu, em 2017, apesar de seu discurso de que retiraria os EUA do que chama de “guerras inúteis” pelo mundo. Em 2019, o aumento do gasto foi de 6,6% sobre o ano anterior.
 
O “Balanço Militar” detalha os novos investimentos americanos em programas de armas e segurança cibernética, além de mostrar o incomparável inventário bélico do país, na área convencional estrelado pelos seus 11 grupos de porta-aviões.
 
A gastança americana espelha a competição global com a potência emergente do século 21, a China.
 
O país asiático elevou seus gastos também em 6,6% em relação a 2018, mas nominalmente os EUA ainda têm um orçamento quase quatro vezes maior que o dos chineses, que totalizaram US$ 181,1 bilhões em 2019.
 
A diferença do aplicado pelos países cresceu de US$ 425 bilhões para US$ 452 bilhões, também pelo fato que o ritmo da despesa chinesa arrefeceu levemente, assim como sua economia.
 
Outro indicador importante é o que o IISS classifica de investimento: compra de equipamento, desenvolvimento e pesquisa. Aqui, os EUA gastam mais nominalmente do que todo o orçamento chinês, US$ 201 bilhões —o que dá 29% de seu gasto total, comparado com 41% no caso de Pequim.
 
Os dois países estão muito à frente da competição, mas isso em termos brutos. A Rússia de Vladimir Putin é a quarta no ranking de gastos, mantidos estáveis em 2019, com US$ 61,6 bilhões em defesa.
 
Mas o dado escamoteia o óbvio: os russos têm um arsenal de mísseis com ogivas nucleares equiparável ao dos EUA, o que lhes dá uma capacidade dissuasória única por herança da Guerra Fria, quando a União Soviética disputava a primazia militar e política do mundo com Washington.

Assim como os chineses, os russos gastam proporcionalmente mais que os americanos em investimentos, 35% de seu total. Em comparação, o Brasil investe menos de 10% de seu orçamento militar em aquisições e  pesquisa.

Ambos os países têm cerca de 1.700 ogivas prontas para uso, e o IISS alerta para os riscos que a dissolução do sistema internacional de controle de armas traz.

No ano passado, Trump deixou um acordo de 1987 que eliminava mísseis de alcance intermediário da Europa com os russos, e em 2021 o principal acerto para limitação nuclear em vigor expira.




A China tem cerca de 300 ogivas, empatando com a França, e analistas se perguntam se Xi irá aumentar o seu inventário.
 
Tanto Moscou quanto Pequim têm seus avanços nas áreas de mísseis hipersônicos e antinavio dissecados.
 
Em ambos os casos, os russos estão na frente, e os dois rivais dos EUA suplantam Washington, estimulando novos gastos.
 
Assim, Trump já autorizou um valor de US$ 737 bilhões para 2020, voltando aos níveis nominais corrigidos da chamada guerra ao terror —quando os EUA levaram seu orçamento militar, que era de US$ 294 bilhões em 2000, para a casa dos US$ 700 bilhões com os conflitos no Afeganistão e no Iraque.
 
O comportamento, por óbvio, influencia o resultado total. A década de 2010 começou com uma queda de gastos após o anúncio do fim dos combates americanos no Iraque em 2011, até 2014, quando houve um salto de 2,7% no resultado de 2015 como reação à anexação russa da Crimeia.
 
O ritmo seguiu mais estável em 2016 e 2017 (1% e 0,7% de aumento, respectivamente, e voltou a subir a partir do resultado de 2018 com o efeito Trump.
 
O gasto militar global é um poço de desigualdades. A fatia americana equivale quase ao total dos próximos 14 países do ranking (US$ 748,8 bilhões). O resto todo do mundo, cerca de 175 países, gasta US$ 298 bilhões.
 
O ímpeto militarista de Washington teve outros efeitos. A pressão que Trump faz desde que assumiu para que a Otan, a aliança militar ocidental liderada pelos EUA, gaste mais na área fez efeito.
 
A Europa aumentou em 4,2% seu gasto de 2018 para 2019, subindo a taxa de investimento em equipamento e pesquisa de 19,8% para 23,1%.
 
O principal alvo de Trump, a gigante econômica Alemanha, viu seu gasto militar se elevar enormes 9,7% no período. Isso puxou o aumento regional, que após uma queda contínua a partir da crise mundial de 2009 até 2014, agora recuperou os níveis anteriores.
 
Só que a Alemanha aplica 1,26% de seu PIB em defesa, ainda distante dos 2% que a Otan pede a seus 29 Estados-membros, algo que só sete deles conseguem fazer, a maioria ex-países comunistas que temem ações da Rússia nas suas fronteiras. Trump seguirá no pé de Angela Merkel no quesito.
 
Essa métrica da porcentagem do PIB é útil para quantificar o que se depreende do noticiário. O Oriente Médio segue sendo a região do mundo que mais gasta com defesa, segundo essa proporção.
 
O pequeno sultanato do Omã é o líder do ranking, com 11,7% de seu PIB aplicado em defesa —equivalentes a US$ 2.700 per capita anuais.
 
A Arábia Saudita, que ostenta um vistoso terceiro lugar no ranking geral de gastos, é também a terceira no quesito: 10,1% do PIB. O Iraque vem a seguir, com 8,1%, enquanto Israel despende 5,8% e o Irã, 3,8%.
 
Entre os peixes grandes, Moscou aplica 3,7% do PIB, Washington, 3,19%, e Pequim, 1,28%. Mas aqui os números têm de ser relativizados ante o tamanho das economias.
 
O Brasil manteve seu 11º lugar no ranking de gastos, com US$ 27,5 bilhões na conta do IISS (que é um pouco diferente da do Ministério da Defesa). Só que aqui 80% do dispêndio vai para pessoal, incluindo aposentadorias e pensões, e a fração de investimento é baixa.
 
Ainda assim, são ressaltados pelo instituto avanços como a entrega do primeiro cargueiro C-390 da Embraer, do primeiro submarino franco-brasileiro e o voo inaugural do novo caça do país, o sueco Gripen.

E nem são analisados dados como o fato de que o governo Jair Bolsonaro preservou gastos militares de cortes e sancionou uma capitalização bilionária para a Marinha comprar novos navios.

De todo modo, o país continua, segundo o IISS, como o principal ator militar da América Latina e do Caribe. Aplica 1,48% de seu PIB, na conta do instituto, em defesa, enquanto a média regional é 1,16%.

Soma 45,8% dos gastos militares da região, seguido pela Colômbia, com 17,4%. E tem o maior contingente de tropas: 367 mil, num universo de 1,52 milhão de militares —o mundo todo tem 19,85 milhões de pessoas em uniforme.

Foco de preocupação do governo brasileiro, a Venezuela é descrita como decadente em todos os aspectos militares possíveis devido à contínua crise econômica e política da ditadura de Nicolás Maduro.


Enquanto o apoio russo para manter funcionais caças Su-30 e sistemas antiaéreos S-300, os mais avançados da região, foi mantido em 2019, o IISS não crê que eles estejam 100% operacionais.

O país tinha 55 caças e aviões de ataque em 2009, ante 40 agora. O Brasil, nesta década, caiu de 316 para 97 aeronaves do tipo.

O fenômeno se repete pela região, com o envelhecimento de frotas e a gradual substituição por aparelhos que desempenham funções antes específicas de vários modelos diferentes.

Os 36 Gripen comprados da Suécia pelo Brasil farão o trabalho hoje do F-5 e do AMX, além das tarefas antes dadas aos Mirage.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Pandemic War

Pandemic War

Última atualização 31 MAR, 19:30

MAIS LIDAS

Ecos - Guerras, Conflitos, Ações