COBERTURA ESPECIAL - Relatório Otálvora - Geopolítica

07 de Novembro, 2021 - 23:00 ( Brasília )

Relatório Otálvora: modelo chavista venezuelano implementado na Bolívia

Implementar o modelo de controle social do chavismo na Bolívia parece ser o objetivo de Morales e seus sócios


Edgar C. Otálvora
Diario las Américas
6 de novembro de 2021
@ecotalvora

Porto Rico entrou na pauta das próximas tarefas do Fórum de São Paulo . Em sua reunião 24OUT21 realizada na Cidade do México, a aliança dos partidos de esquerda Castro-Chavista decidiu avançar a questão da “independência de Porto Rico”.

*****

O Senado boliviano, controlado pelo partido MAS (Movimiento Al Socialismo), de Evo Morales, aprovou na manhã, de 02NOV2021, uma nova lei de promoções militares que exclui o Ministro da Defesa dos comitês de avaliação de promoções e até mesmo retira o poder de sugerir promoções. A medida que visa concentrar as novas promoções militares em mãos presidenciais é a mais recente tomada pelo governo cada vez mais totalitário liderado por Luis Arce e vigiado por Evo Morales, que puxa os cordéis desde a região de Cochabamba. Implementar o modelo de controle social do chavismo na Bolívia parece ser o objetivo de Morales e seus sócios.
 


*****

As Forças Armadas bolivianas não acompanharam a tentativa fraudulenta de Morales de se proclamar reeleito nas eleições de 20OUT19, o que levou à renúncia presidencial e sua saída precipitada para o exterior. Os militares bolivianos, como todos os demais poderes públicos, reconheceram a constitucionalidade da ascensão da senadora Jeanine Añez à presidência, dado o vazio deixado pelas renúncias de Morales, do vice-presidente Álvaro García Linera e da liderança do Congresso de afiliação massista. Enquanto isso, Morales, da Cidade do México, tentou sem sucesso coordenar uma explosão social para derrubar o governo recém-inaugurado de Jeanine Añez.

Após a posse presidencial do masista Luis Arce em 08NOV2020 e o retorno de Morales um dia depois, um processo semelhante ao seguido por Hugo Chávez teve início na Bolívia, após sua renúncia na crise de abril de 2002 e pedido para deixar a Venezuela para Cuba. O retorno de Chávez à presidência e do massismo na Bolívia são marcados por uma aceleração das medidas de controle hegemônico do país e um aumento da ingerência cubana. A imposição da versão de que houve um golpe também é um elemento comum em ambos os casos, que procura ocultar o fato de que as renúncias de Chávez e Morales foram causadas por fortes protestos cívicos.

O próprio Morales tornou público, que pelo menos duas viagens à Havana e uma à Caracas, quando residia na Cidade do México e em Buenos Aires em 2020, tiveram como objetivo coordenar as operações de retomada e permanência no poder.

*****

Algumas das medidas tomadas pelo governo Castro-Chavista na Bolívia.
 

*** Constituição de grupos de choque teoricamente constituídos por militantes do MAS e “movimentos sociais” com o propósito de enfrentar violentamente a oposição e reproduzir o esquema de “marchas-contra-marchas” imposto pelo Chavismo na Venezuela. Os grupos de choque, agora institucionalizados, já foram utilizados por Morales para enfrentar com violência protestos, inclusive de indígenas, em diversos momentos de seu mandato.
 


*** Prisão dos dirigentes do governo de transição acusados ??de golpe de Estado. Abertura de processos judiciais aos principais líderes políticos que intervieram na solução política após a renúncia de Morales. A ex-presidente Jeanine Añez está presa, desde 13MAR2021, sob a forma de “prisão preventiva”, enquanto periodicamente a promotoria do regime inicia novos processos judiciais contra ela e nega-lhe o direito de ser processada em liberdade a que tem direito em virtude de sua condição de ex- presidente. O controle do massismo do judiciário levou até o Tribunal Constitucional Plurinacional a emitir, em 29SET2021, uma decisão segundo a qual a transição para a presidência a favor de Jeanine Añez não ocorreu e, portanto, em 2019 houve um “golpe de estado” e conseqüentemente, a ex-presidente não era presidente. A decisão do TCP chama a atenção porque aquele órgão em 03JAN2020, por ocasião do início do ano constitucional, recebeu Añez na qualidade de "Presidente do Estado Plurinacional da Bolívia" e seu então e atual presidente Paul Franco a recebeu e saudou nesses termos .

 

*** Modificações legais para criar novas formas de perseguição judicial contra oponentes. O governo do MAS pretende aprovar uma lei chamada "Contra a Legitimização de Lucros Ilícitos, Financiamento contra o Terrorismo e Financiamento da Proliferação de Armas de Destruição em Massa" que tipifica novos crimes na forma da "Lei Orgânica contra o Crime Organizado e Financiamento do Terrorismo" estabelecido na Venezuela pelo regime chavista em 2012 e da lei contra “Lavagem de Dinheiro, Financiamento do Terrorismo e Financiamento da Proliferação de Armas de Destruição em Massa” imposta pela ditadura da Nicarágua em 2019. Na Venezuela e na Nicarágua essas “leis” são invocadas pelos respectivos regimes para abrir processos judiciais à oposição organizada.

 

*** Expurgo do partido dos dirigentes que não seguiram a linha ditada por Evo Morales do México em 2019 em termos de sabotar o funcionamento do governo Añez e gerar protestos violentos nos principais conglomerados. O caso mais notável é o da jovem líder masista Eva Copa, impedida por Evo Morales de ser candidato do MAS a prefeito de El Alto nas eleições de 2020. A Copa assumiu a presidência do Senado boliviano em 2019, permanecendo na oposição ao Añez governo, mas mantendo uma posição institucional. Copa venceu as eleições e é o atual prefeito da segunda cidade mais populosa da Bolívia. Em contrapartida, Evo Morales patrocinou a promoção à presidência do Senado do jovem cocheiro líder Andrónico Rodríguez.

 

*** Reestruturação do aparelho de informação do Estado. A agência de notícias ABI do governo boliviano, assim como o sistema de meios de comunicação, foi interveio desde a primeira semana do governo Luis Arce. Os meios de comunicação abandonaram o amplo leque de informações que mantinham mesmo durante os governos Morales para modificar seu conteúdo e torná-lo propagandístico, apenas para informar sobre as posições oficiais e para cobrir acontecimentos estrangeiros em consonância com a aliança Castro-Chavista.

*****

Além de garantir a Bolívia como governo satélite do eixo Havana-Caracas, Evo Morales tornou-se o principal operador regional Castro-Chavista. Lula da Silva está ocupado tentando reconstruir sua capital política no Brasil, Nicolás Maduro e Rafael Correa estão potencialmente “presos” em um aeroporto, Pepe Mujica se recusou a assumir o papel de líder continental, os VIPs restantes da esquerda regional preferem atividades confortáveis ??via Internet do Grupo Puebla. Morales é o encarregado de co-governar a Bolívia da região Cochabamba de Cochabamba e viajar para participar de dezenas de eventos de organizações de esquerda no México, Argentina ou Peru. Para saber em que se move a esquerda de Castro-Chavista, basta seguir o rasto de Evo Morales.

 

Um projeto de especial importância é a consolidação do governo do esquerdista Pedro Castillo no Peru e sua franca filiação à aliança Castro-Chavista. Morales está trabalhando para criar uma instância de coordenação política dos "movimentos sociais" sul-americanos, incluindo povos indígenas, camponeses, cocaleiros, chamada Runasur. Na linguagem da organização, a América não se chama América, mas Abya Yala. O objetivo do Runasur é "anticolonial, antiimperialista e anticapitalista", o epicentro da produção de coca boliviana está sediado em Cochabamba e realizará sua primeira grande reunião de cúpula em 20-21 de dezembro 21. Já em Lima, durante reuniões promovidas por colaboradores próximos de Pedro Castillo, Morales insistiu na necessidade de unificar as organizações cocaleiras do Peru e da Bolívia.

*****

Desde a inauguração de Pedro Castillo em 28 de julho de 21, Morales já visitou Lima em diversas ocasiões. Por sua vez, Castillo fez uma viagem inusitada a La Paz em 30OCT21, na qual foi acompanhado pelo Presidente do Conselho de Ministros e quatorze membros de seu gabinete. Nos dias anteriores, cinquenta funcionários bolivianos, incluindo vice-ministros, viajaram para a capital boliviana. Castillo e seu homólogo boliviano assinaram vários acordos, inclusive sobre segurança e defesa, mas essencialmente avançaram no projeto de Evo Morales de estabelecer mecanismos de defesa da revolução nos dois países.

*****

No dia 04NOV2021, a embaixadora do governo de Manuel López Obrador na Argentina, Lilia Rossbach, ofereceu o lançamento de um livro. O que poderia ser uma atividade diplomática usual foi na verdade um evento que revelou a crescente atividade política que a aliança Castro-Chavista desenvolve em todo o continente.

Dois dias antes, Evo Morales chegou a Buenos Aires a bordo de um jato do governo venezuelano cuja presença no aeroporto de Buenos Aires chamou atenção por se tratar de uma das aeronaves que constam da lista de ativos da PDVSA bloqueados pelo Departamento do Tesouro dos Estados Unidos. Nenhum cidadão ou empresa dos EUA pode conduzir transações comerciais envolvendo o Bombardier LearJet 45 com a sigla YV2716. Morales chegou à Argentina em paralelo com o equatoriano Rafael Correa para participar de diversos eventos, sendo o principal deles a apresentação do livro “Evo: Operação de resgate”. O livro foi escrito pelo espanhol Alfredo Serrano Mancilla, do partido Podemos, que nos últimos anos se tornou o "assessor" político, eleitoral e econômico dos governos Castro-Chávez.

Serrano escreveu um livro para dar corpo à versão segundo a qual a saída de Morales da Bolívia, em 2019, foi devido a um golpe. O presidente argentino Alberto Fernández e Rafael Correa estiveram presentes na apresentação do livro.

A convocatória para a segunda reunião das cidades de Abya Yala, a ser realizada em Cusco (Peru) nos dias 20 e 21 de dezembro, é um dos pontos da chamada “Declaração de Buenos Aires”, emitida no final da segunda Encontro técnico Runasur realizado nesta quarta-feira na capital argentina com representantes de diversos países.

*****

Circulam boatos em Brasília segundo os quais Lula da Silva não se candidataria nas eleições de 02OUT2022. Embora existam algumas versões sobre problemas de saúde potencialmente incapacitantes, tudo indica que o ex-presidente e ainda réu em diversos processos por corrupção, se prepara para se apresentar como candidato por uma ampla frente de esquerda brasileira. Todo o PT está focado em apoiar as aspirações de Lula e financiar os gastos associados às mobilizações do candidato e de sua equipe de penetração nas redes sociais da Internet, além disso Lula recebe um salário de seu partido.

Viúvo desde 2017, até a alardeada relação com uma amante de longa data, Rosângela “Janja” Silva, está sendo usada por seu aparato de propaganda como sinal de força aos 76 anos. Lula é acompanhado por toda parte, como nos dias de seus dois governos, por seu fotógrafo pessoal Ricardo Stucker, cuja remuneração foi estimada pela revista Cruzoe em US $ 5 mil mensais com o fundo partidário do PT alimentado com recursos do tesouro brasileiro.

A avaliação que fazem sobre o terreno de Lula é análoga à que prevalece nos setores que apóiam Jair Bolsonaro: o jogo das eleições de 2022 será altamente polarizado entre dois rivais que, segundo a narrativa generalizada, se defrontam ideologicamente.
 

*****

No dia 22AGO2021, a parceira de Lula, em suas contas no Twitter e no Instagram, publicou uma trabalhada fotografia capturada pelo fotógrafo oficial de Lula há mais de 20 anos por Stuckert, em uma praia do Ceará. “Boa noite com esta bela lua cheia no Ceará” escreveu Janja, como legenda da foto que lhe mostra com una camiseta com o rosto de Lula estampado, em curto traje banho, lhe abraça pelas costas em uma noite de lua cheia à beira do mar. A cena foi cuidadosamente construída e o local foi até vigiado por policiais. Em outras fotos de Stuckert, tiradas durante os dias de Lula no Nordeste, pode-se ver o papel de Janja como zeladora dos detalhes pessoais da imagem de Lula. “Para tranquilizar corações e mentes, por trás das câmeras, eu e uma equipe de Lula continuamos atentos ao cuidado” é o texto que Janja escreve sobre as imagens que a mostram ajustando a máscara ao virtual candidato à presidência. Em meio a atividades políticas, Lula e Janja tiveram tempo de ir à Ilha do Amor, em São Luís Maranhão, onde também houve um ensaio fotográfico na praia.
 

*****

Em 01NOV2021, morreu em Madri o diplomata venezuelano Fernando Gerbasi. Ingressou no serviço externo em 1968 e seu trabalho o levou a chegar ao posto de Embaixador, representando a Venezuela perante os governos da Colômbia, Itália, Brasil, República Democrática Alemã e perante diversos organismos multilaterais.

Eu compartilhei com Gerbasi quando os governos da Venezuela e da Colômbia realizaram negociações para o desenvolvimento das áreas de fronteira no início dos anos 90, depois atuamos como vice-ministros do governo de Ramón J. Velásquez. Em 2009, o aparato de propaganda do regime chavista nos acusou, junto com Nelson Bocaranda e outros venezuelanos, de tentar desestabilizar o governo com a questão das negociações de fronteira de Hugo Chávez para o Golfo da Venezuela. Eventualmente, iríamos coincidir todos os domingos na missa das seis horas na paróquia "La Ascensión del Señor" em Caracas até que, no início de 2014, Fernando e sua esposa não foram mais a essa missa por causa do Ministério Público do regime a pedido de Nicolás Maduro emitiu um mandado de prisão contra ele. Ele morreu fora da Venezuela perseguido pelo regime chavista. O Relatório Otálvora perde um leitor e o editor um divulgador e ... um amigo.


VEJA MAIS