COBERTURA ESPECIAL - America Latina - Geopolítica

22 de Setembro, 2014 - 00:30 ( Brasília )

INFORME OTÁLVORA - Maduro não quer que ataquem os terroristas do EI

O governo da Venezuela está privilegiando as suas relações com o Itã, Síria e Rússia ao ir opor-se às ações contra o DAESH


Nota

Texto original no Diario las Américas

Maduro no quiere que ataquen a terroristas de ISIS Link

O editor

 


EDGAR C. OTÁLVORA / ANALISTA
@ecotalvora


O Equador enfrenta uma onda de protestos conclamados por trabalhadores, indígenas e setores estudantis. Desde o dia 17SE14 os protestos são registrados em várias cidades do país. A resposta de Rafael Correa tem sido a de enfrentar os manifestantes, reprimir e prender centenas deles, com registro policiais abertos contra os estudantes para levar os de maior idade para a prisão.

No estilo de Hugo Chávez, Evo Morales, Néstor e Cristina Kirchner, Correa  acusa os trabalhadores e indígenas de  tentarem desestabilizar o seu governo.

O presidente equatoriano, atualmente em campanha para alterar a Constituição e garantir nova reeleição no cargo, disse em um comício, em 18SET14, que "a esquerda vai radicalizar sua ação para defender a revolução contra o ataque das forças conservadoras."

Á maneira de Cuba e Chaves, Correa convocou , em 17SEP14, para um comício, muitos funcionários públicos, que vieram com faixas de apoio, ao redor do Palácio presidencial de Carondelet. Correa parece disposto a incentivar seguidores para um confronto com a oposição, que acusou, no entanto, de ser violenta e de realizar ator de vandalismo.

*****

O regime venezuelano  ofereceu apoio incondicional em todos os fóruns internacionais ao Irã. Mohammad Reza Nematzadeh, Ministro da Indústria, Comércio e Minas do Irã, começou uma série de encontros para reativar as relações comerciais entre os dois Governos, em Caracas, em 16SET14.
Aagenda pública foi destinada a questões de comércio, uma das quais foi a restabelecimento dos vôos diretos, entre Caracas e Teerã. Tudo indica que a Venezuela está se preparando para servir novamente para burlar as sanções internacionais impostas ao Irã. Se anuncia um encontro iminente de Maduro com seu colega iraniano Hassan Rohani, provavelmente em Nova York.

*****

Dias antes de seu encontro com o enviado iraniano, 11SET14, Maduro condenou as operações aéreas planejadas pelos EUA e outros países contra a organização terrorista  Estado Islâmico (SI, Isis ou Daesh).

A disseminação de vídeos em que  os militantes do Daesh assassinam jornalistas ocidentais e cidadãos da Síria e do Iraque, especialmente os cristãos e curdos, gerou uma onda de rejeição em todo o mundo. Atores importantes na comunidade internacional (membros da Liga Árabe, Vaticano, OTAN) exigiram uma ação militar contra o grupo terrorista.

Em contrapartida, o Governo da Venezuela está dando prioridade às suas relações com o Irã, a Síria e a Rússia em rejeitar as ações contra o Daesh. De acordo com Maduro, o bombardeio ao Daesh seria uma "agressão" contra a Síria.

Esta declaração é uma prévia do que vai acontecer na ONU com a provável entrada da Venezuela como membro não-permanente do Conselho de Segurança para o período 2015-2016, o que daria àSíria e o Irã apoio automático.

Maduro, assim como Chávez, busca parcerias internacionais envolvendo a Venezuela em  perigosos conflitos extra-regionais.

*****

Bloqueio de sites é realizado sistematicamente pelo governo venezuelano. Usando seu status como o maior fornecedor de links para internet no país, o regime de Chávez evita que um número crescente de portais não esteja disponível para os venezuelanos. Não existe uma lista oficial das páginas bloqueadas e razões específicas em cada caso são desconhecidas. As últimas vítimas desta censura eletrônica são dois meios de comunicação colombianos, o canal de televisão NTN24 e Rede de Radio RCN, que ficaram inacessíveiss, em 17SET14.

O canal de sinal de televisão web NTN24 é proibido na Venezuela desde fevereiro último e portais da Internet têm sido periodicamente bloqueados pelo Governo da Venezuela. Sites associados com dissidentes cubanos, venezuelanos exilados e páginas dedicadas ao mercado de moeda paralela, são bloqueados na Venezuela.

*****

O Governo da Colômbia, que procura não entrar em confronto aberto com o governo Maduro, Caracas, em 18SET14, emitiu uma declaração pedindo que a  Venezuela "reveja a decisão" sobre a proibição de transmitir o sinal da NTN24.

Sobre o bloqueio em portais da internet, uma declaração do Ministério do Exterior colombiano disse que espera "que os problemas de sinal que o portal web NTN Canal 24 (www.ntn24.com), teve em  em algumas regiões da Venezuela, são  falhas técnicas e não  são as diretrizes de censura a uma midia por um bloqueio tecnológico ".

Apesar dos céticos e dúbios termos do comunicado a umdiplomata colombiano confirmou a este Informe, que erai um bloqueio intencional provocada pelo governo venezuelano.

Na quinta-feira 18SEt14, a rede de rádio RCN confirmou a censura a que estavam submetidos seus portais pela empresa estatal venezuelana CANTV, que teria bloqueado "endereços IP, nomes de domínio e registros de DNS de todo o sistema de portais de notícias RCN Radio ".

*****

O regime venezuelano está manipulando o acesso público à Internet de forma crescente. O caso mais extremo ocorreu no dia 14MAR13, quando houve um apagão total da internet na Venezuela, nas horas finais da eleição presidencial, quando Maduro  foi escolhido para substituir o recém-falecido Hugo Chávez.

Naquela época, Jorge Arreaza, genro de Chávez e vice-presidente executivo de Maduro confessou em seu Twitter, que o governo tinha ordenado um blecaute total, e afirmou que "foi uma curta manobra para evitar novos ataques de hackers conspiradores estrangeiros".

O bloqueio de páginas recrudesceu em fevereiro deste ano após os protestos de rua que sacudiram o país durante meses. Os bloqueios atuais têm sido penalidades contra a mídia que transmitem informações sobre várias mortes em hospitais na Venezuela, cuja causa ainda é desconhecida.

*****

Em 11JUN99, Hugo Chávez, visitou o presidente dos EUA George HW Bush, em Houston, Texas. Para um café da manhã de Chávez comn o chefe do clã Bush, foi acompanhado por seus filhos, George W., governador do Texas e candidato à Casa Branca.

Jeb Bush, também estava presente, que governou na Flórida e é hoje um dos potenciais candidatos do Partido Republicano para as eleições presidenciais de 2016.

O tema do encontro foi "petróleo", e o objetivo da reunião foi o de melhorar a imagem de Chávez com os setores políticos conservadores e aos poderosos do petróleo americano.

A família Bush aceitou o papel de lavar o rosto para que líder do golpe, que se tornou presidente  nação sul-americana, membra da OPEP, cuja orientação política era ainda desconhecida para a elite do EUA.

Agora se sabe que a família Bush também foi parte de um plano para abrir as portas nos EUA ao brasileiro esquerdista Lula da Silva, quando foi eleito, pela primeira vez em 2002.

*****

George W. Bush recebeu, em  10DEZ02 o presidente eleito do Brasil, Lula da Silva. Até o momento, o líder esquerdista de clara tendência pró-cubana ainda não tinha assumido, o que ocorreria em 01JAN03, foi um gesto público incomum no cerimonial da Casa Branca.

"Sr. Presidente, nesta cidade, há quem diga que uma pessoa como você não pode fazer negócios com uma pessoa como eu. Hoje estamos reunidos para mostrar que eles estão errados ", teria dito  Bush a um Lula surpreso.

O gesto de Bush foi o resultado de uma campanha diplomática executada pelo governo que terminava de Fernando Henrique Cardoso, em conjunto com a equipe de seu rival político e sucessor Lula.

Os dados são da extensa pesquisa que acaba de ser publicado no Brasil sob o título "18 dias: quando Lula e FHC se uniram para ganhar o apoio de Bush." O livro é o trabalho do pesquisador brasileiro Matias Specktor, especialista em Política Internacional e professor da Fundação Getulio Vargas.

*****

Segundo o professor Specktor, Cardoso instruiu seu embaixador em Washington, Rubens Barbosa, que colocasse a missão diplomática para apoiar  a equipe de Lula em sua viagem aos EUA.

Ministros de  Cardoso, companharam membros do grupo de Lula, em contato com a Casa Branca, o Tesouro e ao Fundo Monetário Internacional para criar um bom ambiente para o novo governo de orientação esquerdista.

"FHC não agiu por benevolência ou simpatia pessoal por Lula, mas por puro cálculo político", escreve Specktor e acrescenta "programas de sobrevivência do plano real (programa econômico projetado e implementado por Fernando Henrique Cardoso) e da reforma social dependia de aceitação nos mercados internacionais, do novo governo de esquerda no Brasil. "

O Governo do EUA teve, por sua vez, um interesse político especial para construir essa ponte para Lula. A tese foi apresentada por Condoleezza Rice, assessora de Segurança Nacional de Bush, e foi resumida como o Brasil poderia ser "um aliado útil ou um incômodo sério" nos momentos em que EUA ficaram sem parceiros na América do Sul.

Com Chávez e arengando contra os EUA, a Argentina em crise de Governo e líder cocalero prestes a se tornar presidente na Bolívia, a Casa Branca escolheu Lula como seu parceiro.

Na verdade, muitas vezes Lula disse que seus deveres como elo de ligação entre Chávez eo governo dos Estados Unidos nas crises recorrentes entre Washington e Caracas.

"Em troca de cooperação, Bush ofereceu acesso privilegiado Lula e alguma deferência. O direito americano faria o negócio com esquerda brasileira, apesar de divergências e conflitos de interesses ", conclui Specktor.