COBERTURA ESPECIAL - Guerra Informação e Híbrida - Geopolítica

03 de Agosto, 2021 - 09:30 ( Brasília )

EUA promete 'resposta coletiva' ao ataque contra petroleiro atribuído ao Irã


A pressão sobre o Irã aumentou nesta segunda-feira (2), depois que os Estados Unidos prometeram uma "resposta coletiva" ao ataque contra um petroleiro administrado pela empresa de um israelense, que foi atribuído a Teerã.

"Haverá uma resposta coletiva", disse o chefe da diplomacia americana, Antony Blinken.

"O Irã continua agindo de forma tremendamente irresponsável", afirmou. "As ações iranianas são uma ameaça direta à liberdade de navegação", disse Blinken um dia depois de ter acusado o Irã de ter cometido este ataque no mar de Omã.

Autoridades iranianas desmentiram no domingo qualquer vínculo com o ataque ao petroleiro "Mercer Street", gerido pela empresa do magnata israelense Eyal Offer. Um britânico e um romeno morreram no ataque que, segundo Washington, foi executado com "drones explosivos".

Reino Unido, Romênia e Israel estão entre os aliados com os quais Washington coordenou ações, disse Blinken.

O Irã prometeu nesta segunda responder a qualquer "aventura" contra o país, após as ameaças de represálias dos Estados Unidos e de Israel.

"A República Islâmica não vai hesitar em proteger sua segurança e seus interesses nacionais", disse o porta-voz de Assuntos Exteriores, Saïd Khatibzadeh.

O Irã "responderá imediatamente e de forma decisiva a qualquer aventura", acrescentou.

Provas ou acusações infundadas?

Este novo episódio ocorre na véspera da posse do novo presidente iraniano, o ultraconservador Ebrahim Raisi, que inicia seu mandato de quatro anos.

O Irã é um inimigo declarado dos Estados Unidos, com os quais não mantêm relações diplomáticas desde 1980 e Israel, cuja existência não reconhece.

Na sexta-feira, no dia seguinte ao ataque, o ministro israelense de Relações Exteriores, Yair Lapid, acusou o Irã de ser "um exportador de terrorismo, de destruição e instabilidade, que afetam todo o mundo".

O ministro da Defesa de Israel, Benny Gantz, disse na segunda-feira perante o Parlamento: "É exatamente por essa razão que devemos agir agora frente ao Irã (...) Esta não é uma ameaça futura, mas um perigo concreto e imediato".

O Irã refutou todas as acusações. "O regime sionista (Israel) deve parar de lançar este tipo de acusações infundadas", respondeu Khatibzadeh.

No entanto, o primeiro-ministro de Israel, Naftali Bennett, disse ter "provas" sobre o envolvimento do Irã.

Na mesma linha de Israel, Blinken afirmou que Washington está "certo de que o Irã havia cometido o ataque".

Depois que Israel ameaçou com represálias e Washington, com uma "resposta apropriada", o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, advertiu que o Irã "deve enfrentar as consequências" por um ato "inaceitável e escandaloso".

"Via diplomática"

O Reino Unido pediu ao Irã que "cesse imediatamente as ações que põem em risco a paz e a segurança regionais e internacionais".

O primeiro-ministro britânico advertiu nesta segunda que o Irã deverá "enfrentar as consequências" de "um ataque inadmissível e escandaloso contra um navio comercial" no qual "um cidadão britânico foi morto".

"É absolutamente essencial que o Irã, como todo país, respeite a liberdade de navegação no mundo e a Grã-Bretanha continuará insistindo nisso".

Londres e Bucareste convocaram seus respectivos embaixadores iranianos.

O Irã, que também convocou o encarregado de negócios no Reino Unido, avaliou que "a fonte da insegurança no Golfo Pérsico não é o Irã, mas a presença de navios e forças militares alheios à região".

Há anos, Israel e Irã se enfrentam direta ou indiretamente no Líbano, na Síria, no Iraque e na Faixa de Gaza. Mas nos últimos meses, esta rivalidade chegou aos mares, após uma misteriosa sequência de sabotagens e ataques.

O ataque de quinta-feira foi a última manifestação de inimizade entre o Irã e Israel.

Em março, o jornal The Wall Street Journal reportou que Israel atacou com minas submarinas desde o fim de 2019 a pelo menos uma dúzia de navios em direção à Síria que transportavam, em sua maioria, petróleo iraniano.

"Se têm provas para manter suas afirmações infundadas, que as proporcionem", disse na segunda-feira Khatibzadeh, ao mesmo tempo em que condenou Londres e Washington por se manterem em "silêncio" diante destes "ataques terroristas" contra "navios comerciais" iranianos.

O Irã é "um mau protagonista do cenário internacional (...), mas continuamos pensando em buscar a via diplomática", disse a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, que também reiterou a vontade dos Estados Unidos de salvar o acordo nuclear iraniano.

O retorno a esse acordo deixaria os Estados Unidos "em uma posição melhor para responder aos outros problemas", acrescentou.

 


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


Task Force Brazil

Task Force Brazil

Última atualização 21 SET, 01:00

MAIS LIDAS

Guerra Informação e Híbrida