COBERTURA ESPECIAL - US RU OTAN - Geopolítica

01 de Junho, 2022 - 11:00 ( Brasília )

Presidente Biden: O que a América fará e não fará na Ucrânia


Presidente Biden: O que a América
fará e não fará na Ucrânia
(Itálicos DefesaNet)
(texto em inglês)

 

 

Joseph R. Biden Jr.
(@POTUS) é o 46º presidente dos Estados Unidos.

 

A invasão que Vladimir Putin pensou que duraria dias está agora em seu quarto mês. O povo ucraniano surpreendeu a Rússia e inspirou o mundo com seu sacrifício, coragem e sucesso no campo de batalha. O mundo livre e muitas outras nações, lideradas pelos Estados Unidos, uniram-se ao lado da Ucrânia com apoio militar, humanitário e financeiro sem precedentes.
 
À medida que a guerra continua, quero deixar claro os objetivos dos Estados Unidos nesses esforços.
 
O objetivo da América é simples: queremos ver uma Ucrânia democrática, independente, soberana e próspera com os meios para dissuadir e se defender contra novas agressões.
 
Como disse o presidente Volodymyr Zelensky da Ucrânia, em última análise, essa guerra “só terminará definitivamente por meio da diplomacia”. Cada negociação reflete os fatos no terreno. Agimos rapidamente para enviar à Ucrânia uma quantidade significativa de armamento e munição para que ela possa lutar no campo de batalha e estar na posição mais forte possível na mesa de negociações.
 
É por isso que decidi que forneceremos aos ucranianos sistemas de foguetes e munições mais avançados que lhes permitirão atingir com mais precisão os principais alvos no campo de batalha na Ucrânia.
 
Continuaremos cooperando com nossos aliados e parceiros nas sanções russas, as mais duras já impostas a uma grande economia. Continuaremos fornecendo à Ucrânia armamento avançado, incluindo mísseis antitanque Javelin, mísseis antiaéreos Stinger, artilharia poderosa e sistemas de foguetes de precisão, radares, veículos aéreos não tripulados, helicópteros Mi-17 e munição. Também enviaremos mais bilhões em assistência financeira, conforme autorizado pelo Congresso. Trabalharemos com nossos aliados e parceiros para enfrentar a crise alimentar global que a agressão da Rússia está piorando. E ajudaremos nossos aliados europeus e outros a reduzir sua dependência dos combustíveis fósseis russos e acelerar nossa transição para um futuro de energia limpa.
 
Também continuaremos a reforçar o flanco oriental da OTAN com forças e capacidades dos Estados Unidos e de outros aliados. E recentemente, dei boas-vindas aos pedidos da Finlândia e da Suécia para ingressar na OTAN, um movimento que fortalecerá a segurança geral dos EUA e transatlântica ao adicionar dois parceiros militares democráticos e altamente capazes.
 
Não buscamos uma guerra entre a OTAN e a Rússia. Por mais que eu discorde de Putin e ache suas ações um ultraje, os Estados Unidos não tentarão provocar sua deposição em Moscou. Enquanto os Estados Unidos ou nossos aliados não forem atacados, não estaremos diretamente envolvidos neste conflito, seja enviando tropas americanas para lutar na Ucrânia ou atacando forças russas. Não estamos encorajando ou permitindo que a Ucrânia ataque além de suas fronteiras. Não queremos prolongar a guerra apenas para infligir dor à Rússia.
 
Meu princípio ao longo desta crise tem sido “Nada sobre a Ucrânia sem a Ucrânia”. Não vou pressionar o governo ucraniano – em público ou privado – a fazer concessões territoriais. Seria errado e contrário a princípios bem estabelecidos fazê-lo.
 
As negociações da Ucrânia com a Rússia não estão paralisadas porque a Ucrânia deu as costas à diplomacia. Eles estão paralisados ??porque a Rússia continua a travar uma guerra para assumir o controle do máximo possível da Ucrânia. Os Estados Unidos continuarão a trabalhar para fortalecer a Ucrânia e apoiar seus esforços para alcançar um fim negociado para o conflito.
 
Agressões não provocadas, o bombardeio de maternidades e centros culturais e o deslocamento forçado de milhões de pessoas fazem da guerra na Ucrânia uma profunda questão moral. Encontrei-me com refugiados ucranianos na Polônia – mulheres e crianças que não tinham certeza de como seriam suas vidas e se os entes queridos que ficaram na Ucrânia ficariam bem. Nenhuma pessoa de consciência poderia ficar indiferente à devastação desses horrores Apoiar a Ucrânia em sua hora de necessidade não é apenas a coisa certa a fazer.

É do nosso interesse nacional vital assegurar uma Europa pacífica e estável e deixar claro que o poder não dá certo. Se a Rússia não pagar um alto preço por suas ações, enviará uma mensagem a outros possíveis agressores de que eles também podem tomar território e subjugar outros países. Colocará em risco a sobrevivência de outras democracias pacíficas. E poderia marcar o fim da ordem internacional baseada em regras e abrir a porta para a agressão em outros lugares, com consequências catastróficas em todo o mundo.
 
Eu sei que muitas pessoas ao redor do mundo estão preocupadas com o uso de armas nucleares. Atualmente, não vemos indicação de que a Rússia tenha intenção de usar armas nucleares na Ucrânia, embora a retórica ocasional da Rússia para sacudir o sabre nuclear seja perigosa e extremamente irresponsável. Deixe-me ser claro: qualquer uso de armas nucleares neste conflito em qualquer escala seria completamente inaceitável para nós, assim como para o resto do mundo, e acarretaria graves consequências.
 
Os americanos manterão o rumo com o povo ucraniano porque entendemos que a liberdade não é gratuita. Isso é o que sempre fizemos sempre que os inimigos da liberdade procuram intimidar e oprimir pessoas inocentes, e é o que estamos fazendo agora. Vladimir Putin não esperava esse grau de unidade ou a força de nossa resposta. Ele estava enganado. Se ele espera que vamos vacilar ou fraturar nos próximos meses, ele está igualmente enganado.


VEJA MAIS