COBERTURA ESPECIAL - Guerras Híbridas Latinas - Geopolítica

28 de Agosto, 2021 - 00:30 ( Brasília )

Relatório Otálvora: Brasil, Colômbia e a OEA na mira do Castro-Chavismo

Gustavo Petro e Lula são as apostas do Castro-Chavismo. Também trabalha paraa tomar o poder na OEA.

Relatório Otálvora: Brasil, Colômbia e a OEA na mira do Castro-Chavismo

Edgar Otálvora
Diario Las Americas
27 de Agosto de 2021
@ecotalvora

 
A esquerda continental se move para recuperar os espaços de poder e influência que teve na década passada e a "batalha pela OEA" poderá acontecer em novembro próximo na Guatemala.
 
As eleições presidenciais que devem ocorrer na Colômbia e no Brasil em 2022 começam a levantar dúvidas sobre o futuro político continental. Nos dois países, as opções democráticas transformadas em arquipélagos estão fragilizadas e enfrentam a possibilidade do retorno do PT à presidência brasileira e da chegada à Casa de Nariño de um membro da esquerda continental.
 

*****

As pesquisas eleitorais brasileiras Datafolha e XP / Ipespe dão à Lula da Silva mais de quarenta pontos percentuais de intenção de voto, sobre o presidente Jair Bolsonaro. No clima tenso que existe na política brasileira, os números dos pesquisadores são questionados, pois não parecem corresponder às massivas mobilizações em favor de Bolsonaro e às esquálidas atividades presididas pelo PT. Mas as tendências das pesquisas parecem, de qualquer forma, confirmar que os nomes na mesa para as eleições 02OUT2022 seriam os de Lula e Bolsonaro.

O atual presidente já apagou de suas propostas políticas qualquer agregado “liberal”, retomou posições corporativistas e como parte de sua ação governamental com vistas às eleições está a continuidade de programas massivos de distribuição de subsídios iniciados durante os governos do PT. A rejeição da classe política que Bolsonaro exerceu em sua campanha presidencial de 2018 não existe mais e em seu governo as várias siglas partidárias do chamado “centrão” têm cotas de poder.

Lula está reestruturando em torno dele uma aliança da esquerda brasileira e busca aproximar ou neutralizar setores democráticos contrários ao Bolsonaro. Lula, cuja participação nas eleições ainda pode ser prejudicada por processos judiciais por corrupção, faz campanha com o tema da pandemia COVID-19,
 

*****

 
A lista de candidatos para se tornar um terceiro candidato no Brasil é longa, mas até agora nenhuma cresceu. A Social-Democracia (PSDB), partido do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, está dividida entre os nomes do governador de São Paulo João Doria, do governador do sul Eduardo Leite e do ex-governador do nordeste Tasso Jereissati.

O nome do ex-juiz Sergio Moro, responsável pelo processo judicial contra Lula da Silva, bem como o do atual vice-presidente, General (aposentado) Hamilton Mourão, aparecem como possíveis candidatos, que poderiam assumir a agenda anticorrupção original e nacionalista do projeto político de Bolsonaro. Nenhum deles tem apoio significativo nas pesquisas.
 
No Brasil, certamente há a possibilidade de um retorno de Lula da Silva ao Palácio do Planalto e, por enquanto, a única opção para evitá-lo eleitoralmente parece ser a reeleição de Jair Bolsonaro.
 

*****

 
As eleições presidenciais na Colômbia estão programadas para 29 de maio de 22. Com as históricas agremiações partidárias (liberais e conservadores) transformadas em arquipélago de tendências políticas, sem uma liderança clara entre as forças democráticas, a opção do Castro-Chavista Gustavo Petro ganha espaço.

Uma aliança das várias linhas da esquerda colombiana está se formando em torno de Petro, enquanto na calçada em frente há grande combatividade. A lista de candidatos inclui o ex-governador do Paisa Sergio Fajardo, filhos de Álvaro Uribe e Luis Carlos Galán, a vice-presidente Marta Lucía Ramírez, o ex-candidato Uribe Oscar Iván Zuluaga, entre outros. Pesquisas com resultados divulgados publicamente dão apenas a Petro e Fajardo números significativos de intenção de voto.

O nome de Alejandro Gaviria Uribe, ex-ministro da Saúde do governo de Juan Manuel Santos, começa a soar forte como uma opção para enfrentar Petro. Gaviria foi reitor da prestigiosa Universidad de los Andes em Bogotá até 27 de agosto e já conquistou o apoio de vários líderes políticos colombianos importantes. Até agora, as pesquisas realizadas ao longo de 2021 atribuíram a Gaviria apenas 2 pontos percentuais, mas seu nome era apenas uma candidatura hipotética.

As eleições colombianas de 2022 são as primeiras em que um candidato do eixo castrista-chavista continental pode chegar ao "solio de Bolívar", proposta com a qual Hugo Chávez e Fidel Castro convenceram a liderança da guerrilha das FARC a sentar-se para negociar o " tratado de paz "que lhes permitiria participar de um processo eleitoral.
 

*****

O representante permanente do governo de esquerda peruano junto à OEA , Harold Winston Forsyth Mejía, se recusa a reconhecer a condição de representante permanente de Gustavo Tarre Briceño na Venezuela. A aliança continental Castro-Chavista projeta um conflito dentro da OEA que já começa a se refletir nos eventos da organização.

Forsyth foi um dos primeiros cargos indicados pelo governo de esquerda de Pedro Castillo, que tomou posse em 28JUL2021. Em 11AGO2021, Forsyth já estava em Washington assumindo a representação de seu país perante a OEA e imediatamente tomou posse da Presidência do Conselho Permanente, que corresponde ao Peru no trimestre julho-setembro.



O enviado do Peru à OEA Harold Forsyth com Luis Almagro, Secretário-geral da OEA, em 11AGO2021 Foto - OEA


 

*****

 
Na qualidade de Presidente do Conselho Permanente, Forsyth convocou uma sessão extraordinária para 25AGO2021, a pedido do Governo boliviano. O objetivo da sessão extraordinária foi ouvir as intervenções, via Internet, de Rogelio Mayta Mayta e Iván Lima Magne, Ministros das Relações Exteriores e Justiça do governo boliviano.

A sessão de 25AGO2021 do Conselho Permanente da OEA pareceu um prólogo do que acontecerá na 51ª Assembleia Geral, a reunião anual de Ministros das Relações Exteriores do Continente, programada para 10NOV2021 na Guatemala. As intervenções dos ministros bolivianos se concentraram em atacar a administração do Secretário-Geral Luis Almagro. O governo esquerdista da Bolívia mantém luta contra Almagro em relação aos relatórios elaborados pela OEA, que evidenciaram os indícios de fraude eleitoral nas votações do 20OUT2019, que geraram uma grave crise política, a renúncia e fuga de Evo Morales e outros altos dirigentes de seu regime no exterior e a instalação do governo provisório chefiado por Jeanine Añez.
 

*****

 
A Procuradoria Geral da República da Bolívia, controlada abertamente pelo partido de Evo Morales, MAS, anulou em 27JUL2021, os processos de investigação judicial por fraude eleitoral, que comprometiam Morales. A decisão do Ministério Público boliviano, declarando que a manipulação de sistemas de informática nas eleições "não constituiu crime", foi baseada em relatório contratado a um "Deep Tech Research Group" da Fundação Geral da Universidade Espanhola de Salamanca.

Em 09AGO2021, a Secretaria de Fortalecimento da Democracia da OEA, dependente de Almagro, emitiu uma declaração “apontando os erros e omissões” do relatório apresentado, embora não endossado, pela Universidade de Salamanca. Os técnicos da OEA ratificaram suas conclusões de 2019 sobre as indicações de fraude eleitoral perpetrada pelo então governo de Evo Morales, que levou a Chancelaria Boliviana a solicitar com urgência a reunião de 25AGO2021.

Sucessivamente após as intervenções Bolivianas, com longos discursos de apoio ao governo da Bolívia, atacando Luis Almagro e a presença da representação venezuelana na organização, fizeram uso da palavra os enviados do México, Nicarágua e Argentina. O eixo México-Bueno Aires opera em conjunto dentro da OEA e executa um plano desenhado e patrocinado pelo denominado Grupo de  Puebla.
 

*****

 
O Embaixador da Bolívia, Harold Forsyth, que presidiu a sessão, mostrou seu conhecimento de cerimonial e cordialidade, citando os nomes, cargos e condições de cada um dos oradores que fizeram uso da palavra. Quando o venezuelano Gustavo Tarre Briceño solicitou seu direito à palavra, o peruano se limitou a concedê-lo ao “senhor Tarre”.

Forsyth é um diplomata de carreira que ingressou no serviço diplomático em 1975 e seu manejo da linguagem em relação ao enviado do “governo Guaidó” à OEA foi o sinal da guerra de baixa intensidade, que se trava no corpo continental. Os países México, Argentina, Nicarágua, Bolívia e Peru, com a gestão ativa dos regimes de Cuba e Venezuela fora da OEA, pretendem neutralizar ou forçar a renúncia de Luis Almagro e anular a representação de Tarre Briceño.

A concretização deste plano depende da posição assumida pelos numerosos países caribenhos, alguns deles aliados ativos do regime cubano, que curiosamente calaram-se na sessão de 25AGO21. A esquerda continental se move para recuperar os espaços de poder e influência que teve na década passada e a “batalha pela OEA” poderá acontecer em novembro próximo na Guatemala.

 

*****

Não há evidências de negociações entre o governo de Joe Biden e o governo de fato de Nicolás Maduro.

A Casa Branca e o Departamento de Estado estão dando tempo às negociações entre Maduro e os enviados de Juan Guaidó, que devem ser retomadas no 03SET2021 sob os auspícios do governo norueguês.

A propósito, Elliott Abrams, que atuou como Enviado Especial do Departamento de Estado para a Venezuela durante o governo Trump, confirmou que os EUA se recusaram a participar da mesa de negociações Guaidó-Maduro como um "país companheiro" do papel de Guaidó. aceitou o Reino dos Países Baixos.

O "país companheiro" designado por Maduro é a Rússia. Em artigo publicado no portal The Hill em 19AGO2021, Abrams escreveu “lógica e apropriadamente, a oposição [Guaidó] escolheu os Estados Unidos, em tese seu maior apoiador e a nação cujas sanções são um objetivo fundamental do regime. Mas a Rússia disse sim ao regime e os EUA disseram não à oposição democrática ”.


VEJA MAIS



Outras coberturas especiais


America Latina

America Latina

Última atualização 22 SET, 08:30

MAIS LIDAS

Guerras Híbridas Latinas