COBERTURA ESPECIAL - Brasil - Rússia - Defesa

30 de Setembro, 2014 - 13:54 ( Brasília )

Brasília adiará resposta à iniciativa russa de buscar aproximação na área militar

Moscou faz convites ao Exército e à Força Aérea, mas chefes militares preferem esperar resultado das eleições e nomeação do sucessor de Celso Amorim

Atualização 11:25 01 SET 2014



Brasília adiará resposta à iniciativa russa de buscar
aproximação na área militar
 

 

Roberto Lopes
Especial para DefesaNet

 
 
O Estado-Maior Conjunto das Forças Armasdas e os Comandos do Exército e da Força Aérea decidiram não se comprometer, de imediato, com a presença de militares brasileiros nos dois certames internacionais organizados pelo Ministério da Defesa da Federação Russa, que atestam a expertise de tripulantes de aeronaves e de carros de combate: a AVIADARTS, em julho, e o Biatlo de Tanques, em agosto.

Os convites de Moscou para que o Brasil envie competidores aos eventos foram transmitidos a Brasília há poucas semanas, pelo Adido de Defesa do Brasil na capital russa, coronel do Exército Marco Antônio de Freitas Coutinho. Este ano, Freitas Coutinho assistiu as duas provas na condição de “observador”. Informalmente, contudo, o oficial, que serve na Rússia desde meados de 2011, adiantou aos chefes militares locais que o fato de a FAB empregar o Mi-35M (chamado na FAB de AH-2 Sabre), facilita, em tese, uma resposta positiva no caso da AVIADARTS.

O procedimento cauteloso adotado por generais e brigadeiros brasileiros está relacionado, obviamente, à incerteza gerada pelas eleições, e ao forte desgaste político da Rússia no plano internacional.

Ainda que a presidenta Dilma Roussef se reeleja, os militares aguardam a substituição do embaixador Celso Amorim no posto de ministro da Defesa. O diplomata está demissionário desde dezembro de 2013, e vem se omitindo no esforço que os comandantes militares fazem, junto ao Congresso, para resgatar verbas contingenciadas pela área econômica do governo. Amorim também acaba de ser desautorizado por 27 generais de quatro estrelas da reserva do Exército, que não gostaram de uma manifestação dele à Comissão Nacional da Verdade, afirmando que “as Forças Armadas aprovaram e praticaram atos que violaram direitos humanos no período militar”.

De acordo com uma fonte do Ministério da Defesa ouvida por DefesaNet, não será surpresa se a presidenta aceitar a exoneração de Amorim já nas próximas semanas, antes ainda do fim de sua atual gestão. Nesse caso, a Pasta poderia ser entregue, em caráter provisório, ao secretário-geral Ari Matos Cardoso.

Biatlo

A aceitação dos convites para as competições na Rússia também colocam o governo brasileiro diante da possibilidade de desagradar as principais potências militares do Ocidente. Estados Unidos e seus parceiros europeus da OTAN (Organização do Tratado do Atlântico Norte) isolaram e impuseram sanções político-econômicas à administração de Vladimir Putin depois que, a 2 de março, Moscou se apossou da Península da Crimeia – que fazia parte do território ucraniano –, e começou a fornecer apoio militar maciço aos rebeldes separatistas do leste da Ucrânia.

A 17 de julho passado, um míssil terra-ar supostamente disparado por insurgentes ucranianos derrubou um jato de passageiros da Malaysian Airlines, matando as 298 pessoas que se encontravam a bordo. O sistema antiaéreo teria sido fornecido por Moscou aos adversários do governo de Kiev.

Foi precisamente essa sequência de fatos turbulentos que fez cinco países – Itália, Grécia, República Theca, Coreia do Sul e Israel –, além da própria Ucrânia, desistirem da competição entre tripulações de tanques, que teve lugar entre os dias 4 e 16 de agosto no polígono de tiro para blindados de Alabino, nos arredores de Moscou.

O Biatlo foi disputado por Rússia, China, Índia – todos parceiros do Brasil no grupo dos BRICS –, além de Bielorrusia, Casaquistão, Armênia, Quirguistão, Mongólia, Sérvia, Kuait, Angola e Venezuela.

As diversas etapas da competição, preparadas pelo departamento de Preparação do Combate do Exército russo, envolveram desde uma prova contra o relógio para verificar qual tripulação punha seu tanque em movimento em menos tempo, até deslocamentos de 20 km em alta velocidade com disparos para atingir cinco alvos diferentes, e as chamadas “corridas de perseguição”, que exigiam a ultrapassagem de fossos, terrenos enlameados e cursos d’água.

O carro de combate usado foi o T-72M, dotado de blindagem reativa, sistema de tiro com telêmetro laser e carregador automático (multiplicador de cadência) para o canhão de 125mm. Cada país podia competir com mais de uma tripulação. Rússia, Armênia e Casaquistão foram os vencedores.

Na primeira edição do Biatlo, ano passado, somente Armênia, Bielorrúsia e Cazaquistão (repúblicas que integraram a extinta União Soviética) atenderam o convite da Rússia. Este ano, contudo, os organizadores deram ao evento um título mais pomposo: I Mundial de Biatlo de Tanques.

O convite ao Brasil envolve também uma expectativa da agência oficial de exportação de armamentos russos Rosoboronexport, que, nos últimos anos, por mais de uma vez, ofereceu o T-72 ao Exército brasileiro. Moscou está, entretanto, ciente de que, além de não priorizar a renovação de seus carros de combate nesse momento (e nem em 2015), a Força Terrestre talvez opte por seguir a  linha alemã, e substituir os seus Leopard 1A5, por veículos Leopard 2.

Concurso de pilotos

Entre 22 e 28 de julho o adido brasileiro já havia assistido, na região de Voronezh-Lipetsk e no campo de tiro de Pogonovo, o concurso de pilotos militares denominado AVIADARTS, que reuniu jatos e helicópteros de combate de Rússia, China e Bielorussia.

Idealizada pelo Ministério da Defesa russo, a competição objetiva recriar as condições de batalha que envolvam o elemento aéreo. No ar as tripulações precisam superar baterias antiaéreas e disparar foguetes contra alvos em terra. São, ao todo, seis modalidades de provas.

A Federação Russa foi representada por 34 tripulações, sendo uma da Marinha, que pilotaram caças SU-34, MIG-29 e jatos de ataque ao solo SU-24. China e Bielorrúsia mandaram duas tripulações cada uma. Os chineses voaram seus caças SU-30, e os bielorrussos aviões SU-24.

Os militares mais bem colocados ganharam automóveis importados, das marcas Land Rover e Hyundai, além de scooters.

Ao lado do coronel brasileiro, na qualidade de “observadores”, estiveram adidos das Forças Armadas da Índia, Paquistão e Egito – países que, a exemplo do Brasil, os russos tentam atrair para a próxima edição da competição, dentro de dez meses. Moscou aguarda ainda a participação de militares do Casaquistão, Armênia e Quirguistão.

“Recebemos o convite”, declarou o coronel Freitas Coutinho à agência de notícias oficial russa RIA Novosti, “Se for possível, ano que vem participaremos do concurso. Competiríamos, a princípio, nos helicópteros, nossa especialidade, mas sempre com tecnologia de produção russa”.
(Nota DefesaNet Ver box abaixo)

 

Mensagem recebida via e-mail

Moscou, 01 Outubro 2014

Prezado Srs,
 
Sou um assíduo leitor do DefesaNet, site que sempre mereceu meus melhores elogios.
 
Ontem me surpreendi com um artigo que cita meu nome e apresenta declarações que nunca realizei.
 
Para o bem da verdade, informo que fui convidado a participar do evento AVIADARTS 2014 como observador, assim como TODOS os Adidos Militares acreditados na Federação da Rússia.
 
Falando protocolarmente como Vice-Presidente da Associação dos Adidos militares de Moscou, agradeci aos organizadores e elogiei a organização do evento.
 
O Comandante da Força Aérea Russa, em seu discurso de encerramento e na presença da imprensa, convidou diversos países a participarem do evento do ano que vem com aeronaves russas. Citou inclusive textualmente o Brasil.
 
Ao ser perguntado pela imprensa local, ao final do evento sobre a posição do Brasil sobre o convite, disse que o Brasil tinha acabado de receber a proposta, mas que a mesma teria que ser encaminhada ao Brasil para estudos.
 
Na verdade, um convite formal emitido por alguma autoridade russa ainda não foi recebido até a data de hoje.

Cordialmente,
Marco Antonio de Freitas Coutinho
Adido Militar em Moscou



Matéira Relacionadas

Militares evitam parceiros prioritários da diplomacia petista 2014 Link
 
Moscou busca desenvolver armamentos com outros BRICS 2014  Link

Rússia - Os caminhos que levam à América Latina2014  Link


Cooperação da Rússia com Brasil e Peru: material bélico e intercâmbio de tecnologias2014  Link


 



Outras coberturas especiais


Vant

Vant

Última atualização 22 SET, 16:00

MAIS LIDAS

Brasil - Rússia