COBERTURA ESPECIAL - Relatório Otálvora - Geopolítica

12 de Janeiro, 2022 - 20:00 ( Brasília )

Relatório Otálvora - Argentina compra presidência de entidade anti EUA


 

Edgar C. Otálvora
Diario las Américas
09 Janeiro 2022
@ecotalvora



O "governo de transição" da Venezuela, chefiado por Juan Guaidó, terá que reduzir o número de representantes diplomáticos que mantém em várias dezenas de países.

O confronto entre os quatro partidos que compõem a aliança que deu forma à presidência de Guaidó foi temporariamente adiado, por meio de uma modificação no chamado “Estatuto que rege a transição para a democracia”, aprovado em 04JAN2022, pelos deputados eleitos em 2015. O novo Estatuto estabelece um prazo de doze meses a partir de 04JAN2022 durante o qual a Assembleia Nacional funcionará por meio de uma “comissão delegada” e indica que Guaidó “exercerá suas funções” nesse mesmo período “ou” até que, dentro desse prazo, as legislações constitucionais e a ordem democrática seja restabelecida”.

A continuidade do “governo Guaidó ” foi explicitamente apoiada pelos governos dos Estados Unidos , Reino Unido, Canadá e Colômbia, desarmando assim a tentativa de derrubá-lo por forças rivais da oposição. Como reação imediata, altos funcionários do regime anunciaram o início de novas ações legais contra Guaidó e ameaçaram sua prisão.
 

*****


A nova versão do estatuto estabelece que Guaidó pode “nomear”, com prévia autorização da Assembleia Nacional, chefes de missões diplomáticas em países que reconheçam a legitimidade da institucionalidade derivada da Assembleia Nacional eleita em 06DEZ2015, “somente enquanto esse reconhecimento persiste”. Dessa forma, o setor liderado por Julio Borges e Henrique Capriles, que tentaram acabar com o “mandato” de Guaidó, conseguiu reduzir o aparato de relações políticas internacionais que é financiado com recursos liberados pelos Estados Unidos entre as contas congeladas para o Estado venezuelano.

O acordo fará com que Guaidó mantenha apenas enviados com a patente e reconhecimento de diplomatas perante os governos dos Estados Unidos, Colômbia, Canadá, Brasil, Costa Rica, Paraguai, Guatemala, França, Reino Unido e o representante permanente junto à OEA .
 

*****

O chanceler mexicano Marcelo Ebrard partiu, em 02JAN2022, para Buenos Aires, mas incluiu em sua viagem uma parada em Santiago do Chile para ter um encontro pessoal com Gabriel Boric, o esquerdista eleito presidente . Boric era a aposta no Chile do Grupo de Puebla, do qual o governo mexicano é patrocinador e faz parte. Ebrard chegou a Santiago para se encontrar com o próximo governo e não com as autoridades atuais. A reunião aconteceu, no dia 06JAN2022, nas instalações cedidas pela Universidade do Chile à Boric. O chileno estava acompanhado por Izkia Siches, a médica e ex-ativista da juventude comunista que atuou como sua gerente de campanha eleitoral.

Além de comer rosca de reyes, Ebrard e Boric confirmaram que o novo governo do Chile fará parte da aliança continental de esquerda na qual trabalham López Obrador e o argentino Alberto Fernández.

Após o encontro, a Chancelaria emitiu um curioso comunicado intitulado "México e Chile concordam em uma aliança estratégica", como se Boric já estivesse na presidência. Segundo o comunicado, “as partes destacaram a visão progressista compartilhada”. O enviado de López Obrador e o presidente eleito chileno "acordaram uma aliança para promover, junto com outros governos progressistas da América Latina e do Caribe, uma voz comum no cenário internacional para enfrentar os desafios". O internacional progressista pisará no Palacio de La Moneda em 11MAR2022.
 

*****


A longa viagem do chanceler mexicano a Buenos Aires, assim como a de dezenas de seus colegas do continente, teve o objetivo exclusivo de realizar um encontro presencial para confirmar a Argentina na presidência da CELAC, órgão continental de cuja conformação foram excluídos os Estados Unidos, EUA e Canadá.

Alberto Fernández, em sua constante luta com a ex-presidente e vice-presidente Cristina Kirchner, deseja mostrar sinais de força política e influência internacional e a convocação da reunião de chanceleres foi sua forma de demonstrar isso.

O jornalista Román Lejtman, do portal INFOBAE, de Buenos Aires, informou em 01JAN2022 que estava de posse da documentação que comprovava os gastos feitos pelo Ministério das Relações Exteriores da Argentina para garantir a presença em Buenos Aires dos representantes de Trinidad e Tobago, Guiana, São Vicente e Granadinas e São Cristóvão e Nevis. Nas práticas diplomáticas, é comum que o país anfitrião de um evento multilateral financie a hospedagem dos chefes das delegações convidadas, mas o pagamento das passagens costuma ser um recurso extremo.

 

<script async src="https://platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script>

*****


Ao chegar à presidência do México em 01DEZ2018, Manuel López Obrador e seu chanceler iniciaram o projeto de reativação da CELAC, após a cessação da organização durante as presidências do salvadorenho Salvador Sánchez e do boliviano Evo Morales, ambos de filiação castrista-chavista .praticamente em suas funções como reflexo da perda de influência continental da esquerda.
 
López Obrador propôs repetidamente a dissolução da OEA e sua substituição pela CELAC ou órgão similar e, portanto, convocou uma cúpula presidencial da CELAC, realizada na Cidade do México em 18SET2021, com a presença de quase duas dúzias de líderes.

Os esquerdistas Nicolás Maduro, Miguel Díaz-Canel e Pedro Castillo estavam entre os participantes, mas também Luis Lacalle, Mario Abdo Benítez e Guillermo Lasso. Durante a reunião presidencial, deveria ocorrer a eleição do país que exerceria a presidência do organismo, mas as contradições entre os membros da aliança castro-chavista impediram que se chegasse a um consenso. Alberto Fernández e Daniel Ortega não compareceram ao evento mexicano.


 

<script async src="https://platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script> <script async src="https://platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script>

*****


A ditadura chavista não se sente à vontade com Alberto Fernández e mantém relações diretas com Cristina Kirchner. Embora Fernández seja membro da esquerda continental e fundador do Grupo Puebla, suas tentativas de manter relações funcionais com os Estados Unidos lhe renderam insultos em Havana e Caracas.
 

*****


O plano para a Argentina substituir o México à frente da CELAC e garantir a continuidade do projeto foi acordado por López Obrador e Alberto Fernández em sua reunião de 23fev2021, na Cidade do México. Fernández, ainda na condição de presidente eleito, havia visitado López Obrador, em O4NOV2019, e nessa ocasião concordaram em coordenar suas ações de política externa. Desde então, Argentina e México têm atuado juntos em fóruns como a OEA, onde fazem causa comum contra o secretário-geral Luis Almagro e contra o governo interino de Juan Guaidó na Venezuela.

Um desses atos coordenados entre López Obrador e Fernández ocorreu em 21JUN20121. Naquele dia, por meio de um comunicado emitido pelas respectivas presidências, Argentina e México anunciaram que haviam convocado seus embaixadores junto ao governo nicaraguense para consultas para “realizar consultas sobre as preocupantes ações político-jurídicas realizadas pelo governo nicaraguense que colocaram em arriscar a integridade e a liberdade de várias figuras da oposição”.

Tratava-se da onda de prisões que a ditadura nicaraguense realizou para impedir a participação de candidatos da oposição nas votações de 07NOV2021.

A posição de López Obrador e Fernández desencadeou a fúria de Daniel Ortega, que exigiu apoio de seus aliados em Havana e Caracas, onde não se sentiam à vontade com uma possível aparição de Fernández à frente da CELAC. A avaliação em Havana e Caracas foi que, em meio a uma onda de recuperação da esquerda continental, uma organização como a CELAC deveria estar nas mãos de um aliado incondicional. Nesse contexto, surgiu a candidatura de São Vicente e Granadinas para competir com a aspiração argentina.

 

<script async src="https://platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script>

*****


O primeiro-ministro Ralph Gonsalves, o operador pró-cubano no Caribe de portas abertas no Palácio Miraflores em Caracas, que guarda em seu arquivo numerosas fotos posando com Fidel Castro, Hugo Chávez e… Donald Trump, se prestou à manobra de acusar Fernández o que eles descreveram como deslealdade à causa revolucionária.
 
Em 30JUL2021, a co-presidente nicaraguense Rosario Murillo foi a encarregada de divulgar a notícia: “Queremos informar que São Vicente e Granadinas, um país querido, um país de grande cultura de solidariedade, dignidade e respeito pela soberania do povos de 'Nossa América' (sic), enviou através da Presidência pro tempore da Celac, atualmente sediada no México, uma nota solicitando que todos os meios de comunicação circulem, o desejo, a vontade de São Vicente de se apresentar como candidato representando o Caribe na próxima Presidência pro tempore da Comunidade dos Estados Latino-Americanos e Caribenhos».

Uma comunicação dessa data do Ministério das Relações Exteriores da Nicarágua ao México informava que “O Governo de Reconciliação e Unidade Nacional da República da Nicarágua, tem a honra e o prazer de comunicar o orgulho que sentimos por apoiar a merecida candidatura de San Vicente e as Granadinas, para mostrar o CELAC no período de 2022″.

Enquanto Alberto Fernández apoiou a linha mexicana contra a Nicarágua, Daniel Ortega avançou com seus aliados Maduro e Díaz-Canel. Dado que a eleição do país que preside a CELAC requer consenso, a existência de uma segunda candidatura impediu Fernández de ser eleito na cúpula do 18SEP21, no México. O chanceler da Nicarágua, Denis Moncada, em seu discurso na reunião da CELAC no México, disse que a Argentina “tornou-se um instrumento do imperialismo norte-americano, subordinando-se a seus interesses hegemônicos, desenhando, dito por eles mesmos, com o governo dos Estados Unidos. , "uma estratégia para violar e negar a Soberania Nacional de nossa Nicarágua".

O enviado de Ortega teve o cuidado de não atacar o México, justamente o governo que planejou a retirada dos embaixadores.

 

*****


Iniciava-se uma negociação dentro do castro-chavismo que se movia para proteger Ortega, que se preparava para se proclamar vencedor de algumas votações nas quais não permitia a participação da oposição.

O retorno dos embaixadores do México e da Argentina, Gustavo Cabrera e Daniel Capitanich a Manágua, fez parte do acordo de Ortega para diminuir o nível de irritação com Fernández. Na mídia diplomática argentina, várias hipóteses estão sendo tratadas sobre as concessões que Fernández teve que fazer a Maduro e Diáz Canel para que Ralph Gonsalves retirasse sua candidatura.

Para mostrar que a aliança Castro-Chavista não foi alterada, o chanceler do governo Ortega-Murillo, Denis Moncada, foi um dos primeiros a chegar a Buenos Aires,  em 06JAN2022, para participar da reunião de chanceleres. Em seu discurso de 07JAN2022, o enviado de Ortega anunciou apoio à Argentina em relação às Malvinas e à presidência da CELAC.

O preço pago pela Argentina para domar a ditadura nicaraguense ainda é desconhecido.

O início do novo período de governo na Nicarágua, cuja legitimidade é negada pelos EUA e pela União Européia, está previsto para 10JAN2022 e o governo argentino, por meio de seu embaixador Daniel Capitanich, prometeu enviar uma delegação oficial que, na prática, validaria o governo ilegal da família Ortega-Murillo. Na última hora, Argentina e México concordaram em não enviar delegações oficiais à “inauguração” de Daniel Ortega, nem mesmo em nível baixo, delegando representação a seus embaixadores em Manágua.
 
Sem votação, com aplausos como sinal de consenso, Alberto Fernández foi escolhido em 07JAN2022 para ocupar o cargo de presidente pro tempore da CELAC. No dia seguinte, sua chancelaria anunciou que seu chanceler Santiago Cafiero se preparava para viajar a Washington onde seria recebido, provavelmente no dia 18JAN2022, pelo secretário de Estado Antony Blinken.

 

*****


O governo brasileiro se absteve de comparecer a Buenos Aires por permanecer fora da CELAC. A Colômbia participou da reunião da CELAC, mas não enviou sua Vice-Presidente e Chanceler Marta Lucía Ramírez, que delegou representação à Vice-Ministra de Assuntos Multilaterais, María Carmelina Londoño. A delegação colombiana se retirou da Cúpula Presidencial da CELAC realizada no México em 18 e 21 de setembro, quando foi oficializada a participação de Nicolás Maduro no evento.

Governo da Colômbia rejeita participação de Maduro na cúpula da CELAC

“A CELAC não substitui, mas complementa a OEA”, disse a vice-ministra Londoño, que leu o discurso preparado por seu chefe. "A Colômbia rejeita afirmações como as que foram feitas repetidamente nos últimos meses, de que fortalecer a Celac vai no sentido de enterrar a OEA, porque nunca apoiaremos essa possibilidade."

Além disso, sem mencioná-los, afirmou que pelo menos três países da CELAC sofrem violações da democracia e dos direitos humanos. H H. O representante colombiano rejeitou as intenções de "dar as costas" aos EUA e ao Canadá, chamando a atenção para o fato de que o México propõe o fechamento da OEA, mas mantém relações especiais com os dois países.

 

*****


A possibilidade de o presidente brasileiro Jair Bolsonaro não aparecer nas eleições presidenciais de 02OUT2022 surgiu novamente.

Bolsonaro teve férias de fim de ano hiperativas no sul do estado de Santa Catarina. De lá foi transferido para São Paulo onde foi internado na madrugada do dia 03JAN2022. A internação e o diagnóstico oficial (obstrução intestinal) foram relatados pelo próprio Bolsonaro em sua conta no Twitter, com uma foto do paciente incluída, logo após sua internação no Hospital Nova Star. A esposa de Bolsonaro, Michelle Bolsonaro, escreveu em seu relato no Instagram que a hospitalização do marido se deveu às consequências do atentado que sofreu a 06SEP18 a meio da campanha eleitoral daquele ano e que o obrigou a várias cirurgias.

 

*****


O médico Antonio Luiz Machado, que trata de Bolsonaro desde que salvou sua vida em 2018, foi mobilizado em voos especiais das Bahamas ao Brasil para atender à nova emergência presidencial. Depois de dois dias no hospital, o paciente e seu clínico geral relataram que o desconforto de Bolsonaro era devido ao fato de não ter mastigado corretamente alguns camarões. A explicação deixou mais dúvidas do que luzes porque uma versão sugere que a crise presidencial se desencadeou por uma questão de hábitos alimentares. Mas as potenciais complicações de saúde do presidente como resultado da tentativa de assassinato de 2018 também são expostas.
 

*****


Fontes próximas à família presidencial brasileira, consultadas para esta reportagem, indicam que Bolsonaro não pretende abandonar a corrida presidencial sob nenhum critério.

Tanto Lula da Silva quanto Jair Bolsonaro, cada um por motivos de saúde diferentes, podem não se apresentar como candidatos, mas de ambos os lados há uma decisão política de avançar para eleições que podem redesenhar o contexto político de toda a região. Pesquisas de quase um ano mostram Lula da Silva dobrando a intenção de voto de Bolsonaro. Espera-se que essa diferença tenda a diminuir nas próximas semanas. Uma pesquisa circunscrita ao Distrito Federal, divulgada pela revista Veja em 06JAN2022, revela uma leve vantagem de Bolsonaro sobre Lula. Brasília não é decisiva nos resultados eleitorais do Brasil, mas essa pesquisa pode indicar uma tendência de melhora dos números de Bolsonaro.

Nota DefesaNet

A posse de Daniel Ortega na Nicaragua teve uma desagradável surpresa para os argentinos. Foi a presença do terrorista iraniano Mohsen Rezai implicado no atentado da AMIA. Um nervo exposto ainda hoje na política argentina  


Quarteto de ouro: Nicolas Maduro, Mohsen Rezai (Irã), Daniel Ortega (assumindo o quinto termo como presidente) e Canel (presidente de Cuba)

 

<script async src="https://platform.twitter.com/widgets.js" charset="utf-8"></script>

VEJA MAIS