19 de Setembro, 2013 - 11:00 ( Brasília )

Aviação

ACAUÃ faz sua Primeira Decolagem Automática

ACAUÃ se torna o primeiro VANT do Hemisfério Sul a realizar uma deecolagem automática


A Flight Technologies, empresa instalada no Parque Tecnológico – São José dos Campos, participou, nos dias 14 a 20 de agosto , da Operação DPA 6 do Projeto DPA-VANT,  coordenado pelo Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial, através do Instituto de Aeronáutica e Espaço-IAE.
 
Os ensaios em voo foram executados durante a Operação DPA 6, realizada na Academia da Força Aérea (AFA), em Pirassununga, no interior de São Paulo. A etapa faz parte do projeto que tem o objetivo de desenvolver um demonstrador de tecnologia de um Sistema de Decolagem e Pouso Automáticos (DPA) para Veículos Aéreos Não Tripulados (VANT).

Nos seis voos de ensaio do protótipo de número três do Vant Acauã foram verificadas a nova configuração dos equipamentos e novas funcionalidades do software embarcado e execução dos ensaios iniciais de decolagem automática. Além disso, foram realizadas corridas no solo para comprovação do controle direcional no solo.

De acordo com o coordenador do projeto, Flavio Araripe d’Oliveira, finalizar esta etapa do projeto com sucesso significa vencer mais um desafio tecnológico. “Estamos desenvolvendo tecnologias nacionais que poderão ser empregadas no primeiro Vant de maior porte desenvolvido no Brasil para emprego operacional”, explica o engenheiro aeronáutico. A automatização do pouso e decolagem de um veículo aéreo não tripulado reduz os riscos de acidentes nestas fases, que são as mais críticas do voo. Além disso, permite operar com condições climáticas adversas, como nevoeiros, e em operações noturnas. A próxima fase do projeto é conseguir o pouso automático.
 
Para Nei Brasil, os resultados obtidos na Operação DPA 6 já coroam os 8 anos de desenvolvimento tecnológico da empresa focado em Sistemas de Navegação e Controle para Vants.
 
Sob o ponto de vista estratégico, a tecnologia do piloto automático que equipa o Acauã propicia ao Brasil domínio tecnológico sobre um dos pontos mais críticos relativos a sistemas aéreos não tripulados. Até hoje, somente países como EUA e Israel possuem esta capacitação.
 
“Com mais este avanço, estamos dando um grande passo para manter nossa soberania, sem precisarmos depender de ajuda externa ou de eventuais contratos de off set, o que nem sempre atendem aos interesses nacionais”, comenta Nei Brasil.
 
“Nosso sistema de navegação e controle para Vants, agora incorporando a capacidade de Pouso e Decolagem Automática, apresenta ainda uma grande vantagem sobre os concorrentes estrangeiros: garante a comunalidade operacional, pois pode equipar desde os sistemas menores quanto os de médio e grande porte. Hoje, estamos operando o Horus FT-100, o Sistema VT15 e o Acauã com o mesmo conceito de navegação e controle, o que é resultado de vários anos de pesquisa na área.”
 
A característica da comunalidade é modernamente buscada pelas FFAA de todo o mundo como forma de integrar várias classes de Vants sob o mesmo nível de controle, facilitando as operações reais e garantindo a otimização de treinamento e de logística. “Gostaríamos de ter a oportunidade de oferecer esta tecnologia às nossas FFAA, pois se trata de uma solução nacional cujo domínio seria mantido nas mãos de nacionais. Além disso, seria a consagração de um exitoso programa que contou com a participação das próprias FFAA, envolvendo a base industrial de defesa e com financiamento da FINEP”, complementa.
 
Saiba mais

O  Projeto DPA-VANT visa o desenvolvimento de tecnologias avançadas para viabilizar o pouso e a decolagem automática de  VANTs (Veículos Aéreos Não Tripulados) e conta com o investimento de R$ 4,5 milhões, financiados pela FINEP (Financiadora de Estudos e Projetos).
 
Gerenciado pelo Departamento de Ciência e Tecnologia Aeroespacial (DCTA), em São José dos Campos, o projeto conta com o apoio do Ministério da Defesa e a participação do Centro Tecnológico do Exército (CTEx) e do Instituto de Pesquisas da Marinha (IPqM).