COBERTURA ESPECIAL - US RU OTAN - Geopolítica

03 de Abril, 2022 - 07:10 ( Brasília )

Forças russas iniciam rápida retirada do norte da Ucrânia


As forças russas efetuam uma "rápida retirada" das zonas próximas à capital da Ucrânia, Kiev, e da cidade de Chenihiv, norte da Ucrânia, afirmou neste sábado o conselheiro da presidência ucraniana, Mykhailo Podoliak.

"Com a rápida retirada dos russos de Kiev e Chernihiv (...) está bastante claro que a Rússia escolheu outra tática prioritária: retirar-se para o leste e sul, manter o controle de vastos territórios ocupados e conquistar um poderoso ponto de apoio na área", escreveu Podoliak no Telegram. "Certamente não poderemos evitar usar armas pesadas se queremos liberar o leste e Kherson (sul) e empurrar os russos para o mais longe possível", destacou.

O governador da região de Chernihiv, Viacheslav Chaus, informou que a cidade de mesmo nome, devastada pelos combates nas últimas semanas, não sofreu novos ataques na madrugada de sábado. "Os russos se retiram da região de Chernihiv", afirmou.

O apocalíptico preço da vitória ucraniana em Irpin

© RONALDO SCHEMIDT Soldados ucranianos cruzam a ponte destruída em Irpin, perto de Kiev, em 1 de abril de 2022

"Fascistas!", diz Bogdan, de 58 anos, enquanto passeia com o cachorro com um amigo no centro deserto da cidade que não é bombardeada pela primeira vez em um mês. Seu amigo assente.

"A cada 20 ou 30 segundos ouvíamos tiros de morteiro. E assim o dia todo, só destruição", explica este operário aos jornalistas da AFP que chegaram a Irpin neste sábado. Irpin costumava ser uma elegante cidade residencial nas florestas de pinheiros a noroeste de Kiev.

Mas resistiu ao avanço das tropas russas, até se tornar o local mais próximo de Kiev, a cerca de 20 quilômetros de distância, que as forças do Kremlin alcançaram na invasão da Ucrânia. 

A cidade de parques arborizados pagou um alto preço pelos combates e suas ruas ficaram repletas de cadáveres. Voltou ao controle ucraniano depois que as forças russas se retiraram rapidamente dos arredores da capital. Agora parece mais Aleppo, na Síria, ou Grozny, na Chechênia, duas cidades devastadas por bombardeios russos. Quase nenhum edifício escapou ileso.

Os bombardeios deixaram buracos e outros danos nos modernos blocos de apartamentos em tons pastel. As ruas enevoadas estão estranhamente vazias, num cenário de carros com os vidros estilhaçados por balas e onde só se ouve o latido de cães de rua.

© RONALDO SCHEMIDT Irpin era uma cidade elegante ao noroeste de Kiev

"É o apocalipse", diz um soldado ucraniano pedindo carona para cruzar a cidade. - 'I love Irpin' - Irpin encarnou todos os horrores da guerra nos primeiros dias da invasão lançada pelo presidente russo Vladimir Putin para "desmilitarizar e desnazificar" a Ucrânia, em suas palavras.

As imagens de uma família aniquilada por um projétil ao tentar fugir e de milhares de pessoas abrigadas sob uma ponte destruída percorreram o mundo.

Nas últimas três semanas, ficou inacessível à imprensa, após a morte de um jornalista americano, pois as autoridades ucranianas garantiram que era muito perigoso. Agora, perto de uma placa no centro da cidade que diz "I love Irpin" com um coração vermelho, os poucos moradores que permaneceram contam como sobreviveram a mais de um mês de bombardeios.

"Nós nos escondemos no porão. Disparavam foguetes Grad, obuses e projéteis de blindados", diz Bogdan, que não quer revelar seu sobrenome. Andando por uma rua cortada por blocos de cimento queimados, Viktor Kucheruk pede cigarros.

"Assim que ouvíamos um disparo, corríamos para nossos abrigos", explica este homem de 51 anos. "As lâmpadas caíam com as explosões. Ficávamos sentados em um canto da casa, na parte onde as paredes eram mais grossas", diz.

Um novo conjunto habitacional com uma grande placa que diz "Irpin, Cidade Rica" carrega as marcas dos bombardeios e dois apartamentos foram completamente destruídos. As equipes de resgate ainda trabalham para recuperar os corpos e colocá-los em sacos mortuários, antes de levá-los para a ponte destruída que liga a cidade a Kiev.

A ponte está repleta de dezenas de carros queimados com marcas de tiros, que os socorristas tentam remover. Nos últimos dias, as forças ucranianas "libertaram" várias cidades e vilarejos ocupados pela Rússia perto da capital, depois que Moscou anunciou que reduziria sua ofensiva sobre Kiev.

A retirada russa desta área agora parece mais rápida. O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, afirmou que Moscou está consolidando suas tropas para um ataque ao leste e ao sul do país. Jornalistas da AFP contaram pelo menos 13 veículos blindados russos destruídos em torno da cidade de Dmytrivka, cinco quilômetros a sudoeste de Irpin.

Também observaram pelo menos três corpos de soldados russos em um comboio de oito tanques e veículos blindados destruídos. Em Irpin, onde as autoridades dizem que pelo menos 200 civis foram mortos, os moradores amenizam o sucesso da Ucrânia nesta batalha. "Recapturamos Irpin, recuperamos muitas coisas, mas a guerra não acabou", diz Bogdan.
 


VEJA MAIS