COBERTURA ESPECIAL - US RU OTAN - Pensamento

05 de Março, 2022 - 19:40 ( Brasília )

Gen Ex Res Etchegoyen - A Europa sem Paz




Gen Ex Res Sergio Etchegoyen
Jornal NH
05 Maio 2022



A Europa deu ao mundo gênios inigualáveis na filosofia, na ciência e nas artes ao longo de 2.500 anos da mais brilhante produção intelectual. Difícil imaginar que em alguma outra parte do planeta se tenha contribuído tanto, em áreas tão variadas, por tanto tempo, para o avanço cultural do homem. A versão mais difundida da origem da palavra Europa conta que ela foi tomada de uma princesa fenícia que, segundo a mitologia grega, depois de sequestrada por Zeus deu à luz Minotauro, criatura com corpo de homem e cabeça e cauda de touro que viveu aprisionado em um labirinto na ilha de Creta.

O Velho Continente parece repetir o trágico destino daquele ser mitológico, eternamente perdido no labirinto de suas insolúveis contradições, incapaz de encontrar a saída iluminada da paz. A guerra é a sina europeia. O esforço pela harmonia entre as soberanias que lá convivem parece interminável e inútil, voltando aos antigos gregos, uma verdadeira obra de Sísifo.
 
A culta e rica Europa tem sido ao longo dos séculos a mais grave fonte de instabilidade para o mundo. Só no século 20 gerou duas guerras mundiais e quatro genocídios: o terror stalinista, o Holodomor ucraniano, o holocausto nazista e, há apenas 25 anos, uma infame limpeza étnica nos Balcãs. A mesma Europa gestou, embalou e exportou, nesse mesmo período, três tiranias assassinas, o comunismo soviético, o fascismo italiano e o nazismo alemão que infelicitaram e escravizaram povos por todos os continentes.

A invasão russa da Ucrânia é apenas mais uma triste recaída na incurável síndrome que submete aquele continente aos efeitos devastadores de violentas e cíclicas convulsões.
 
A humanidade está paralisada sob a aterrorizante ameaça nuclear lançada por Vladimir Putin, com frieza e ira patológicas. Somos todos, mais uma vez, reféns da incontrolável compulsão belicista da Europa que tingiu de sangue seu território e os dos países que colonizou. É triste constatar a desfaçatez com que líderes daquela região discursam em defesa dos direitos humanos, da preservação ambiental, do desarmamento, do combate à fome e a hipocrisia com que se atrevem a apontar soluções a outros países para temas que são incapazes de lidar sem recorrer à violência.
 
Não se pode ser ingênuo, não há mocinhos nesta guerra. A irresponsabilidade de Putin é reação à irresponsabilidade dos hoje seus adversários. A guerra não é resultado de uma única vontade, de um único fato, mas de uma cadeia de ações e omissões que interagem com um conjunto de causas remotas e imediatas. É como uma fagulha que acende um longo pavio, suficientemente visível e lento para ser interrompido, mas que é solene e inexplicavelmente ignorado por todos.

Nosso canto do mundo, a pobre América do Sul, é, felizmente, a antítese daquele cenário de ebulição permanente. A despeito de todas as nossas conhecidas mazelas, logramos construir um ambiente de paz e estabilidade que não se repete em nenhum outro continente.
 
Neste mundo dramaticamente carente de mediadores, o Brasil, só superado pela Rússia em número de vizinhos, tem a apresentar as credenciais de uma nação provedora de paz. Mais uma vez, o cavalo da história se oferece encilhado, tomara que Brasília o perceba.


VEJA MAIS