COBERTURA ESPECIAL - Malvinas-Falklands - Geopolítica

04 de Janeiro, 2022 - 21:00 ( Brasília )

Malvinas/ Falklands: Frota inglesa carregou 31 bombas nucleares na guerra de 82

A informação vem de arquivos desclassificados no Reino Unido, 40 anos após o conflito. A maioria deles estava nos porta-aviões HSM Hermes e HSM Invincible.


Natasha Niebieskikwiat
Clarin
Buenos Aires
04 Janeiro 2021

 
Em coincidência com os 189 anos de ocupação britânica das Ilhas Malvinas que se ocorreram ontem (03JAN) e com os anúncios do governo nacional sobre como serão as suas atividades quando se completarem, em abril, os 40 anos da guerra anglo-argentina, surgem documentos provocantes e altamente confidenciais.

O jornalista Richard Norton Taylor (Declassified.UK) disse ter acessado um novo documento desclassificado do Arquivo Nacional do Reino Unido, que afirma que as forças armadas de seu país possuiam  31 armas nucleares na frota que paarticipou da guerra das Malvinas/Falklands, em 1982. Norton Taylor disse que 12 dessas armas estam  no HMS Invincible, onde o príncipe Andrew serviu durante a guerra. E também que nas discussões febris entre militares e diplomatas surgiu o medo da ex-URSS. Se usassem armas no Atlântico Sul, poderiam ficar desprotegidos contra o poder soviético.

O jornalista, que escreveu durante três décadas no jornal The Guardian sobre segurança e defesa, publicou ontem um extenso artigo intitulado no portal "Desclassified UK". Lá ele aponta que em meados de maio de 1982, o porta-aviões britânico HMS Hermes tinha 18 armas nucleares a bordo e o porta-aviões HMS Invincible tinha 12; enquanto o navio auxiliar da Frota Real Regent possuía um. Lá eles foram considerados "mais protegidos". "Os navios estavam dentro da 'Zona de Exclusão Total' imposta pela Grã-Bretanha ao redor das Ilhas Malvinas", afirmam os documentos.

O que se sabia até agora

Foi somente em 2003 que a Grã-Bretanha admitiu que vários dos navios que a ex-primeira-ministra Margaret Thatcher enviaram ao Atlântico Sul para expulsar à força os militares argentinos que, por decisão do ditador Leopoldo Galtieri, haviam reocupado militarmente as ilhas portavam armas atômicas. Mas o que é diferente agora é que Norton Taylor revela uma série de armas que até agora não haviam sido relatadas. Ele afirma que isso "não foi divulgado antes que este documento fosse transferido para os Arquivos Nacionais em Kew, a sudoeste de Londres".
 
Conforme apurou o Clarín, a informação de Norton advém do fato de todos os arquivos da Grã-Bretanha, após 30 anos, serem encaminhados para o Arquivo Nacional. E esta informação deve ser acessível a todos os cidadãos que dela necessitem.

Em 2003, o Ministério da Defesa britânico também reconheceu que houve “incidentes” no transporte dessas armas, como contêineres danificados em seus carregamentos sem danificar as armas. O professor Sir Lawrence Freedman, o historiador britânico oficial da Guerra das Malvinas, também escreveu sobre isso quando reconheceu que armas nucleares foram despachadas de Gibraltar para as ilhas.

E na época, o psicanalista do ex-presidente da França François Mitterrand assegurou em um livro que Thatcher pretendia usar armas nucleares em território argentino para definir de uma vez por todas a guerra pelas Malvinas se as forças de seu país se vissem em dificuldades .

Ali Magoudi, o psicanalista do falecido Mitterrand, escreveu que esse plano era lançar as bombas na província de Córdoba (onde  funciona a Fábrica de Aeronaves Argentina - FAdeA), mas foi abortado pela decisão de Mitterrand de colaborar com a Dama de Ferro, dando-lhe informações sobre as armas que a França havia vendido para a Argentina.

Na época, o ex-presidente Néstor Kirchner exigiu explicações de Londres. A Argentina, que mostrou ter mais códigos militares humanitários na guerra do que os britânicos, sempre denunciou a nuclearização do conflito. Mas nenhum governo se atreveu a levar o naufrágio do Crucero General Belgrano aos tribunais internacionais, no qual morreram mais de 323 argentinos, de um total de 649 mortes neste país e 255 na Grã-Bretanha.



As informações de Norton Taylor

O jornalista e escritor lembra que o problema contido nos Arquivos Nacionais de seu país foi marcado como "Top Secret Atomic". E que o problema causou "pânico" e discussões entre as autoridades de Londres sobre os danos físicos que as armas poderiam causar. tipo de decisões políticas que lhes convinha ou não tomar.

Assinala que um ato do Ministério da Defesa, datado de 6 de abril de 1982, referia-se à "grande preocupação" de que algumas das "bombas nucleares de profundidade" pudessem ser "perdidas ou danificadas e o fato tornado público". A ata, acrescentou Norton, disse que "as repercussões internacionais de tal incidente podem ser muito prejudiciais". Sempre se disse que a ideia britânica era disparar essas armas, a princípio, contra submarinos. Surgiu então uma disputa entre a Defesa e o Foreign Office, que pedia ao primeiro "desarmar" as armas. Mas a Marinha recusou, observa Norton.

O Ministério da Defesa tomou nota dos principais argumentos a favor da manutenção das armas a bordo e, de acordo com a investigação de Norton, afirmou: "Em caso de tensão ou hostilidades entre nós e a União Soviética ao mesmo tempo que a Operação Corporativa [a nome de código dado à libertação das Malvinas/Falklands], a capacidade militar de nossos navios de guerra seria drasticamente reduzida."

Um documento no arquivo afirma, de acordo com acessos de Norton, que não havia risco de uma "explosão do tipo bomba atômica". Mas havia uma ameaça de "remoção de material físsil" se qualquer uma das armas fosse danificada, o que poderia levar a até 50 "mortes adicionais" por câncer.

Em sites especializados é relatado que a fissão nuclear "é uma reação em que um núcleo pesado, quando bombardeado com nêutrons, torna-se instável e se decompõe em dois núcleos, cujos tamanhos são da mesma ordem de magnitude, com grande derramamento de energia e emissão de dois ou três nêutrons".

Mas Norton ressalta que para os britânicos mesmo que não houvesse contaminação em caso de arma nuclear danificada ou afundada, os argentinos poderiam se apossar da tecnologia nuclear e “poderíamos ter que enfrentar uma grande vergonha no campo da não proliferação .

"A Royal Navy rejeitou um plano para descarregar as armas na base britânica na Ilha de Ascensão, no Oceano Atlântico Sul. Ela disse que isso atrasaria a passagem da força-tarefa para as Malvinas e que a operação não seria mantida em segredo", disse Norton. Foi então que eles foram transferidos para os navios mencionados.

Norton também observa que o Ministério das Relações Exteriores temia que a presença de armas nucleares no Atlântico Sul violasse oTratado de Tlatelolco de 1967, que estabeleceu uma zona livre de armas nucleares na América Latina e nas águas vizinhas, incluindo as Malvinas/Falklands.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


PM

PM

Última atualização 26 JAN, 17:00

MAIS LIDAS

Malvinas-Falklands