COBERTURA ESPECIAL - Relatório Otálvora - Geopolítica

06 de Fevereiro, 2022 - 14:50 ( Brasília )

Relatório Otálvora: Castrochavismo celebra em Honduras

Uma das primeiras medidas do novo governo hondurenho foi restabelecer as relações diplomáticas com o regime chavista.

EDGAR C. OTÁLVORA
Diario las Americas
22 Janeiro 2022
@ecotalvora

 
A reativação das negociações entre o regime chavista e a oposição venezuelana foi solicitada pelo chamado Grupo de Contato Internacional (GIC) sobre a Venezuela. O grupo realizou uma reunião em 04FEV22 para avaliar a "grave situação humanitária" na Venezuela. Em comunicado assinado por Chile, Costa Rica, República Dominicana, Equador, União Européia, França, Itália, Alemanha, Holanda, Panamá, Portugal, Espanha, Suécia e Uruguai, o GIC afirma que "uma reforma abrangente do judiciário é uma oportunidade para fortalecer a igualdade de condições e a imparcialidade das futuras eleições”.

A convocação do GIC coincide com pronunciamentos semelhantes feitos pelo governo dos Estados Unidos e por porta-vozes do "governo provisório" liderado por Juan Guaidó.
 
Reduzir” as sanções impostas pelos EUA ao regime chavista, negociar condições para uma eleição presidencial que ocorreria em algum momento entre 2023 e 2025, criar um “grupo de governos amigos” para garantir quaisquer acordos, incorporar institucionalmente a ONU e ao Vaticano como coordenadores desse grupo de “governos amigos”, são elementos que estão no ambiente. As negociações que têm Noruega, Holanda e Rússia como facilitadores foram suspensas por Nicolás Maduro em 16OUT21.
 

*****

 
Pedro Castillo pode ser destituído da Presidência do Peru, seguindo normas constitucionais que autorizam o parlamento a declarar a vacância presidencial em caso de "incapacidade moral permanente" do titular. É uma fórmula constitucional vaga para o impeachment do presidente que requer dois terços dos votos parlamentares para entrar em vigor.
 

*****

 
Na noite de 04FEV2022, Castillo anunciou que procederia à nomeação de um novo gabinete ministerial apenas três dias após a posse do gabinete chefiado por Héctor Valer. No Peru, o gabinete ministerial deve ser aprovado pelo parlamento e Valer e seu gabinete não tiveram os votos necessários. Mesmo o partido que levou Castillo à presidência, liderado pelo esquerdista pró-cubano Vladimir Cerrón, chamou o gabinete de "natimorto". A esquerda está pressionando Castillo pela nomeação de um gabinete fortemente ideológico e ameaça repetidamente retirar seu apoio ao presidente. As forças democráticas peruanas, por sua vez, estão divididas entre forçar a saída de Castillo agora ou buscar um governo viável por meio de pressão parlamentar.

A fraqueza política de Castillo, que não tem partido próprio, está deixando o caminho aberto para uma aliança e conveniência entre as diferentes forças políticas que poderiam derrubá-lo.
 
*****
 
Por sua vez, Castillo tenta conquistar uma boa imagem internacional, mostrando-se distante das ditaduras de esquerda do continente e aproximando-se de outros referentes políticos. No dia 03FEV2022, Castillo viajou para Porto Velho, capital do estado brasileiro fronteiriço de Rondônia, para manter um encontro oficial com Jair Bolsonaro. Anteriormente, Castillo havia viajado em 13JAN2022 para realizar uma reunião de trabalho com Iván Duque em Villa de Leiva em Boyacá. Em 26JAN2022, Castillo retornou à Colômbia para uma cúpula de presidentes da Aliança do Pacífico, realizada na Bahía Málaga, Valle del Cauca, da qual participou como convidado o presidente equatoriano Guillermo Lasso.
 

*****

 
Em 27JAN2022, ocorreu a posse presidencial de Xiomara Castro em Tegucigalpa, Honduras, conduzida à Presidência por uma aliança da esquerda local com apoio estrangeiro aberto. Esta é a esposa de Manuel Zelaya, o ex-presidente que foi demitido em 2009 quando tentou modificar as normas constitucionais que proibiam a reeleição.
 
Manuel Zelaya, um rico empresário que era militante do Partido Liberal, tornou-se membro do Castrochavismo durante sua presidência, que começou em 2006 e recebe o apoio do Castrochavismo internacional e o apoio da esquerda local ao seu redor. Em 2008, ao mesmo tempo em que passou a contar com o apoio financeiro e petrolífero da Chavista Caracas, iniciou um processo inconstitucional para reformar a Constituição. A chegada de sua esposa à Presidência de Honduras representa a tomada do poder pela esquerda continental neste país centro-americano, que havia sido abortado em 2009.

Uma das primeiras medidas do novo governo hondurenho foi restabelecer as relações diplomáticas com o regime chavista. A chancelaria foi entregue a Eduardo Enrique Reina García, que ocupou vários cargos diplomáticos, foi Secretário Particular da Presidência durante o governo Zelaya que após sua demissão o enviou como seu "embaixador" em Washington perante o governo de Barack Obama. Naqueles dias as despesas da diplomacia do deposto Zelaya eram custeadas pelos ricos cofres do governo de Hugo Chávez.

O Ministério da Defesa Nacional de Honduras foi colocado nas mãos de José Manuel Zelaya Rosales, sobrinho do casal Zelaya Castro.
 

*****

 
Com Cristina Kirchner como oradora principal, em 26JAN2022 foi realizado um evento em Tegucigalpa para reafirmar a conexão do novo governo hondurenho com a aliança continental de esquerda. "Os povos sempre voltam" foi o título do evento e "alerta, alerta que a luta popular pela América Latina está em marcha" foi o slogan gritado pelos participantes no auditório da Universidade Nacional Autônoma de Honduras. Quase nenhuma referência a Hugo Chávez e à “espada de Bolívar” foi ouvida no comício. O mestre de cerimônias foi o jornalista Gerardo Torres Zelaya, funcionário do governo iraniano em Honduras, que em sua longa apresentação ao evento nomeou os VIPs que estavam no auditório como convidados para a posse de Castro. Havia, entre outros: Dilma Rousseff, a ex-guerrilheira salvadorenha Nidia Díaz, Piedad Córdoba, Gabriela Rivadaneira do correismo equatoriano, Citlalli Hernández o secretário-geral do partido mexicano Morena, o secretário-executivo do Fórum de São Paulo e encarregado de assuntos internacionais do PT, a brasileira Mônica Valente e o paraguaio Fernando Lugo. O apresentador descreveu o Fórum de São Paulo como “o farol da esperança” criado por Lula da Silva e Fidel Castro.
Na primeira fila de convidados estava também o espanhol Juan Carlos Monedero, fundador do Podemos, hoje figura incontornável nos eventos eleitorais e nas tomadas de poder na América Latina.
A próxima concentração de VIPs da esquerda continental acontecerá no dia 11MAR22, quando o “progressista” Gabriel Boric assumir a presidência do Chile.
 
*****
 
O filho de Xiomara Castro, Héctor Zelaya, durante seu discurso corrigiu um descuido do mestre de cerimônias que havia ignorado a presença de María Gabriela Chávez. O orador cumprimentou especialmente a filha de Chávez, que serviu como "primeira-dama" no governo de seu pai, mantém laços internacionais ativos e mostra sinais de aspirar à carreira política. María Gabriela Chávez não chegou a Honduras na delegação enviada por Maduro, mas como parte das personalidades da esquerda convocadas pelo novo governo hondurenho. O pai de María Gabriela financiou, com dinheiro do tesouro venezuelano, a vida política internacional do pai de Héctor Zelaya, que obviamente não mencionou em seu discurso. Agora, no discurso principal do evento, a vice-presidente da Argentina contou a versão esquerdista dos últimos anos na América Latina, atacou o imperialismo, o Fundo Monetário Internacional e os tribunais de seu país. Em sua reconstrução histórica, Cristina Kirchner não mencionou Hugo Chávez. Enquanto Kirchner pontificava em Tegucigalpa, em Buenos Aires o governo argentino estava prestes a anunciar um acordo com o odiado FMI de US$ 44,5 bilhões para refinanciar a dívida.
Aliás, quem estava presente pôde ver que a colombiana Piedad Córdoba estava atenta ao celular, escrevendo e lendo mensagens, com o rosto ausente, durante toda a intervenção de Kirchner. Chegaram-lhe más notícias da Colômbia.
 
*****
 
Em 27JAN2022, a delegação dos EUA chegou a Honduras, pousando na base aérea de Palmerola e não diretamente em Tegucigalpa, para onde foi transferida em dois helicópteros do regimento de Guerreiros Alados do Exército dos EUA. Kamala Harris e o rei Felipe VI da Espanha foram os líderes estrangeiros mais importantes presentes na posse de Castro. O presidente da Costa Rica, Carlos Alvarado Quesada, e o vice-presidente de Taiwan, William Lai, também estiveram presentes.
 
Os EUA mantêm uma linha de não confronto com os governos de esquerda que surgiram no continente nos últimos anos. A orientação começou durante o governo Trump com os triunfos eleitorais do mexicano Manuel López Obrador em 2018 e do argentino Alberto Fernández em 2019 e foi mantida pelo governo Biden antes da chegada ao poder de Pedro Castillo no Peru e Gabriel Boric no Chile.
Nessa linha e enquanto Tegucigalpa foi palco de uma celebração da esquerda continental, Biden enviou uma delegação de alto nível chefiada pela vice-presidente Harris, o administrador (chefe) da agência de ajuda externa USAID Samantha Power, a subsecretária de Estado para questões de crescimento econômico José W. Fernández e o Secretário de Estado Adjunto para o Hemisfério Ocidental Brian A. Nichols, que se juntaram ao representante democrata na Câmara Raúl Ruiz (Califórnia).
 

*****

 
Harris, que em 10DEZ2021 parabenizou Castro por telefone, tornou-se em 27JAN2022 o primeiro presidente estrangeiro a ser recebido por Castro e ambos fizeram uma declaração pública amigável à mídia. “Em nome do presidente Biden e de mim, desejamos todo sucesso. Agradecemos que sua eleição tenha sido democrática, que as pessoas tenham falado", disse Harris, que se referiu a um pacote de ajuda para a área da saúde, incluindo milhões de vacinas e seringas para COVID19, reforma de instalações educacionais, apoio ao envio da ONU de um comissão anticorrupção, enviando uma missão comercial de alto nível, criando "bons empregos". Em Tegucigalca havia rumores sobre a doação por parte dos EUA de um par de caminhões blindados que seriam colocados nas mãos de Xiomara Castro.
 
A percepção de Washington sobre a América Central é basicamente orientada para tentar conter a migração irregular por meio de ajuda econômica, sem que a virada pró-esquerda da região e suas alianças com a Rússia e a China pareçam preocupar muito a Casa Branca ou o Departamento de Estado.
 

*****

 
Miguel Díaz-Canel e Nicolás Maduro optaram por não viajar para Honduras, provavelmente por razões de segurança. A ditadura cubana foi representada pelo vice-presidente Salvador Valdés Mesa.

A delegação enviada por Maduro foi chefiada pelo líder chavista e governador do estado de Miranda, Héctor Rodríguez, apesar de também ter viajado seu chanceler Félix Plasencia. A escolha de Rodríguez teria respondido a três razões: a vice-presidente de Maduro, Delsy Rodríguez, estava de folga na Europa depois de participar de um debate sobre direitos humanos em Genebra.

O chanceler Plasencia não tem peso político e Maduro o considera um subordinado dos irmãos Rodríguez e; Segundo algumas versões vindas de Caracas, o não tão jovem Héctor Rodríguez está sendo considerado pelos altos hierarcas do regime para iniciar uma carreira como ministro das Relações Exteriores no estilo cubano. Rodríguez era o portador de uma carta particular enviada por Maduro a Castro.
 
Em Tegucigalpa, coincidiram dois dos candidatos à liderança do regime chavista que se diz eterno: María Gabriela Chávez e Héctor Rodríguez.


VEJA MAIS