COBERTURA ESPECIAL - US RU OTAN - Geopolítica

14 de Março, 2022 - 10:00 ( Brasília )

Rússia pediu ajuda militar da China para guerra com a Ucrânia, diz imprensa dos EUA


A Rússia pediu a China ajuda militar e econômica para a guerra na Ucrânia, afirmou a imprensa dos Estados Unidos no domingo, poucas horas depois de uma advertência da Casa Branca a Pequim de que enfrentaria "sérias consequências" em caso de apoio a Moscou para evitar as sanções. Funcionários do governo americano afirmaram à imprensa que a Rússia havia solicitado equipamento militar e respaldo de seu grande aliado.

Moscou também pediu a Pequim assistência econômica para enfrentar as duras sanções impostas por boa parte do mundo ocidental, informou o jornal New York Times, que citou fontes do governos que pediram anonimato.

Pequim reagiu nesta segunda-feira com indignação às informações, mas não as desmentiu de maneira especificamente.

"Estados Unidos têm divulgado desinformação visando a China sobre a questão da Ucrânia, com intenções maliciosas", afirmou o porta-voz do ministério chinês das Relações Exteriores, Zhao Lijian, ao responder uma pergunta sobre a notícia publicada pelo NYT.

A Casa Branca anunciou que autoridades americanas e chinesas se reunirão em Roma nesta segunda-feira.

O conselheiro de Segurança Nacional, Jake Sullivan, e Yang Jiechi, principal funcionário diplomático do diplomacia do Partido Comunista Chinês, e suas respectivas equipes "discutirão os esforços em andamento para gerenciar a concorrência entre os dois países e o impacto da guerra da Rússia contra a Ucrânia na segurança regional e global", disse Emily Horne, porta-voz do Conselho de Segurança Nacional.

Pequim não condenou diretamente a invasão da Ucrânia por Moscou e culpou repetidamente a "expansão para o leste" da Otan pelo agravamento das tensões entre Kiev e Moscou, uma das principais demandas do presidente russo Vladimir Putin.

Sullivan insistiu que a Casa Branca monitora de perto se a China dá apoio econômico ou material à Rússia para ajudar o país a evitar o impacto das sanções.

"É uma preocupação para nós e deixamos claro para Pequim que não ficaremos de braços cruzados e não deixaremos nenhum país compensar as perdas da Rússia devido às sanções econômicas, afirmou ao canal CNN.

Sullivan explicou que, embora não deseje "apresentar ameaças" contra a China, o rival econômico mais importante dos Estados Unidos, "estamos comunicando direta e privadamente a Pequim que haverá consequências no caso de esforços em larga escala para evitar sanções".

A China insistiu na semana passada que a amizade coma Rússia permanece "sólida como uma rocha" e também expressou o desejo de atuar como mediador para acabar com a guerra.

China enfrentará consequências se ajudar Rússia a evitar sanções sobre Ucrânia, dizem EUA¹

O conselheiro de Segurança Nacional dos Estados Unidos, Jake Sullivan, que deve se reunir com o importante diplomata chinês Yang Jiechi em Roma na segunda-feira, alertou Pequim que certamente enfrentará consequências se ajudar Moscou a evitar sanções abrangentes sobre o guerra na Ucrânia.

Sullivan disse à CNN que os Estados Unidos acreditam que a China estava ciente de que a Rússia estava planejando alguma ação na Ucrânia antes da invasão, embora Pequim possa não ter entendido toda a extensão do que foi planejado.

Agora, disse ele, Washington está observando atentamente para ver até que ponto Pequim fornece apoio econômico ou material à Rússia e haverá consequências se isso ocorrer.

"Estamos comunicando diretamente, em particular a Pequim, que absolutamente haverá consequências", disse Sullivan. "Não permitiremos que isso avance e que haja uma tábua de salvação para a Rússia dessas sanções econômicas de qualquer país, em qualquer lugar do mundo."

Um alto funcionário do governo disse que a guerra na Ucrânia seria um "tema significativo" durante a reunião de Sullivan com Yang, que faz parte de um esforço mais amplo de Washington e Pequim para manter canais abertos de comunicação e administrar a competição entre as duas maiores economias do mundo.

"Esta reunião está ocorrendo no contexto da guerra injustificada e brutal da Rússia contra a Ucrânia, e como a China se alinhou com a Rússia para avançar sua própria visão da ordem mundial, então eu espero... impacto da guerra da Rússia contra a Ucrânia na segurança regional e global", disse a fonte.

Nenhum resultado específico é esperado da reunião, acrescentou a fonte, falando sob condição de anonimato.

¹com Reuters

 


VEJA MAIS