COBERTURA ESPECIAL - Dossiê EMBRAER

14 de Fevereiro, 2018 - 23:00 ( Brasília )

EUA quer levar cadeia produtiva inteira da EMBRAER para solo americano



Equipe DefesaNet

 

Um grupo de empresários do segmento aeronáutico, que envolve inclusive empresas do setor espacial, tem procurado a câmara de comércio dos Estados Unidos para saber das possibilidades de se transferirem para solo norte americano. Praticamente todas são ligadas a cadeia de fornecimento de peças e subsistemas da Embraer e pertencem ao polo aeroespacial de São José dos Campos. Isso havia sido estimulado alguns anos atrás, pelo então secretário de Estado John Kerr (BR-US - SelectUSA e a Base Industrial de Defesa)

As tratativas estão adiantadas para algumas delas, que estão sendo selecionadas por meio de programas especiais de busca de investimentos estrangeiros para fortalecer a cadeia produtiva ligada direta e indiretamente à Boeing, que adquiriu o controle da Embraer e de todos seus projetos civis.

Os empresários do setor pedem anonimato e discrição, pois tem sido uma das prioridades dos EUA depois das repercussões sobre o anúncio da aquisição da Embraer e da criação da joint venture, que deve levar para Chicago (sede da BOEING), todos os projetos da ex-estatal brasileira, inclusive os futuros programas militares.

“Os americanos já estiveram aqui no Parque Tecnológico (de São José dos Campos) e formalizaram o convite para aderirmos ao programa de investimento nos EUA, mas na época já se ouvia rumores sobre a migração da Embraer que tinha acabado de comprar mais uma unidade por lá. Mas agora é uma realidade e nossa sobrevivência depende disto, vamos tentar nos qualificar para seguirmos junto com nossa parceira para um mercado mais competitivo, mas também bem mais estável”, observou o empresário de lidera o grupo e que tem uma larga experiência no segmento aeronáutico.

Desde o governo de Barak Obama, o governo dos EUA busca atrair as empresas de tecnologia de ponta do Brasil com a promessa de ingressarem num mercado mundial, muito mais atrativo e com diversas opções de clientes, além de ser fornecedores indiretos da Boeing. Isso tem estimulado não só o imaginário do empresariado nacional, crescer num mercado estável e receber em dólar, sem problemas alfandegários e com inúmeras burocracias para produzir.

“Não podemos ser hipócritas, estamos diante de uma oportunidade única. Os EUA pede que levemos nossos engenheiros e os técnicos mais capacitados, estão nos dando linhas de créditos especiais com juros baixíssimos, toda infra estrutura para produzirmos e a facilidade de comprarmos maquinários de ponta sem qualquer entrave.

Infelizmente não dá para pensarmos em continuar a viver nesta instabilidade existente aqui no Brasil. Inclusive esse é um ponto que os americanos querem que levemos, essa capacidade de sobrevivência no meio de tanta adversidade”.

O grupo contempla cerca de 50 empresas de diversos portes e atuação dentro da cadeia produtiva da EMBRAER. A intenção é conseguir fazer a migração no menor prazo de tempo possível e se tornar uma exportadora para a antiga estatal brasileira. Isso esvaziaria totalmente o parque industrial instalado no Brasil, o que facilitaria inclusive a migração integral da Embraer para os EUA, mais propriamente Chicago, inclusive levando toda sua equipe de engenheiros de projetos e de manutenção.

O impacto deste movimento não deve causar surpresa no governo brasileiro, pois a ex-presidente Dilma Rousseff foi uma das maiores apoiadoras da aproximação da BOEING e do parque aeroespacial brasileiro. Atualmente o ministro Raul Jungmann tem evitado tocar no assunto, apesar do grupo de empresários ter confidenciado que ele tem conhecimento pessoal de todo esse processo de migração industrial e intelectual.



Recepcionada pela Boeing, no NASA AMES Research Center, California, no dia 01 JUL 15, a presidente Dilma Rousseff e comitiva. Pauta: como funciona o mercado global de fornecedores do setor aeroespacial e defesa, ou o global supply chain. Foto NASA AMES Center
Nota - Observar na ponta esquerda o Presidente da EMBRAER Defesa & Segurança Jackson Schneider.



No Editorial "Será Verdade" (11AGO2015) DefesaNet publicou:


"A mudança aos Estados Unidos, da Base Industrial de Defesa Brasileira parece ser a Boia de Salvação. Será Verdade?"

Isto após um tour nos Estados Unidos e que tinha o mote de inserir a Base Industrial Aeroespacial / Defesa Basileira na cadeia produtiva americana.

Dois anos e meio após comprovamos que o Editorial DefesaNet anteveu a atual realidade.

Matérias Relacionadas

DefesaNet Editorial A Boia Salvadora? Agosto 2015 (Link)

BR-US - SelectUSA e a Base Industrial de Defesa (Link)

EMBRAER ou AMECOAER (AMErican COmpany AERonautics)? (Link)

Comitiva americana conhece Política e Estratégia de Defesa Nacional do Brasil (Link)

BR-US - Wagner afirma que visita inicia nova era na Defesa (Link)

BR-US - Comunicado Conjunto - 30 Junho 2015 (Link)


BR-US - Brasil e Estados Unidos vão desenvolver projeto na área de Defesa (Link)

Carta aberta do DefesaNet ao ministro da Fazenda Joaquim Levy (Link)

 


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Brasil - Suécia

Brasil - Suécia

Última atualização 22 JUN, 00:26

MAIS LIDAS

Dossiê EMBRAER